Conheça a rotina de Juliana e Thiago Borba em Campina Grande (PB)

Postado em
1

Hoje vamos conhecer um pouco a rotina do casal Thiago e Juliana Borba e do seu filho Samuel. Eles são os líderes da Igreja Verbo da Vida Sede, em Campina Grande (PB).

Eles viveram um tempo de quarentena intenso. Com atividades na igreja e na coordenação das escolas Rhema, além das atividades no Centro de Operações do Ministério Verbo da Vida. Lives, cultos on-line, treinamentos, reuniões, orações, enfim, foram muitas atividades que desafiaram o casal, mas graças a Deus, eles foram bem-sucedidos.

por Juliana Borba

“Assumimos a liderança da Igreja Sede no final de 2019. O ano começou com muito trabalho. Em março, os cultos presenciais foram suspensos, devido à pandemia, e começamos a fazer os cultos on-line. O primeiro culto estávamos com muitas expectativas e até um pouco tensos, a gente não sabia exatamente como ia ser. Tínhamos um roteiro, mas reconheço que Perilo Borba, líder da Comunicação foi muito importante para nos auxiliar, tanto fazendo os roteiros como na produção dos cultos. Graças a Deus temos uma equipe maravilhosa de comunicação e mídia que fez as coisas acontecerem de uma forma bem leve.

O louvor foi maravilhosos também. Depois do primeiro culto, ficou mais leve e até confortável e graças a Deus, foi muito bom. As pessoas interagiram bastante, percebíamos o povo conectado com a gente. As ministrações foram excelentes nesse tempo. De fato, ficamos satisfeitos com os resultados. Foi algo que nunca tínhamos feito antes, mas vimos a graça de Deus. 

É um grande desafio liderar a Igreja Verbo da Vida Sede, mas temos visto e usufruído da graça de Deus. Nos últimos meses, foi um tempo bem diferente, não podermos ter o contato pessoal com os membros. Mas fizemos muitas reuniões virtuais com a equipe ministerial, diretoria, líderes de departamentos, e tivemos uma boa conexão com o pessoal, nesse tempo, dessa forma. E eles tiveram com os grupos que lideram. Os cultos e reuniões não pararam. O Discipulado e até o Departamento Infantil também não. As crianças tiveram aulas em vídeo, culto ao vivo pelo Zoom, para aquelas de 9 a 11 anos, foi desafiador lidar com tudo no ambiente virtual, mas vimos a graça de Deus em tudo o que Ele nos confiou para esse tempo.

CULTOS PRESENCIAIS

 

 

Voltar com os cultos presenciais foi bem emocionante, porque, muitas vezes, quando a gente estava indo embora do culto on-line, olhávamos aquela igreja enorme, tudo vazio, lembro que eu olhava para o Thiago e dizia: “Nossa, não faz sentido, uma estrutura maravilhosa dessa vazia… Em nome de Jesus vamos voltar logo!” E essa era a nossa confissão. No primeiro culto presencial, quando subimos no púlpito e vimos as pessoas lá, que emoção… O coração bateu mais forte e é exatamente isso, esse lugar existe para servir as pessoas, foi muito gracioso, maravilhoso recebê-las de volta. Cada culto tem vindo mais gente e em breve todos voltarão a congregar. Nos primeiros cultos voltou um grupo, outro grupo ficou mais observando, percebemos isso mais na sala dos adolescentes, que voltou com um número bem reduzido, alguns pais não deixavam ir, mas a cada culto temos mais adolescentes, jovens e adultos. Em breve, voltaremos com o departamento Infantil. Porém, a cada culto, as coisas estão tomando mais forma. 

Estamos observando, e se necessário, faremos mais de um culto. Mesmo com o distanciamento, temos tido a capacidade de receber mais pessoas, pelo grande espaço da igreja, ainda podemos colocar mais gente nos cultos, obedecendo às regras de distanciamento. As pessoas estão muito animadas, temos tido respostas maravilhosas do povo. Primeiro tivemos que lidar com a câmera, que traz uma sensação de distância e a gente teve que romper com isso e agora a gente precisa romper com a máscara. A primeira sensação é de distância, de um pouco de silêncio, mas graças a Deus pelo povo animado que temos. Um povo fervoroso e maravilhoso. Estamos ali para estar junto deles e atendê-los, estamos ali para alimentar o povo que Deus confiou em nossas mãos. 

O DIA A DIA

Eu trabalho com a supervisão das Escolas Rhema e no começo foi desafiador conciliar tudo, até porque tivemos que mudar todo o funcionamento do Rhema para aula on-line, e eu fiquei sem funcionária em casa, Samuel, meu filho, sem escola, mas dou graças a Deus por Rita e Thadeu, meus sogros, me ajudando nas tardes com Samuel, foram muitas mudanças. O Samuel tem muita energia, eu preciso ter uma programação com ele e me organizar, porque senão, não funciona. Nos mudamos, bem na semana que tudo fechou, mas eu organizei a minha semana, cada dia limpava uma coisa, um dia lavava as roupas, no outro organizava para passar, outro dia lavava os banheiros, fui dividindo as atividades e decidi que cada dia eu faria uma coisa para poder dar conta de tudo. 

Tínhamos uma programação com Samuel de brincadeiras para ele poder ficar bem, nesse período, e graças a Deus deu certo, mas no começo parecia uma loucura. Depois as coisas foram se acomodando. A escola entrou em ordem, a igreja entrou num ritmo mais fácil, porque a gente aprendeu o que precisava ser feito. A equipe da coordenação do Rhema que trabalha comigo também pegou rápido as mudanças, mas foram dias muito intensos. Acho que os primeiros 40 dias foram bem trabalhosos. Depois as coisas começaram a se acomodar e a adaptação veio o que foi tornando as coisas mais fáceis. Graças a Deus eu gosto de cozinhar, trouxe o Thadeu e a Rita para almoçar com a gente, porque normalmente eles comiam fora de casa. No começo, tinha um mundo de coisas para lidar, mas deu tudo certo. A mudança traz aquele desconforto, principalmente mudança de coisas que a gente não esperava, mas a gente se adapta com tudo, basta se organizar e contar com a graça e sabedoria de Deus que as coisas fluem. 

ROTINA

De manhã, eu tenho como prioridade o Samuel, e ao mesmo tempo eu checo as atividades da minha equipe na coordenação do Rhema, respondo mensagens e atendo outras ligações, mas o Samuel precisa de uma atenção especial eu acordo, cuido dele, faço atividade com ele, seja atividade da escola, ou alguma que eu mesma invento. Eu assisti 60 horas de aulas de um curso que se chama “Pais professores” para saber como ensinar, interagir de uma forma produtiva com ele. Me realizo muito como mãe. Gosto de investir nele, sabendo que eu estou fazendo o meu melhor. A tarde o Samuel fica com Thadeu e  Rita (os avós) pais do Thiago. Esse é o tempo que consigo sentar na frente do computador e fazer as coisas que eu preciso. Respondo e-mail, trabalho planilhas, vejo relatórios. É o tempo de fazer coisas que precisam de mais atenção. Faço treinamentos, nesse tempo fizemos um treinamento para as Escola Verbo da Vida das novas escolas como Moçambique e as da Europa. 

É um ritmo bem intenso, mas muito agradável, porque a equipe é muito boa. A equipe da coordenação do Rhema é sensacional e eles têm o coração para servir mesmo. Isso facilita lidar e acompanhar. Graças a Deus temos sido muito bem-sucedidos. 

Sou muito grata a Deus pelas oportunidades que Ele tem me dado de servir ao Senhor, servindo as pessoas e com uma equipe ao meu lado. Essas pessoas estão no Rhema, na igreja. Temos vivido grandes desafios sim, mas o Senhor tem sido a nossa força e tem nos dado graça, sabedoria, unção.

Eu estou convicta de que ninguém faz a vontade de Deus sozinho. Vi essa frase de um pregador e ele disse que “se alguém pensa que está fazendo a vontade de Deus sozinho, certamente ele não está fazendo a vontade de Deus.” 

Sou grata por estar fazendo a vontade de Deus, junto com meu esposo Thiago e grata, porque tem tanta gente envolvida e por isso, dá tão certo! 

 

1 COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA