Tenho 31 anos, nasci em Campina Grande, mas há sete anos estou morando em Fortaleza. Fiz o vestibular para medicina em Campina Grande e Fortaleza, mas acabei sendo chamada para lá. Nessa época, eu já namorava Norberto, hoje meu marido, e acredito que foi propósito de Deus eu ir para Fortaleza para morar e estudar por esse tempo.  

Desde criança meu sonho era cursar medicina. Ainda pequena, gostava de brincar de médica e fui crescendo com esse sonho dentro de mim. Não conseguia me ver em outra profissão. Até tentei vestibular para outro curso, entrei, mas acabei desistindo. Mas falei pra Deus que não desistiria até entrar em medicina. Estudei por alguns anos em cursinhos até entrar na faculdade. Aos 24 anos eu consegui entrar e aos 30 me formei.

Dentro da medicina existe uma área que amo, que é a psiquiatria. É uma área que me chama muita atenção. Passei os seis anos da medicina tentando me encontrar, pois a medicina é um mundo e no internato passamos por muitas especialidades. Então finalmente meu último rodízio do internato foi a psiquiatria e amei. Durante o curso eu percebia uma graça muito grande para trabalhar com pessoas que tinham diagnósticos psiquiátricos.

Na minha vivência eu acabava encontrando muita gente que tinha depressão, transtorno bipolar, ansiedade dentre outros diagnósticos e, muitas vezes, eu percebia que até mesmo dentro das igrejas, às vezes essas pessoas eram jogadas de lado. O fato delas precisarem de um médico nessa área, muitas vezes essas pessoas eram vistas como alguém sem fé. Até elas mesmas em alguns momentos achavam isso de si. Às vezes, eu percebia que elas tinham vergonha de procurarem ajuda médica por medo de serem taxadas disso ou daquilo… então, eu encontrei nessa área um lugar para trabalhar com questões que eu gosto, de cuidar de pessoas e de pacientes com esse perfil e que precisam de ajuda e nem por isso são pessoas sem fé.

Tive experiências bem marcantes nessa área. Pessoas já ligaram para mim dizendo que iam se suicidar e pude ajudá-las. Outras que estavam com TOC (transtorno obsessivo compulsivo), transtornos muito fortes de ansiedade e pude ajudá-las também. Teve um dia que eu estava atendendo na clínica escola, ainda não tinha me formado e havia uma paciente que tinha diabetes, mas também tinha transtorno bipolar e estava em acompanhamento. Nesse dia meus colegas que estavam comigo me disseram: atende aí ela! Então, eu a coloquei na maca, examinei, conversei com ela e tratei-a como um ser humano que merece respeito e atenção. Essas pessoas sofrem muito, porque por vezes, elas são colocadas para fora de casa, porque estão em crise, ninguém quer morar com elas, jogam elas no meio da rua e essa mulher foi bem tratada por mim naquele dia.

Quando eu estava no ponto do ônibus para voltar para casa, ela passou por mim e voltou me dizendo: “A senhora vai ser uma doutora muito boa, viu…”  

Aquilo me emocionou tanto… Essa frase que ela me disse me mostrou o quanto eles sentem quando os tratamos bem. Quando os consideramos e não vemos eles como “doidos”, mas damos carinho e atenção, e não prescrevemos apenas um remédio qualquer e deixamos para lá. São pessoas, seres humanos, que merecem a nossa atenção e cuidado, independente do diagnóstico que possuem.

Eu amo cuidar de pessoas, esse é o meu chamado e a minha profissão me permite isso. Eu sei que tenho um chamado no Senhor nos cinco dos ministeriais, mas na minha profissão consigo mesclar isso, principalmente na Psiquiatria. Eu ainda não estou atuando como desejo nela, porque ainda não entrei na residência, mas eu sei que quando eu começar a atuar nessa área, essas coisas ficarão ainda mais fortes. Eu amo cuidar de pessoas, amo ouvi-las, aconselhá-las e percebo que Deus sempre me faz conhecer pessoas com problemas e histórias muito difíceis e elas conseguem se abrir muito rápido pra mim, sem eu precisar fazer muito esforço, sem eu ser invasiva. Elas mesmas vão falando espontaneamente, botando pra fora o que precisam, e não existe preço que pague isso, ajudar essas pessoas a saírem da angústia que estão vivendo naquele momento é inexplicável… seja ela qual for.

Eu sempre digo pra elas que podem me dizer o que quiserem e eu continuarei olhando pra elas como antes, do mesmo jeito. Tem muita gente que está passando por muitas situações e não colocam para fora com medo do que as pessoas vão pensar delas depois daquilo, principalmente dentro do nosso meio…às vezes alguém está compartilhando algo comigo e por dentro já sei o que direi como conselho, o que falarei para ela.

Talvez eu não passe a minha vida toda apenas na medicina. Mas sei que irei carregá-la por onde for…

Eu sempre digo que Beto, meu esposo (Norberto) é resposta de Deus para a minha vida nessa área de relacionamento. Essa era uma área que eu tinha sido muito machucada quando eu era do mundo. Quando me converti, eu disse a Deus que gostaria de ter um casamento que fosse dentro da vontade dEle para a minha vida. Comecei a sondar o meu coração, orar, e ver como poderia ser uma pessoa que fosse combinar comigo. Consagrei a Deus essa área e interessante que desde então, algumas impressões foram sendo colocadas dentro de mim. Essas impressões eram como placas de sinalização que iriam me ajudar a escolher a pessoa com quem eu iria me casar.

Eu tinha plena certeza que não casaria com ninguém de Campina Grande, isso era fato. Depois, Deus foi sinalizando a respeito do chamado do meu esposo.

Eu conheci Beto, através de Veruska, uma amiga minha, que na época estava ensinando uma matéria no Rhema em Fortaleza. Nesse período enquanto ela estava ensinando em Fortaleza, eu tive um sonho que eu conhecia um menino de uma outra cidade e que uma amiga minha chegava pra mim e me dizia que eu precisava conhecer uma pessoa que ela achava que daria certo comigo… eu acordei, guardei esse sonho, não comentei com ninguém e deixei pra lá.

Quando terminou a matéria e Veruska voltou para Campina Grande, nesse dia eu estava ministrando o louvor no culto de jovens e quando acabou o culto, ela disse que queria conversar comigo. Então ela me falou exatamente as mesmas palavras que a minha amiga me disse no sonho que tive. Não falei nada pra ela sobre o sonho, mas perguntei quem era esse menino de Fortaleza que ela achava que dava certo comigo. Aí ela falou que era Norberto! A mãe dele era muito minha amiga, mas eu não era próxima a ele. Quando lembrei dele falei pra mim mesma: não, quero não, aquele menino é muito quieto, eu vou mandar nele (risos).

Mas veio ao meu coração paz e alegria e coloquei tudo diante do Senhor. Na época conversei com Stephani, que sempre foi muito minha amiga e ela me aconselhou a mandar um e-mail para ele que já cursava medicina, perguntando coisas sobre o curso e tal…nesse dia fui dormir na casa dela, porque eu não tinha computador, digitei o e-mail todinho pra ele e quando fui enviar, o computador desligou e apagou foi tudo! Perdi tudo o que tinha escrito (risos) e isso já era de madrugada.

Aí Stephani me disse: Tay escreve de novo! Então lá fui eu escrever tudo de novo. Mandei. Ele demorou muito tempo pra responder o e-mail e já fiquei chateada. Aí falei: tá vendo Stephani, eu não era pra ter enviado esse e-mail, ele nem me respondeu…aí ela falou: “calma Tay, ele vai responder em algum momento”. Um mês depois ele respondeu. Falando bem superficial, mas percebi um sinal verde e segui buscando conhecê-lo.

Tempos depois, encontrei a mãe dele em um evento em aqui em CG e fomos almoçar juntas após terminar o culto. Durante o almoço percebi ela um pouco inquieta como se quisesse me dizer algo, então após alguns minutos ela disse:

“Eu vou falar, Deus falou comigo que você vai casar com meu filho”.

Eu falei: “Qual deles? Diego ou Norberto?” Ela disse: “Norberto”.

Após ficar sem palavras com o que tinha acabado de ouvir, eu pensei: agora vou ter que abrir o jogo aqui e falei pra ela: bem eu já estava pensando em conhecê-lo melhor mesmo…ela fez aquela festa, mas eu disse: não fale nada pra ele ainda!

Ela comprou um chip de CG e levou pra ele e desde então começamos a conversar. Levou um tempo nos conhecendo, porém uns meses depois, ele me pediu em namoro, e em 2008 no evento Mais de Deus íamos nos ver pela primeira vez (já namorando). Quando estávamos chegando no acampamento, foi me dando um frio na barriga e falei para uma amiga minha que estava ao meu lado: E agora? Quando eu vê-lo pessoalmente, será que vou gostar, ou vai dar vontade de desistir? (risos) ela disse: não mulher, vai dar certo! Eu com vergonha, desci do ônibus, falei com ele e oficializamos nosso namoro diante de todos. O pessoal inteiro do acampamento parou, para nos verem de mãos dadas pela primeira vez!

Já são três anos de casados. O primeiro ano foi difícil, por  ter sido um ano de adaptação, mas não me vejo longe de Beto.

Beto veio para fortalecer as áreas da minha vida que eu era mais frágil. Por exemplo, nessa parte de eu acreditar no que Deus tinha para minha vida, no meu chamado, eu era bem ativa e confiante, mas já na área que ele era forte eu não era. Eu achava que nunca iria passar em medicina, que todo mundo era mais inteligente do que eu, que eu não sabia de nada e ele me incentivou muito nisso e durante o curso Deus, através da vida dele me ensinou a ser muito forte, a superar os meus limites.

Eu saí de um ninho aconchegante chamado Campina Grande, a minha família me via como uma menina muito frágil, magrinha, delicada e pensavam: ela não vai conseguir morar longe de todos…e eu acredito que foi Deus quem fez toda essa transição em minha vida e me colocou em uma cidade grande como Fortaleza. Eu morei quatro anos sozinha, e quando eu fui pra Fortaleza, algumas pessoas da minha família disseram: ela vai voltar! Ela não vai aguentar morar e estudar longe de nós. E eu disse: pode escrever, que eu irei concluir meu curso até o fim e que não irei desistir e voltar atrás! Então fui pra Fortaleza, passei por muitas coisas, muitos momentos difíceis, mas Beto sempre esteve lá, me ajudando e me mostrando que eu poderia ser mais forte do que eu imaginava.

Às vezes, eu dizia: estou tão cansada, ainda tenho que estudar para uma prova e amanhã ainda vou para o hospital longe… e ele dizia: Tayara, você vai conseguir! Beto foi meu maior exemplo de superação. Tudo o que ele viveu me serviu de combustível pra seguir em frente.  Às vezes, ele ia a pé para os hospitais, porque não tinha dinheiro para o transporte.

Ele me ensinou a ser forte, ele tem o coração do tamanho do mundo. Ele me ensinou a amar as pessoas e a ter compaixão. Ele me inspira a amar as pessoas como Jesus. Vejo Jesus na vida dele. Ele é um esposo maravilhoso, um homem que cuida muito de mim, sabe todos os meus gostos! Estar ao lado dele durante esses três anos, tem sido a melhor coisa da minha vida. Como eu fui feliz nessa área…. ele me supre em tudo, não apenas em questões financeiras, mas emocionalmente também. Apesar de termos personalidades bem diferentes, somos muito felizes e sei que ainda vamos viver muitas coisas juntos.

Eu não sou uma pessoa que tem muitos amigos. Eu gosto de muita gente, falo com todos, brinco, tenho muitos contatos, mas amigos mesmo de verdade, tenho poucos, porém, os que eu tenho, são bem preciosos na minha vida. São amizades que duram anos. Até poderia citar algumas delas: Stephani, Luana, Jéssica, Lilian, Izabela, Samara, Catharina entre outras.

Sou seleta, porque sei que com quem me associo vou pegar coisas dessa pessoa e ela de mim. Então, as minhas amizades são escolhidas a dedo. Eu não me associo a quem eu não vejo verdade. Eu gosto muito de gente de verdade. Prefiro estar perto de gente de verdade, do que estar perto de pessoas muito certinhas, mas que eu não sei quem elas são de verdade por dentro. Essas amizades eu conheci na adolescência e permanecemos na vida adulta até hoje.

Minhas amigas conhecem a Tayara de verdade em todas as minhas versões e momentos. Sou bem transparente com elas. 

Meus pais são presentes de Deus na minha vida. Minha mãe é uma leoa, aquela que trabalhou muito pra nos dar tudo o que precisávamos e sempre fez tudo por nós. Minha mãe sempre foi guerreira, não tem medo de nada, essa característica peguei dela. Ela faz o que for preciso pra ajudar as pessoas. Ela ama os filhos, ela é muito braba também (risos), mas tem um coração mole… faz tudo por mim e por meu irmão. Tenho um irmão Tayrone que amo muito e mais 5 por parte de pai, mas que não convivi muito com eles.

Já meu pai é um brincalhão é um menino até hoje, é muito tranquilo, leva a vida numa boa. É um referencial de quem leva a vida sem preocupações. Até hoje, mesmo eu tendo 31 anos, ele ainda me trata como uma menina. Ele é maravilhoso, amo meus pais, nasci na família certa.  

Sou uma mulher que aparentava ser muito frágil, mas não sou. Sou uma pessoa muito humana, transparente.

Sou aquela que ama acreditar nas pessoas que ninguém dá nada e isso é o que eu mais gosto de fazer. Amo acreditar em pessoas que ninguém dá nada por elas, faço questão de treiná-las e investir nelas o melhor que posso.

Sou muito amiga, leal as minhas amizades e as minhas convicções.

Uma mulher que ama ao Senhor, que ama música, que deseja servir a Deus, que deseja cumprir tudo o que o Senhor quer que eu cumpra, sou intensa no que eu faço e quero que quando eu chegar diante do Senhor, eu tenha feito tudo o que Ele queria que eu fizesse.

Não desisto de cumprir o que Deus tem pra mim, mesmo que eu passe por muitas situações. Sou muito sincera. Não uso capas comigo mesma e nem com ninguém. Não uso máscaras. Sou muito quem eu sou.     

Tem algumas pessoas que sou muito grata e gostaria de honrar… hoje estou aqui por elas e pelo que elas investiram na minha vida.

Meus pais na fé Melissa e Melquiades, a quem devo minha eterna gratidão!

Pastor Isaías e Ana Fabia, eles foram meus primeiros líderes quando entrei no Verbo da Vida. Nunca congreguei em outra igreja. Quando cheguei foram eles que me acolheram. Foram meus pais no EJC, viram em mim o que eu ainda não enxergava e me amaram.

Minha primeira líder no louvor foi Lidiane, que é esposa do André. Ela foi a primeira pessoa que acreditou em mim e me deu a oportunidade na área da música quando cheguei na igreja.

Lenildo e Fabiana foram meus primeiros líderes nos jovens. Até hoje tenho eles como meus pais espirituais, eles sabem disso! Tenho um amor enorme por eles. Vavá também me treinou muito na música e me ensinou demais! Foi um grande mestre musical para mim!

Meus pais, quero honrá-los! Meu irmão Tayrone que sempre foi meu grande parceiro em tudo!

Minha tia Socorro Teles, que foi através dela que eu tive meus primeiros contatos com o evangelho, quando ela me levava quando criança para igreja. Ela tem muita influência na minha vida na música. Me ensinou muito!

Gostaria de honrar todas as pessoas que me ajudaram em Fortaleza e que foram como canais de Deus pra mim.

Sou muito grata a Deus por Ele ter colocado em meu caminho pessoas tão preciosas e que me ensinaram tanto!

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA