Sou Marcel Fernando Aires Serrano, tenho 39 anos e nasci em Natal – RN. Meus pais são casados até hoje, se chamam Carlos e Maria José. Me lembro que minha mãe era super protetora e se dedicava aos cuidados de casa. Ela é bem talentosa com pinturas e decoração. É um dom que Deus a deu. Foi ela que decorou o meu casamento e, depois disso, abriu uma empresa de decoração de eventos. Meu pai é professor de ciências e biologia, antes disso foi bancário. Eu tenho uma irmã, chamada Marcela.  Na infância, vivemos uma vida simples, com minha mãe sempre em casa e meu pai indo trabalhar. Fui uma criança bem quieta. Eu era muito tímido até a adolescência. O meu relacionamento com Deus foi o que melhorou essa timidez ao longo do tempo.

Meu envolvimento com a música começou em torno dos 16 anos de idade. Sempre que eu ia para a casa da minha avó, eu pulava o muro do quintal e ia para a casa de um amigo meu, que tinha um teclado. De vez em quando eu pedia emprestado e levava para ficar treinando. Quando eu ia fazer trabalhos do colégio na casa dele, eu também aproveitava e ia para o teclado. Dois anos depois, meu pai comprou um teclado para mim, foi quando eu comecei a treinar ainda mais e fiz 4 meses de aula. Ainda assim, minha maior escola foi quando comecei a tocar na igreja. No  primeiro culto em que toquei eu tinha 18 anos. Foi em março de 1998, me lembro até qual era a canção, “Corpo e Família”. Esse ano completei 20 anos no ministério de música.

No início eu somente tocava, mas alguns anos depois, em 2004, comecei também a cantar. Foi na época em que também comecei a buscar os dons do Espírito, mesmo numa igreja que não falava muito sobre isso. Nessa fase, eu e minha irmã fomos batizados no Espírito Santo. Eu e mais um grupo de pessoas que estavam sedentas por mais de Deus naquela igreja, começamos a nos reunir para realizar cultos. Nesse grupo havia um pastor, com o tempo essas reuniões resultaram na formação de uma nova igreja.

Em uma das reuniões nessa nova congregação, eu percebi em meu espírito que havia mais de Deus para ser desfrutado naquele culto. Havia um rapaz tocando naquele momento, mas eu ouvi dentro de mim: “Vai lá, é você!” Então eu, super nervoso, me levantei, peguei o microfone e comecei a motivar os irmãos a buscarem mais de Deus, cantando e salmodiando.  Esse dia foi marcante porque foi a primeira vez em que eu fui ousado e dei esse de me deixar fluir no Espírito debaixo de uma unção específica. Desde então, sigo crescendo e aprendendo a cada dia com o Espírito Santo. A música é uma ferramenta para se ministrar a Palavra e eu não me vejo cantando se não for para o Senhor. se não for algo para ele que manifesta a presença dele a música perde do sentido para mim.

Deus já vinha tratando comigo sobre missões e usando pessoas para falar sobre isso para mim. Há alguns anos se falava em missões e só se pensava em África. Missões era igual a África e eu estava nessa onda. Em 2007, surgiu uma possibilidade de viajar para Guiné-Bissau, mas acabou que não deu certo. Quando chegou bem perto da viagem, deu tudo errado. Foi quando Deus me trouxe um prumo. Estávamos eu e meus primos em oração e recebemos uma palavra dEle: “Eu derramei um fogo em vocês e esse fogo é para um povo frio”.

Em 2008 recebi o primeiro convite para ir a Alemanha. Foi numa ligação de uma amiga que me trouxe a proposta de ir para lá, pois havia uma igreja precisando de pessoas para organizar o louvor. Ela explicou que eu iria passar três meses no país. Até então, eu ainda não tinha saído do Brasil. Me senti honrado com a proposta e pedi para minha amiga conversar com meus pais. Ela foi lá em casa e explicou a proposta. Falou que eu iria com tudo pago e que não iria me faltar nada. Meus pais abençoaram a viagem  e dentro de 15 dias eu já estava lá na Alemanha .Foi uma experiência muito marcante. Foi lá que eu tive a certeza: “é aqui”.

Eu e Priscila nos conhecemos na igreja, antes dessa viagem, mas só nos casamos em 2010. Chegamos a interromper um noivado, mas Deus nos tratou, ajustou algumas coisas e reatamos o noivado. Graças a Deus! Eu já tinha certeza de fazer missões na Alemanha no meu coração, mas precisava que Deus tratasse com ela. Não que ela estivesse fechada para missões, mas não tinha tanta intensidade quanto eu.

Em 2011, fui convidado por um amigo nosso para tocar numa igreja em Natal. Ele me falou que era de uns pastores americanos. Me recordo que era o primeiro dia do ano. Ministramos louvor e o culto foi uma benção. No final, a esposa do pastor falou que Deus havia colocado no seu coração o propósito de formar um grupo para realizar uma viagem transcultural com o fim de evangelizar. Quando ela disse que era para a Alemanha, eu e meus amigos ficamos todos surpresos. Pois todos sabiam que meu coração estava lá.

Então ela nos convidou para fazer parte disso. Priscila e eu fomos. Foi uma viagem marcante! Eu já tinha ido uma vez para lá, mas essa experiência foi indispensável. Foi lá que Priscila voltou com o coração com muita intensidade para a obra na Alemanha. Passamos a congregar naquela igreja. Aqueles pastores foram usados para nos avivar em nosso chamado missionário e eles quem nos incentivaram a fazer o Rhema.

Foi no Rhema que tivemos a direção de vir para Campina Grande – PB. Em Maio de 2012 viajamos e Deus providenciou de forma sobrenatural o lugar onde viemos morar. Vimos o favor dEle em tudo. Em Campina, concluímos o Rhema e fizemos a Escola de Missões logo em seguida.

Quando chegamos lá, fomos vencendo através da perseverança as dificuldades que uma mudança trás. Aprendemos aos poucos o idioma, melhoramos muito através das músicas em Alemão. O Senhor foi nos dando graça para avançar nos adaptando em tudo.

De Campina foi de onde partimos para de fato morar na Alemanha. Quando chegamos lá, fomos vencendo através da perseverança as dificuldades que uma mudança trás. Aprendemos aos poucos o idioma, melhoramos muito através das músicas em Alemão. O Senhor foi nos dando graça para avançar nos adaptando em tudo.

Antes de ir, o Senhor me deu uma visão. Me mostrou aquela nação e começou a trazer algo forte no meu coração forte. Ele disse: “São famílias inteiras”. Lembro-me que isso foi lá na sala do primeiro ano do Rhema. Foi aí que comecei a declarar que seriam famílias, não somente filhos, não somente pais, mas famílias inteiras alcançadas por nós.  Salvas, restauradas e curadas.

O que eu espero é ver essa palavra se cumprindo na Alemanha. O país entendendo que é muito amado pelo Senhor e que não importa o passado que ele teve. Queremos ver pessoas libertas de depressão, de medo, loucura, pois temos visto muitos sofrendo com isto lá. Eu e Priscila desejamos ardentemente ver os quatro cantos da Alemanha alcançados por salvação. Cremos num avivamento. A Igreja do Senhor se levantando na posição de quem ela é. Queremos viver os planos que estão no coração do Senhor e ver o calor do Espírito derretendo a frieza daqueles corações.

Priscila ela é uma esposa e mãe maravilhosa. A mulher de Deus para minha vida, sem ser clichê, digo isso de todo o coração. Ela chegou na minha vida no tempo em que eu estava precisando crescer e tenho vivido isso até hoje.

Priscila é muito inteligente, gosta de estudar e sabe organizar bem os argumentos quando fala. Eu já não sou assim. Ela é uma mulher muito correta, honesta e não gosta de injustiça. Se for algo que é de seu direito, ela vai mesmo atrás. Quando ela vai ao supermercado e algo está em promoção e quando ela chega no caixa, não está no mesmo valor, ela contesta. Esse é um exemplo simples.

Uma coisa que eu faço e eu sei que ela gosta é quando eu tiro algo do lugar, mas coloco de volta no mesmo lugar (risos).  Também quando eu tenho uma postura firme diante de uma determinada situação, eu sei que ela gosta. Sei que essa é a postura que Deus quer que eu sempre aja. Sou uma pessoa calma, tranquila, às vezes até demais. (risos)

Talvez, eu não consiga mensurar a tamanha responsabilidade que é ser pai. Ser referência para meu filho é um desafio, mas Deus me capacitou para isso e tem sido uma experiência maravilhosa. Chegar em casa e ver o sorriso dele, não tem dinheiro que pague isso. Desejo honrar ao Senhor sendo o marido que Priscila deseja, exercendo sempre o papel de cabeça e o Pai que o Senhor também deseja que eu seja.

Depois que eu me casei e me tornei pai, passei a ser ministrado por Deus acerca da paternidade dEle e também a admirar ainda mais os meus pais. Me lembro de um momento muito singelo. Quando meu filho era mais novinho ainda, eu estava com ele em casa, pegando na sua mão e o Senhor falou comigo: “da mesma forma eu seguro a sua mão”.

3 COMENTÁRIOS

  1. Graça e paz amados Marcel eu sou do RJ congrego no verbo de Madureira a uns anos atrás 2001 estive em Madrid onde fiquei por 11 meses eu atravessava a cituação de separação foi muito complicado hoje tem mais de 20 anos que passei por isso na época que estive em Madrid não conhecia o verbo fui criado na assembleia hoje penso de maneira oposta de ssembleiano nada de Deus é imposto é tudo de livre e espontânea vontade por amor eu sou descendente de italianos mais não tenho a cidadania tem erros em meu registro no sobrenome italiano como TD no Brasil é caro e demorado deixei isso por hora de mão mais sinho com o reconhecimento desse meu lado italiano Deus teve misericórdia de mim e não me chamou pra missionário mais sim de pastor sei que embora estamos nos tempos finais aqui na terra mais os filhos de Deus nada tem a temer o melhor de Deus pra seus filhos ainda estão por vir missão é espinho ou como dizem no mundo é sofrência no entanto prazeroso eu sou despreparado de estudos só tenho o fundamental e olhe lá RS… mais não tenho medo de fazer missão não pq isso está no coração do pai felicidades a vcs aí e quem sabe um dia o pai permita que eu possa estar por aí avançando em fé nessa fronteira alemã Shalom amados.

  2. Graça e paz, Boa noite!Abençoado tem como enviar o endereço da rua e bairro Cidade da Amanhã onde fica igreja do Verbo.Tudo indica que vou passar dois meses na Amanhã a trabalho sou cuidador.Quero oportunidade de ir culto da Verbo da Vida aguardo sua resposta meu Nome é Robson Aragão meu número é 55 79 998572998 Meu zap.Agradeco muito se pode mim ajudar com essa informação.

    • Graça e paz irmão! Ainda não temos uma igreja Verbo da Vida na Alemanha. Por enquanto, os missionários Marcel e Priscila estão prestando apoio em uma igreja local. Vamos lhe enviar mais detalhes pelo seu email, confere lá! Agradecemos o seu contato!

Deixe uma resposta para Gelcimar stançani da cruz Cancelar resposta