Tenho 30 anos. Nasci em São Paulo, mas sempre morei em Guarulhos. Lá conseguia encontrar tudo o que eu precisava. É um lugar que possui faculdades, shoppings, tem um lugar lindo chamado bosque Maia e era bem pertinho de casa, era um lugar tranquilo, boas padarias onde eu tomava meus cafés e até jantava. O que eu mais gostava de lá era estar perto da minha família. Por ser a cidade que sempre morei é a minha referência.

Eu não tinha vontade de sair de lá. Eu até falava para Deus: “Pai, eu nunca quero sair daqui. Essa é a cidade que eu nasci, minha família está aqui”

Sou bem próximo à minha família, tenho 2 irmãos mais novos, que são verdadeiros amigos. Sempre fomos companheiros. Meus pais sempre me apoiaram e confiaram em mim, sou grato pelo amor que eles me deram, por ter acreditado em mim e por me ajudar sempre. Agradeço a minha mãe, que mesmo estando longe tem me apoiado e aguentado firme, e sou grato ao meu pai que tem cuidado da mina mãe.  Sei que família não se escolhe, mas seu eu pudesse escolher eu escolheria essa.

Mas, quando eu conheci a Giselle, minha esposa, ela já tinha um chamado na vida dela muito claro que era para os povos africanos, eu tinha uma inclinação de um chamado, mas não tinha certeza do propósito de Deus para minha vida. Antes de começar a namorar com ela, pedi a Deus que ele confirmasse o que ele tinha para minha vida, para que eu não atrapalhasse o chamado dela e nem ela o meu. E Ele me confirmou, e isso começou a ficar mais forte na minha vida.

Um pouco antes de casar, estávamos envolvidos na Secretaria de Missões de nossa igreja, e quando passávamos notícias dos missionários Ronnie e Luciana, que estão na França, meu coração ardia e eu me alegrava muito. Na época achava estranho, pois não entendia qual era a relação dos povos africanos com a França, mas ao entrar em contato com os missionários Ronnie e Luciana, eles nos falaram: “africano é o que mais tem aqui”.

No nosso primeiro ano de casados Deus nos falou que precisávamos ir para França para pisar a terra, e fomos em dezembro de 2016.  Quando estávamos lá tivemos certeza de que lá era o lugar onde deveríamos estar. Víamos que Deus estava nos direcionando e quando estava lá eu não queria mais voltar para o Brasil.

Em 2017 já queria mudar definitivamente para França, mas fomos direcionados por Deus a fazer a Escola de Missões antes, para adquirir as ferramentas necessárias e enfim cumprir o nosso chamado naquela nação.

Em 2018 viemos para Campina Grande para estudar na Escola de Missões. Eu amei a tranquilidade da cidade. Bem diferente da agitação de São Paulo. Interessante que no assim que a gente chegou, tínhamos compromisso às 19 horas, saíamos às 18.30 e chegávamos bem antes lá. (risos) descobrimos que não tinha trânsito, isso é uma coisa muito boa. Conseguimos desacelerar um pouco a nossa vida. Pegávamos metrô e passávamos duas horas para chegar no trabalho e isso era bem desgastante. Um lugar que demorava 15 minutos, demora uma hora e meia pra chegar.

Outra coisa que tem sido uma benção é estar perto do ministério, ver a visão de perto, realmente estar na fonte é muito bom. E isso era uma coisa que a gente desejava porque pra gente sair era importante passarmos um tempo aqui, pra pegar a visão melhor e estar mais próximo.

Estamos concluindo a escola de missões, estudando o francês e nos organizando em relação ao visto. Vou para a França como estudante e seguirei estudando lá na minha área. Vou com visto de estudante, mas pretendo trabalhar também, ter uma vida normal, estudando e trabalhando. O bom de ir com o visto de estudante é que teremos alguns benefícios do Governo.

Depois voltamos pra Guarulhos ficamos um tempinho com nossos familiares e seguiremos pra França provavelmente no meio de 2019.

Eu sempre falo para ela que ela é a mulher da minha vida. Na verdade, assim, eu orava pra Deus para ter uma mulher de determinada maneira, e ela é mais do que eu pensava, até mais do que eu orava e sonhava. E realmente ela é uma mulher que me faz ser uma pessoa melhor, ela me ajuda a crescer, ela me ajuda a avançar. Realmente o homem que eu sou hoje é graças a ela, ela me ajudou muito e tem me ajudado muito a avançar. E é maravilhoso estar com ela. Completamos 3 anos de casados dia 12.

Tem gente que fala que o primeiro ano de casamento é complicado, só que na verdade eu acho que fica cada vez melhor. Isso é ate uma coisa que eu orava antes de casar, antes de conhecer ela. Eu orava pra que eu tivesse um casamento que a cada dia fosse melhor e melhor. E é o que tem acontecido, a cada dia que passa, a cada mês e a cada ano a gente tem tido um casamento melhor. E é maravilhoso, varias aventuras que a gente já passou em viagens, entrar em presídios…. Tanto nas coisas naturais como nas sobrenaturais a gente é muito companheiro, sempre fazemos as coisas juntos, a gente sempre se da muito bem, a gente se entende. Ela até fala as vezes, que ela pensa em algo e olha para o lado e falo o que ela estava pensando e ela diz ‘’ como você sabe? ‘‘. É até engraçado. Tem sido muito bom e a gente casou no tempo certo e foi a melhor coisa. Tem algo que eu disse no casamento e vou dizer aqui de novo ‘’a melhor escolha que tive, depois de aceitar Jesus foi me casar com ela’’.

Primeiro ela começou a ir, eu ainda não ia com ela, aí depois de um tempo eu comecei a levar ela, que foi quando a gente começou a namorar. E eu levava ela e ficava lá na frente esperando, durante 2h, 3h, dentro do carro no calor, porque eu ainda não podia entrar. Ai quando a Leonilde foi transferida de presidio, a gente deu entrada nos documentos e eu pude entrar. Só que eu confesso que a primeira vez, eu tive um pouquinho de medo, mas na noite anterior eu tive um sonho, que Deus falou comigo realmente, e ele me mostrou nesse sonho eu em uma outra cidade, em outro lugar em que eu estava desconfortável, era um lugar que eu não queria estar. Era um lugar que era ruim pra mim, só que no sonho eu ouvia a voz de Deus dizendo ‘’ é difícil pra você mas quando minha graça está disponível tudo é muito mais fácil’’, ai quando Ele falou isso foi como se tivesse caído realmente algo sobre mim, eu senti mesmo a graça dEle sobre mim, não é algo que possa explicar no natural.

E então tudo ficou leve e tranquilo naquele lugar que eu estava no sonho. Então quando eu acordei eu sabia que era pra eu entrar no presidio e ministrar. Quando eu entrei realmente eu senti que era um clima bem mais pesado, era um presídio feminino, mas a primeira coisa que eu ouvi foi ‘’chama o Pitty porque a família dele ta aqui’’ eu pensei ‘’como assim a família dele? ‘‘ aí eu olhei assim o Pitty vindo e era uma moça de cabelo curto e tal. Mas assim eu percebia essa graça sobre mim quando cheguei lá, e a Gisele até comentou ‘’nossa como é mais fácil entrar aqui com você, normalmente é muito pesado, mas está leve hoje’’ e ai quando a gente sentou lá, eu estava preocupado. Eu pensei Deus deu a palavra pra mim, mas será que é isso realmente o que eu devo falar pra ela? Ela só tinha aquele período naquela semana pra ouvir a palavra de Deus. Então era muita responsabilidade eu falava ‘’eu tenho que trazer o que ela necessita, e fiquei não com medo, mas com um temor porque teria que falar tudo certinho. ‘’ mas quando eu falei foi tudo muito natural, não foi uma ministração, foi mais uma conversa. E quando eu terminei de falar ela disse “era tudo o que eu precisava ouvir’’.

E quando ela falou isso me senti aliviado, e desde esse primeiro dia que foi o mais difícil, foi ficando bem tranquilo. A gente entrava, conversava com ela, incentivávamos ela por mais que fosse uma situação muito difícil nós dizíamos que ela era livre pela palavra e realmente vimos o crescimento dela. Quando eu entrei já vi que tinha diferença na vida dela, mas no final quando já estava perto dela sair era outra pessoa. Realmente uma pessoa transformada pela palavra de Deus, ela confessava, falava e influenciava as pessoas na prisão com a palavra de Deus.

Quando fomos na França no final de 2016, aproveitamos para visitá-la em Portugal. Ficamos hospedados na casa dela e fomos pra igreja de Lisboa no natal. Foi gratificante nós vermos ela fazendo o Rhema, ela tão bem, levou até uma amiga dela pra fazer o Rhema junto. E a gente ficou ate constrangido, ela apresentava a gente pra família e dizia ‘’ esse era o casal que me visitava quando eu estava na prisão’’ ai eles ficavam agradecendo, o pai dela nos agradeceu do começo ao fim, falava ‘’ vocês cuidaram da minha filha quando ela estava lá, eu não tinha condições de ir, mas vocês estavam lá por ela’’. Trataram a gente super bem, ele me levou para conhecer umas coisas, fui conhecer a horta dele. Eles moravam em um condomínio. Ele me levou num bar chamado buraco para apresentar aos vizinhos, era realmente um buraco no muro e a musica estava muito alta.  E tinha um rapaz com uma barba grande, com um capuz e com uma cara de gangster me encarando, ai eu me perguntei ‘’onde eu to me enfiando?’‘. Cheguei lá meio com medo e eles falavam muito rápido um português muito ligeiro, e eu fiquei lá prestando atenção, eles me receberam muito bem, mas a primeira impressão que tive foi bem assustadora. E ai tive a oportunidade de falar com eles, tinha alguns que estavam bêbados então não deu pra falar muito da palavra, mas o dono do bar não estava bêbado então falei com ele disse que era cristão, contei um pouco que viemos visitar a Leonilde. Ele ficou interessado, falei um pouco da palavra pra ele, e joguei a semente. Eles aceitaram super bem a palavra. Depois fomos em uma casa. Eu hoje em dia estou tratado, mas antigamente eu era muito tímido. E nessa casa tinha 23 pessoas, que deram atenção pra mim, elas perguntavam como era o brasil e eu tinha que falar. E foi um momento bem difícil, mas eu consegui falar. Esse foi um tempo muito bom, fomos muito bem recebidos pela família e tiveram essas aventuras.

Falando do lado espiritual meu sonho é ser o Raphael como Deus vê. Eu realmente estou no centro da vontade de Deus, eu sei que to, junto com minha esposa. Mas eu sei que ainda posso ser muito melhor do que sou hoje, estou no processo e estou orando e estudando pra isso. Uma coisa que eu gosto muito de fazer é o meu trabalho, programar, eu amo trabalhar com isso. Isso não é só um trabalho pra mim, eu me divirto enquanto estou fazendo. Então um sonho que tenho é conseguir isso pra fazer a vontade de Deus. Eu tenho algumas inclinações sobre isso com uns projetos que tem surgido no meu coração, meu sonho realimente é programar e fazer projetos em que eu realmente alcance as pessoas, algo que vá beneficiar pessoas e que eu possa fazer isso alinhado com o propósito de Deus. Isso realmente é o que eu desejo. Eu ate estava conversando com um aluno da escola de missões e ele falou ‘’mas você pretende ficar integral no ministério? ‘’ e eu disse ‘’na verdade não’’, só se Deus disser. Porque trabalhar, programar é algo que eu amo e desejo alinhar e fazer isso com algum projeto que por inspiração divina eu faça pra alcançar pessoas. E eu sei que isso ta chegando. Concluir a faculdade lá na França, ter um bom diploma, ter uma casa boa, ter meus filhos. Mas o principal seria isso, continuar programando e usar isso em prol do Reino de Deus. Usar minha profissão para alcançar pessoas.

Vai do começo que a gente tinha o povo africano e a gente achava que ia pra África. Agora vamos pra França alcançar o povo africano, muçulmano e francês.

Eu sou uma pessoa esforçada, me esforço pra concluir as coisas que eu começo, os planos de Deus. Eu realmente sou uma pessoa que gosta de regras, das coisas bem arrumadas e certinhas. A Giselle, às vezes, até diz que eu sou chato. Sou muito metódico. Quando eu vou fazer alguma programação primeiro eu preciso fazer um diagrama, do que vou fazer e é isso. Sou uma pessoa muito sincera, apesar de ser uma pessoa que precisa se soltar mais, ate recebi uma palavra a umas 2 semanas atrás na Verbo Queimadas, o Pr. disse ‘’esse R de Rafael ai é pra você começar a rasgar as coisas’’. Então eu tenho percebido a diferença, mas sei que tenho que me soltar mais. Uma das coisas que Deus falou para mim logo quando aceitei jesus e até na aula de imposições do Rhema, é que ele tinha colocado um amor em mim, que muitos se esforçam para ter, mas que Deus já havia colocado dentro de mim. Eu realmente amo as pessoas, sei que todo crente deve amar, mas eu tenho uma compaixão dentro de mim.

Tivemos uma atividade na escola de missões, sobre os povos não alcançados, que no caso eram muçulmanos, e tivemos um contato com a cultura. Durante essa atividade o que eu pensava não era sobre como eles eram cruéis, na verdade no meu coração eu estava triste em como eles são carentes de Deus, como eles são enganados pelo diabo. O que mais me comoveu foi pensar que essas pessoas precisam tanto de Deus, mas que são poucas as pessoas que conseguem chegar perto e alcançá-los, e os que chegam muitos chegam da maneira errada, acusando e na verdade essas pessoas precisam ser amadas e conhecer verdadeiramente o amor de Deus. Muitos deles não sabem nem o que é amor. E quando estávamos lá eu senti vontade de chorar, porque me senti incapaz. Se não for por Deus e o Espirito Santo eu não sou capaz de nada. Então eu realmente amo muito esse povo, o povo muçulmano. E quero que eles conheçam a verdade, que há um Deus que ama verdadeiramente, um Deus que está mais próximo do que eles imaginam, um Deus bondoso e um Deus que é um pai. Que eles não precisam morrer apenas para serem salvos, que Deus quer que eles sejam salvos e tenham uma vida e sejam livres.

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA