Sou de Brasília, tenho 33 anos. Vivi lá até meus 14 anos. Depois, minha mãe e eu decidimos ir morar em Fortaleza, onde moramos por 17 anos. Sou filho único e tive pouco contato com o meu pai. Eles não chegaram a casar, mas minha mãe mora comigo até hoje. Ainda em Brasília, ela se converteu. Lá começamos a frequentar a Sara Nossa Terra, não conhecíamos quase ninguém na cidade, mas pouco tempo depois eu conheci uma pessoa que estava nessa igreja também e começamos a conversar, desenvolver uma amizade.

A princípio, a gente não queria namorar, eu vinha de um relacionamento e ela também e estávamos meio decepcionados com essa área. Queríamos mesmo nos desenvolver na igreja, servir ao Senhor. Eu era novo convertido e estava sedento para servir ao Senhor com todas as minhas forças, era isso que eu queria naquele momento…

Mas, seguimos conversando… vi que tínhamos qualidades em comum e decidimos ter um namoro santo… sem muito contato físico, já que a gente vinha de outros relacionamentos com experiências não tão boas, nos quais tínhamos nos decepcionado bastante. O começo foi sem beijo, sem abraço mesmo. Namoramos durante 2 anos e nove meses.

Vamos fazer 15 anos de casados. Quando casei eu tinha 18 anos, Samary estava com 17 anos.

Os anos se passaram. O que dizer desse tempo que vivemos hoje?… Maravilhoso! Nada mudou daquele tempo de namoro. Estabelecemos o nosso casamento com base na amizade. Somos amigos. Passamos por momentos difíceis, mas graças a Deus firmamos o nosso relacionamento no Senhor e na Palavra e estamos juntos. Diante de problemas e dificuldades que tivemos, nunca houve traição, confiamos um no outro. Só tem melhorado a cada dia.

Samary é minha grande amiga, companheira, talvez, a pessoa mais inteligente que eu conheço. Uma mulher admirável. Desenrolada, me ajuda muito o tempo todo, pode ser que em algum momento eu a ajude.

Após morar alguns anos em Fortaleza, hoje estou em Teresina, seguindo uma direção de Deus. Nunca pensávamos em vir pra cá. Mas, nosso tempo em Fortaleza acabou. Em 2013, nós recebemos uma palavra profética através do ministro Fernando Leal de que haveria um povo, uma cidade e um prefeito em um lugar e que nós iriamos estar com eles.

Em Abril de 2015, fomos organizar o nosso último “Jump”, que era um acampamento de jovens que fazíamos em Fortaleza, era o nosso sétimo ano, mas já não havia a mesma graça. Estávamos lá, fazíamos tudo bem, o nosso melhor, com mais maturidade, experiência, facilidade, mas não tinha aquela graça, não era mais a mesma coisa… E a gente falava para a equipe: “olha gente, façam assim… porque talvez ano que vem a gente não esteja…” (falei isso meio sem querer), mas o coração já não estava mais ali.

Rossana Lira, estava ministrando nesse acampamento e, lá ela deu uma palavra pra gente. Ela praticamente não nos conhecia, não sabia de nada do que estava acontecendo. Esse era o melhor “Jump”, o que tinha mais gente e ela disse: “Eu sinto um cheiro de saudade no ar… eu vejo esse povo tendo saudades de você pastor Fábio. E falou ainda: Jump 7, Jump perfeito! Pode ser perfeito em tudo, e tem que ser mesmo, porque pode ser que ano que vem eles nem estejam mais aqui…”

Nós já orávamos sobre a palavra que recebemos através do Fernando Leal, mas quando acabou o evento, começamos a orar pedindo clareza ao Senhor a respeito do lugar para onde a gente iria

Em Dezembro de 2015, tivemos um testemunho interior que trouxe uma certeza: chegou o tempo de soltar as coisas, sair de Fortaleza. Foi quando entregamos a liderança do departamento de jovens que liderávamos há 8 anos. Não sabíamos para onde ir, como fazer, quais passos deveríamos dar. Mas, nosso tempo em Fortaleza tinha acabado. Estávamos vivendo bem lá, ganhávamos bem, éramos realizados ministerialmente, era confortável estar lá, mas o testemunho interior estava ali… “é hora de sair…”

Antes, até cheguei a ir em Brasília-DF e também em Vitória-ES, mas não havia sinais de Deus que nos movessem pra nenhum desses lugares.

Aí a Rossana foi pra a Formatura do Rhema em Fortaleza e, lá a Samary se conectou com ela no espírito, foi uma conexão muito forte. Algo espiritual mesmo. Naquela ocasião ela nos convidou para visitar e conhecer Teresina, no Piauí.

Na ocasião, nós compartilhamos com ela que nosso tempo ali em Fortaleza havia acabado e que estávamos orando para uma nova direção do Senhor. E que ainda não tínhamos clareza de Deus sobre qual era essa direção ainda.  E ela falou: “Vamos passar uns dias em Teresina“.

Como falei, nós nunca tínhamos ido lá, era totalmente fora do contexto da nossa vida e ela ainda brincou: “Vá lá, quem sabe Deus não fala com vocês…” (risos)

Passou um tempinho, surgiu uma oportunidade e, em Fevereiro de 2016 fomos até lá. Quando a gente entrou na cidade, foi impressionante, veio aquele testemunho no meu interior: sua casa!

Eu me senti em casa. Amei a cidade!

Quando entrei na igreja, parecia que a gente estava em casa.

Posso dizer que foi tudo sobrenatural.

Saímos de lá pedindo clareza ao Senhor para essa direção. O pastor Judvan me deixou em paz para orar e buscar a direção de Deus quanto ao que fazer.

Voltei pra casa e por dias não dormia pensando em Teresina, eu sonhava, acordava e orava e, depois de alguns dias me veio aquela paz, eu entrei em contato com ele e falei que havia conversado com minha esposa e que havíamos decidido obedecer ao Senhor: iríamos para Teresina.

Fomos conversar com o nosso pastor, Mansueto Vieira, sobre todas essas mudanças em Abril de 2016 e partimos de Fortaleza em Dezembro do mesmo ano.

Quando a gente decidiu ir para Teresina sabíamos que era uma decisão de ir para começar tudo de novo, do começo… Sabíamos que não ia ser como era em Fortaleza. Conversamos com o pastor e decidimos ir para servir aonde precisasse. Achávamos que íamos servir em várias coisas, menos no que acabamos fazendo. Que foi assumir a igreja, porque eles não davam nenhuma sinalização de que isso iria acontecer. 

Eu achava que se um dia eles fossem embora de lá, nós iriamos juntos. Mas, depois que fomos para lá, alugamos a casa, nos instalamos, começamos a ajudá-los, assumimos os jovens, auxiliamos na tesouraria, fomos ajudando na igreja no que víamos que podíamos fazer. Auxiliamos por uns cinco meses, em Maio de 2017, eles nos chamaram para jantar, nos falaram sobre a direção de irem para outro lugar e que queriam que a gente assumisse a igreja. A gente se assustou e se entristeceu no primeiro momento, mas decidimos abraçar aquele desafio.

Eles nos falaram que a melhor forma de os servirem era ficando e servindo ao corpo de Cristo ali. Assim fizemos. Em 29 Novembro de 2017, assumimos a igreja sede em Teresina.

 

Liderar pessoas é um desafio enorme, ainda mais em uma cidade nova, com pessoas novas que você não conhece, mas graças a Deus, a transição foi feita de maneira muito tranquila e saudável.

Eu lido com desafios e pressões o tempo todo e posso dizer que gosto, eles me estimulam, sou movido por eles, acho que aprendi a viver nesse ambiente, quando as coisas estão muito calmas, fico estranhando, parece que nem é meu lugar…

Sou hiperativo, aprendi a lidar com os desafios, eles nem são agradáveis, mas são necessários e, eles me ensinam muito. Não é confortável e nem fácil, mas a graça me assiste.

Sempre têm pessoas novas chegando. Gerir a parte financeira, administrativa, montar equipe com pessoas que você não conhece bem ainda, por isso sempre digo a eles: “obrigado por vocês acreditarem em mim”, porque sempre dizem que o pastor tem que acreditar neles, mas eles também precisam acreditar em mim, isso é muito importante.

Daqui há uns 5 anos eu quero estar bem melhor, vou estar com 37 anos…

Espero que a nossa igreja esteja com uns 5 mil membros. Eu gosto de sonhar e sonho grande sempre.

Quero estar bem melhor espiritualmente, emocionalmente e financeiramente.

Espero já ser papai. (risos)

O meu sonho realmente é ser pai… será uma realização ser pai.

Ah! Tenho um sonho de escrever um livro também. Acredito que tenho os sonhos ministeriais, que como pastor estão envolvidos e, sonho em ver o crescimento da igreja sim.

Uma realização que posso citar: trabalhar com os jovens em Fortaleza, ver essa galera hoje avançando, pessoas com caráter, fazendo a vontade do Senhor. Sei que tenho uma contribuição nisso, poder ter participado na construção da história delas.

Eu sou um homem teimoso, chato (às vezes) perfeccionista, mas um cara que ama muito as pessoas. Não deixo de acreditar nelas.

Sou uma pessoa que ama muito a obra de Deus que tenta ao máximo viver intensamente para o Senhor.

Quero encerrar expressando a minha gratidão ao pastor Judvan e a Rossana Lira, pois eles foram pessoas muito importantes, em especial nessa fase das nossas vidas. Eles nos marcaram com o amor deles e foram essenciais nessa fase do nosso ministério. São pais espirituais pra gente. Nossa história tem o nome deles.

Não podemos deixar de mencionar na nossa história o nosso agradecimento à Vera Cavalcante e ao pastor Gilmar que nos ajudaram em tantas coisas no nosso início ministerial. Ronaldo que foi nosso primeiro líder de jovens, foi um cara que marcou as nossas vidas, a quem somos muito gratos.

Ao pastor Mansueto e Simone que nos ensinaram tanto durante um tempo, pessoas fundamentais e preciosas.

Toda a galera de Teresina que nos acolheu e que são tão importantes pra nós! Amamos vocês !

2 COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA