A manhã deste domingo foi inesquecível! A Conferência de Mulheres Verbo da Vida 2018 foi encerrada em grande estilo. Este culto já iniciou com um momento de oração poderoso, dirigido por Elia Nicholas e Shirla Lacerda. Seguindo, um grande arraial do santos iniciou, as mulheres fizeram uma grande festa no período de louvor e adoração, que desta vez, foi dirigido por Cinthya Miranda

MARIZETE GARCIA

Logo após isso, Marizete exortou as mulheres quanto a serem mais ativas e ficarem menos na defensiva. Ela explicou que muitos homens e mulheres na Bíblia fizeram calar a voz da multidão e, cada um deve fazer o mesmo. É preciso distinguir a hora da defesa e do ataque. 

“Esses dias eu estava assistindo a um jogo de vôlei e aquelas mulheres estavam apenas defendendo e, quando você defende está mais propenso a perder, mas quando ataca está mais propenso a ganhar. Não somos feitas para a defesa, vamos defender, claro, mas não somos feitas para viver de ciclos de derrota em ciclos de derrota”.

Com muita ousadia, Marizete continuou incentivando as mulheres a não ficarem de boca calada, é preciso orar, declarar e agir em cima daquilo que se declara. “Crise não tem nada a ver comigo. Eu sou sacerdotisa. Na minha casa tem suprimento pra mim e para o reino de Deus”, disse ela.

“Sou atacante não estou na defensiva!”

Leia mais da mensagem de Marizete Garcia.

AURINHA CHIANCA

No segundo período de ministração, Arinha com empatia e muita franqueza, pregou a Palavra de Deus como um verdadeiro bate papo com as conferencistas. Falando um pouco da fase da sua vida em que esteve em depressão e que passou por vários médicos para que pudessem lhes ajudar, mas nada resolvia, ela exortou as mulheres reconhecerem os seus limites e não ultrapassá-los.

“O meu limite é diferente do seu e, eu tenho que entender e reconhecer isso. Se a bíblia afirma que Elias, o profeta, estava sujeito aos mesmos sentimentos que nós, isso é um alerta para cuidarmos do nosso corpo, da nossa alma e do nosso espírito. Eu tive depressão. Estava fazendo tudo demais, pregando, aconselhando, lendo, com as responsabilidades de casa, maridos, filhos, mas eu fui além do meu limite. Eu sei o que é ter síndrome do pânico, eu sei o que é ter medo. Eu estou falando isso, para você ver que estamos sujeitas ao mesmos sentimentos e que existe um Deus que está pronto para nos socorrer” 

Ela encerrou dizendo que as mulheres precisam ter cuidado com os seus limites. Reconhecendo-os e não querendo ser ou fazer algo que não são. E disse: “Cuide da sua saúde, do seu corpo, da sua alma e do seu espírito, alimente o seu espírito”.

Leia mais da mensagem de Aurinha Chianca no blog “Mulheres Verbo da Vida”. 

Logo após, Aurinha convidou a frente mulheres que sofriam com depressão, insônia, para receberem um abraço dela, pois o Senhor lhe havia dito que o seu abraço curaria. Dezenas de mulheres foram a frente e com certeza as suas vidas foram transformadas.

Esses foram dias marcantes! As conferencistas demostravam muita alegria e gratidão por tudo o que o Senhor comunicou durante esses dias, mas também as expectativas já estavam altas para a edição da Conferência Nacional de Mulheres no próximo ano.

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA