Emoção invade o culto de reabertura da Igreja em Campo Grande no Rio (RJ)

Postado em
0

Uma misto de grande emoção e muita alegria invadiu os irmãos no culto de reabertura da Igreja Verbo da Vida de Campo Grande, no Rio de Janeiro (RJ). A reabertura aconteceu após cerca de noventa dias de interrupção dos cultos presenciais, por conta da pandemia pelo Covid-19 que se alastrou por todo o mundo.  

A reabertura da igreja local aconteceu de forma progressiva e contou, numa primeira etapa, com a participação da líder do Ministério Gerando Vidas e diretora do Rhema Campo Grande,  Marcela Chianca. Posteriormente, a segunda etapa teve o retorno dos grupos de discipulados e contou com a participação do ministro Rodrigo Silva, até se estender para o público geral, através do o link de inscrição disponibilizado pela secretaria da igreja.

Todos os cuidados foram rigorosamente seguidos cumprindo as regras determinadas pela Prefeitura do Município do Rio de Janeiro, como o distanciamento de dois metros entre uma cadeira e outra, distribuição de álcool em gel, aferição de temperatura, aconselhamento a pessoas do grupo de risco e, por fim, a higienização total das dependências após os cultos.

Marcela Chianca, responsável por trazer uma palavra especial no primeiro culto, depois de tanto tempo de distanciamento, relatou como foi o sentimento de estar de volta, mesmo com certas restrições, obedecendo às orientações do Ministério de Saúde.

“Pura emoção é a expressão para definir esse momento. Estávamos como que sonha. Algumas pessoas estavam tão emocionadas que não conseguiram conter as lágrimas. Aquelas que puderam retornar estavam bem animadas. A unção coletiva é poderosa. Estávamos participando do culto on-line, mas existe um aspecto da unção que opera na coletividade. Existe um poder na assembleia dos santos, na comunidade da fé reunida. É evidente que a suspensão dos cultos presenciais era necessária, mas não pode ser por muito tempo. Estar unidos no mesmo ambiente e para cultuar como família é diferente, indispensável!”, relatou a ministra.

Mesmo com a interrupção dos cultos presenciais, todos os departamentos estiveram em pleno trabalho. O diaconato com suporte nos cultos on-lines, a assistência social com distribuição de remédios, alimentos, material de limpeza e higiene para os membros e a comunidade. A igreja de crianças transmitindo suas aulas, bem como o ensino da Palavra através do discipulado e a assistência às ovelhas através de oração e acompanhamento.

De igual forma, os departamentos estiveram empenhados em produzir conteúdo de valor para os membros, com o apoio da equipe de Comunicação, que esteve muito mais operante para poder cobrir e transmitir tudo que estava acontecendo, nesse período de isolamento, sem deixar que nada fosse perdido.

“O período de isolamento foi um tempo de muito trabalho. Onde nos renovamos e nos reinventamos de alguma forma. Trabalhamos como nunca para estarmos presentes, mesmo que não fisicamente, mas para nos mantermos juntos através de todo conteúdo que foi disponibilizado”, ressaltou Marcela.

O culto de reabertura foi um verdadeiro sucesso, acompanhado de um misto de celebração e expectativa. A alegria do retorno tem sido um fator partilhado por todos que podem voltar e as inscrições tem atingido seu número máximo rapidamente, demonstrando a percepção do Corpo de Cristo sobre a importância da comunhão e da unção coletiva na vida de cada um.

 

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA