Meu nome é Helio Azevedo, tenho 52 anos e eu nasci em Recife e fui criado com meus avós, Carmem e Heronides Azevedo. Fiquei com eles até os 16 anos, nessa idade voltei para a casa dos meus pais e foi um impacto muito grande. Meu avô queria que eu fosse militar. Meu pai viajava muito, era transferido sempre, então eu fui criado com meus avós. Passei por muitas dificuldades com eles, então quando eu voltei pra casa tive um pouco de conflito para me adaptar novamente. Porque eu cheguei a passar uma semana com um pedaço de carne e quando cheguei na minha casa era fartura. Só tomei leite em pó com 16 anos de idade. Juntava dinheiro em um porquinho pra ter uma bicicleta. Houve um choque, mas a gente já conversou e se perdoou.

Eu acabei não seguindo a carreira de militar como queria, não conclui. Estudei em colégio particular, entrei em uma universidade, conclui o superior em Administração e Marketing Internacional e segui uma carreira comercial totalmente diferente da que eles queriam pra mim. Sou gerente comercial e estou nessa carreira há 29 anos. Eu era muito próximo aos meus avós e sinto muita falta deles, são as pessoas que me ensinaram o que é ser um homem, o que é ter um caráter. Sinto falta disso. Eu saí da casa deles depois que os dois faleceram, mas eles me ensinaram muito.

Sou o mais velho de quatro irmãos. Não tenho muita lembrança da separação da minha família, mas do retorno sim. Nós já tínhamos mais contato, eu e meus irmãos. Eu me casei bem cedo, vou fazer 30 anos de casado. Fui pai com 22 anos, tenho um filho de 27 anos outro de 26. Um está fazendo mestrado na UFPE e o outro terminou agora Engenharia da Computação também na Federal.

Eu tenho uma experiência marcante que aconteceu recentemente. Minha mãe era vinculada a magia negra, ela vivia com isso e quando eu voltei pra casa dela comecei a dirigir pra ela, a levar ela pra esses lugares, eu ficava dentro do carro eu não entrava pra assistir. Eu tinha curiosidade mas, nada aconteceu de imediato, mais na frente, eu me tornei a mesma coisa que ela era, também entrei para a magia negra, até conhecer a Palavra de Deus. Depois dessas coisas que eu vivi sempre digo “Você tem que ser um influenciador e não um influenciado”, principalmente com essa palavra que conhecemos. Pra glória de Deus, agora minha mãe já fez o Rhema, somos todos salvos. Isso foi uma coisa marcante na minha vida, minha mãe, mesmo sem saber. me levou pra esse lado.

Nesse período que me envolvi com magia negra eu já era casado, já liderava metade do país em uma multinacional. Morava em Salvador. Nessa época, meu deus era o dinheiro. Tinha uma pessoa que alegava ter poder pra sustentar minha vida e eu a bancava em muitas coisas. Foi com o conhecimento da Palavra que eu pude sair disso, quando aceitei Jesus. Só tenho quatro anos como convertido, fiz o Rhema e Escola de Ministros. Foi tudo muito intenso. Quando peguei a bíblia eu disse “Se o Senhor existe, o Senhor vai me salvar, vai ter que ter a salvação de Hélio, porque senão eu vou voltar a fazer tudo com mais fervor”. Eu comecei a cortar tudo isso da minha vida e, quando você entra de cabeça em algo e acredita naquele que pega junto contigo, que é o Espírito Santo, tudo dá certo.

Tem uma igreja pequenininha em uma favela aqui em Recife, que é liderada por uma pessoa chamada Sandra. Essa mulher também me deu uma força muito grande até eu conhecer a Jesus. Outra pessoa que me deu muita força também foi um irmão que eu aceitei Jesus com ele, ela até fez Rhema e Escola de Ministros comigo. Hoje, ele é pastor da igreja de Moreno. Minha esposa, juntamente com minha irmã, também orou por quatro anos pela minha conversão.

Uma curiosidade que eu sempre falo pra todo mundo: no dia em que eu estava naquele lugar e desceu um espírito que conversava comigo, a primeira coisa que ele me falou foi “Quando você estiver vindo pra cá não diga a ninguém que você está vindo” e eu perguntei o porquê e ele disse “Porque tem gente que ora muito”. Isso ficou marcado, ficou na minha cabeça, eram essas orações que quebravam aquilo que ele estava fazendo. Eu abri isso pra minha esposa depois de aceitar a Jesus e também comentei recentemente com o pastor Felipe, que é nosso pastor lá na igreja de Vitória de Santo Antão. Entendo agora que a oração é o poder do justo.

Em um réveillon a quatro anos atrás, minha irmã me convidou para passar na igreja dela. Ela já fazia parte do Verbo e estava concluindo o segundo ano do Rhema. Quando eu cheguei, entrei pela segunda porta do templo, me senti como se estivesse sendo sugado por um aspirador de pó. Me encostei em uma parede e só sabia chorar e me quebrantar. Foi ali que escutei a voz do Senhor me dizendo “Esse é o lugar que eu tenho pra você”, e logo em seguida entrei no Rhema. Devo muito aos meus pastores, Humberto, Junior, Edglei, Tarcísio e ao Eusébio. São pessoas que de fato tenho uma conexão espiritual, porque eu oro muito pela família deles e sei que eles oram muito pela minha também. As palavras que saem da boca desses homens têm sido alimento para a minha casa.

Minha esposa é a Gisele Azevedo, nos conhecemos num bairro humilde aqui da periferia. Ela é pernambucana também. Tivemos aquele namoro de clube, de festinhas de casa. Eu conheci ela quando ela tinha 15 anos e eu 17, logo em seguida começamos a namorar. Nós namoramos pouco tempo, acredito que dois ou três anos, e nos casamos.  O nosso casamento foi de uma forma única porque não teve nada, nós chegamos e dizemos “A gente se ama tanto, vamos casar, mas como vamos contar pra nossos pais? ”, não contamos. Fomos em um cartório do bairro, chamamos duas testemunhas ,uma foi meu cunhado e outra foi uma pessoa da rua, e nos casamos. Eu era vendedor nessa época e nós começamos a construir a nossa vida.

Minha esposa representa a base. Ela aguentou muita coisa comigo. Ela passou por muitas coisas. Eu tirei ela de dentro da casa dela, pra depois conhecer satanás e estar me envolvendo com ele e o servindo por muitos anos. Ela foi uma mulher que segurou tudo. Ela é minha base, minha fortaleza, depois de Jesus é ela, sem dúvidas. Eu a amo muito. Passamos por muitos problemas no casamento, desemprego, traição, mas glória a Deus que me restaurou e hoje, eu estou aqui para isso. Restaurar.

Depois de dois anos de casados veio a Mariana e, depois o Gabriel. Mariana é casada e, eu tenho um netinho chamado Caique. Gabriel está solteiro e ainda mora com a gente.

Gabriel sempre foi uma pessoa de caráter muito forte, ele já entregou a sua vida a Cristo. Mariana ainda não conheceu a Jesus, mas eu costumo dizer que está perto disso acontecer, porque nós somos crentes e a família do marido dela também. Então, é só questão de tempo, mas minha menina é muito íntegra e correta. É uma pessoa maravilhosa, muito dinâmica, é professora de capoeira e mergulho. Minha família é linda. Minha família é meu porto seguro.

Eu era funcionário de uma empresa e sempre gostei de esportes radicais e, uma dessas coisas eu tatuei no meu antebraço. Esse foi meu primeiro emprego, quando cheguei na primeira convenção pensei: “como uma pessoa funcionaria nessa empresa se tem uma tatuagem dessa?”, eu tinha uma caveira tatuada. Me deram uma semana para tirar. Mas, naquela época não existiam os procedimentos que existem hoje, ou seja, eu tive que fazer uma raspagem no meu braço, tirei carne da minha barriga e coloquei no braço para cobrir. Eu me frustrei muito com isso, assim comecei a tatuar outras partes, minha perna é toda tatuada. E o que tem das minhas pernas pra baixo é caveira, não tem outra coisa a não ser caveira. Eu gostava de andar de skate, estar descendo em lugares que não podia, de estar com longboard na praia. Agora, eu gosto de futebol, gosto de estar no mar, gosto de estar remando e sempre fazendo meus esportes.

Daqui a dez anos eu vou estar com 62 anos e, quero estar com uma casa cheia de netos. Quero estar com uma ONG que atende a adolescentes que estão envolvidos com drogas, prostituição, ajudando eles e falando sobre a Palavra de Deus. Falando sobre o que é possível Deus fazer na vida de cada um. Hoje, eu estou em um departamento que é muito precioso pra mim que é o de evangelismo nos presídios e também estou no departamento de casais. Tudo que o diabo tocou em minha vida eu estou em departamentos para fazer o contrário. Passo pra dizer para as pessoas que o que elas passaram eu também passei e tenho uma solução, que é conhecer a verdade e ela lhe libertará.

Agora, como um novo homem, eu sou feliz, realizado e contente pelas coisas que tenho recebido do Pai. Eu não tenho nenhuma dificuldade para a propagação desse evangelho, eu não tenho dificuldade de tirar as pessoas de onde eu vim e trazê-las para onde eu estou. Porque a nova criatura, Hélio Azevedo, é totalmente realizada em todos os aspectos.

2 COMENTÁRIOS

  1. Que testemunho maravilhoso. Glória a Deus pela sua vida e da sua esposa irmão Hélio!
    Que a sua história com Deus se espalhe por toda parte, para que outras pessoas que ainda estão cativas da forma que você era, tenham luz e esperança em suas vidas.
    Eu creio que os sonhos de Deus no seu coração, se cumprirão antes do que imagina.
    Obrigada por dizer sim a Cristo!

DEIXE UMA RESPOSTA