Pernambuco: Transmissões de culto são incluídas em atividades essenciais

Postado em
0

A igreja mostrou mais uma vez que está mais viva do que nunca. Após grande mobilização feita por pastores e políticos nas redes sociais, o governador Paulo Câmara incluiu as celebrações religiosas, pela internet, na lista de atividades essenciais no estado de Pernambuco. A medida foi divulgada em um novo decreto, publicado dois dias após o primeiro, que proibia essas atividades. 

Um dos líderes que participou da mobilização foi Edilson de Lira, pastor presidente do Verbo da Vida em Petrolina (PE), que, junto a outros pastores, lançaram, entre outras ações, a hashtag #IgrejaÉSaúde nas redes sociais, que obteve ampla repercussão. O ministro, no entanto, fez questão de destacar que ele não encabeçou esse movimento, que não foi de uma só pessoa. 

Clique aqui e veja a matéria sobre a mobilização online.

“Eu não fui o único a me posicionar. A gente trouxe a ideia da hashtag, mas muitos outros pastores fizeram seus pronunciamentos e foram igualmente importantes nesse processo. Foi uma mobilização geral de parte da sociedade civil, de parte das lideranças evangélicas e de parte dos parlamentares cristãos, que conseguir somar essa pressão para que chegasse aos ouvidos do governador e ele acatasse fazer esse novo decreto“, comemorou o pastor. 

A motivação que levou à mobilização

“A gente percebeu, com surpresa, que as atividades religiosas não estavam incluídas na lista de serviços essenciais, no Anexo I, do Decreto 49.017, emitido em 11 de maio”, contou o pastor Edilson. O decreto, que aplicou uma quarentena mais rigorosa, dizia que, qualquer veículo transitando, que não tivesse indo para esses serviços essenciais, ou não tivesse algum documento de excepcionalidade, poderia ser multado. 

Edilson comentou que “essa medida colocava qualquer pessoa, qualquer pastor, qualquer equipe que se deslocasse para o templo, para fazer as suas gravações, as suas transmissões on-line numa vulnerabilidade jurídica”. Portanto, a partir desse decreto, os líderes religiosos se mobilizaram para sensibilizar o governador. O ministro deu mais detalhes sobre como se organizaram. 

“Eu me juntei com um grupo de pastores de todo o estado de Pernambuco e pensamos em uma hashtag, que foi #IgrejaÉSaúde, colocando para o governador, de uma forma muito respeitosa, a importância de incluir a igreja evangélica, a igreja católica, como uma atividade essencial no seu decreto”, disse Edilson. Nesse sentido, ele também gravou um pronunciamento, que teve grande repercussão nas redes sociais. Nele, o pastor evocou uma afirmação da Organização Mundial de Saúde, de 1998, que diz: “Saúde é um estado dinâmico de completo bem-estar físico, mental, espiritual e social, e não meramente a ausência de doença ou enfermidade”

Segundo ele, outros pastores, de outras denominações, também fizeram um pronunciamento que foram muito importantes para esse momento. “Foi uma construção desta voz nas redes sociais. Nós vimos que alguns políticos também começaram a aderir à causa. Vereadores de Recife, de Petrolina, de outras cidades, e até alguns deputados estaduais, deputados federais também aderiram”.

Finalmente, após dois dias, graças a essa pressão popular, a participação de parte da sociedade civil, de parte dos líderes evangélicos, de parte dos parlamentares, seja no governo do Estado, seja nas esferas municipais, o governador, finalmente, decidiu voltar atrás e emitiu um novo decreto. Assim, no dia 14 de maio, o Decreto número 49.024, passou a incluir, dentre outras coisas, as igrejas como atividades essenciais, desde que, os pastores e suas equipes estejam saindo apenas para gravação e transmissão de cultos on-line

Pr. Edilson lembrou, ainda, que no atual momento, as igrejas em Pernambuco ainda não podem fazer as suas aglomerações presenciais, com um número maior que dez pessoas. Porém nós garantimos, novamente, o nosso direito constitucional de podermos deslocar os nossos pastores e equipes para as transmissões de cultos“, finalizou o pastor que, junto com muitos outros, mostrou que a Igreja está mais viva do que nunca. 

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA