Os bastidores do Rhema na pandemia

Postado em
0

por Canrobert Guimarães

Desde o inicio da pandemia, me referindo particularmente ao Brasil, quando foi deflagrada a questão de quarentena e suspensão de atividades coletivas, na segunda quinzena de março, algumas escolas estavam encerrando a matéria que ficou comprometida.  Com isso, tivemos que suspender as atividades presenciais nas unidades Rhema no período de uma semana, que haveria um recesso já previsto no calendário, para a realização da reunião anual de pastores e diretores. Foi esse o tempo que nós tivemos para começar a trabalhar em um sistema que pudéssemos dar continuidade às atividades de ensino nas Escolas Rhema, Escolas de Ministros e Missões em formato on-line. Aulas gravadas: as videoaulas.

AULAS REMOTAS

O período, de 23 a 30 de março, foi crucial e o mais difícil que tivemos. Foi uma verdadeira força tarefa no ministério, com a diretoria envolvida na solução, além dos departamentos de Tecnologia da Informação (TI) e de Comunicação, mobilizando professores da cidade para as aulas, grande parte dos quais atuam no Centro de Operações do Ministério Verbo da Vida e que pudemos contar nesse momento. 

Gravamos as matérias em um formato no qual os alunos pudessem dar continuidade ao curso interruptamente. Além de gravarmos pela manhã, tarde e noite, chegamos a gravar essas aulas até de madrugada, em algumas situações. Tudo para que as aulas não parassem, mas fossem retomadas de forma remota, já no dia 30 de março, quando se começava a segunda matéria nas unidades. Vale lembrar de que gravamos intensamente aulas para o Rhema, com matérias distintas, além de Escolas de Ministros e Missões. 

Logo que começamos a trabalhar no sistema de videoaula, na plataforma on-line, é claro que os alunos do Rhema, princialmente os que estavam cursando o segundo ano, já acostumados com as matérias presenciais, recebendo o conteúdo ali debaixo de uma unção e influência do professor, estranharam muito a mudança de sistema, porque eles tiveram que acessar um link disponibilizado exclusivamente e individualmente para cada um.  

O acesso ao link estaria estabelecendo a sua presença na sala de aula virtual. No nosso sistema constava o acesso dele que garantia sua presença para nós. Assim como presencialmente, as aulas eram separadas: primeira e segunda aula. Com isso, eles deveriam dar a presença em cada uma delas para constar em nosso sistema. A duração foi a mesma da presencial, a prova era on-line eles recebiam um link para essa prova, respondiam e teriam a nota em pouco tempo sendo recebida on-line também. Dentro do possível, fizemos as aulas de consagração através de lives que eles acessavam. Ou na plataforma Zoom. Para que os alunos pudessem usufruir daquele benefício.

O feedback dos diretores sobre as aulas virtuais para os alunos é que muitas pessoas gostaram do sistema, principalmente, porque eles poderiam estudar sem precisar sair de casa. Mas teve alunos que não gostaram desse processo, principalmente os alunos do segundo ano. Os alunos do primeiro ano que tiveram apenas uma matéria não reclamaram. Mas os outros viam a diferença, como de fato, era diferente assistir à aula remotamente, porém não houve reclamação categórica por não estar recebendo a Palavra.

Tanto é que, após o início das aulas remotas, houve um razoável acréscimo no número de matrículas em meio à pandemia, em especial, nos meses de abril e maio, nos quais nós prorrogamos as matrículas. Houve mais de mil matrículas em pleno processo de pandemia. O que quer dizer que o sistema virtual, digital, não foi uma coisa negativa em termos de resultados para as escolas. Portanto, houve um  acréscimo grande considerando o número de matriculados quando foi deflagrado a parada presencial de aulas. 

Estamos em agosto, é óbvio que nesse período houve algumas desistências, mas de pessoas que tinham dificuldades de acesso às plataformas digitais, alguns por não ter um bom sinal de internet, ou por não ter um plano de telefonia com pacote de dados satisfatório, e até alguns por não ter um dispositivo móvel de qualidade. Mesmo assim, o número de matriculados só nas unidades Rhema é em torno de 9 mil alunos em 2020.

AULAS ON-LINE 

A gente só pode mudar o sistema de aulas nas nossas escolas, que sempre foi no formato presencial, se o Rhema em Tulsa, que é a nossa escola mãe, começar a operar também nesse sistema, na forma de Ensino a distância (EaD) que já chama estudo digital. Por enquanto, não sabemos se vamos trabalhar em definitivo dessa maneira, porque isso não depende de nós. 

Ainda temos escolas funcionando de forma remota, mas já temos mais de 60% delas funcionando, presencialmente, normalmente. As demais, os 40 %, ainda funcionam on-line por força de decretos locais que exigem. Ainda existem municípios que estão com alto índice de contágio e ainda estão com atividades coletivas proibidas. Lembrando também que algumas escolas têm um grande número de alunos do grupo de risco ou que residem com pessoas desse grupo, como pais e avós.

As escolas que retornaram estão obedecendo as regras locais com muito respeito. Estão respeitando o distanciamento social, utilizando máscaras, as instituições disponibilizando álcool em gel, então, as atividades estão voltando aos poucos com limitações, inclusive de público.

ESCOLA BÍBLICA VERBO DA VIDA

Nós criamos um curso chamado Escola Verbo da Vida e, em setembro, vamos começar a trabalhar em nove unidades. Nove turmas, nesse sistema, em 4 países da Europa e um da África. Será em Portugal, Espanha, Reino Unido e Suíça. Nesses quatro polos europeus, trabalharemos com cursos virtuais ministradas em dois idiomas. Teremos quatro turmas em inglês, com professores ensinando no idioma, funcionando às quartas e sextas. E teremos mais quatro turmas, nesses mesmos lugares, às segundas e quintas, ministradas em português e mais uma unidade da Escola, em Moçambique, que também é de língua portuguesa, funcionando às segundas e quintas-feiras.

Essa nossa experiência, será exclusivamente on-line em uma escola oficialmente, mas não com o Rhema. A Escola Verbo da Vida foi criada para atender uma necessidade do nosso ministério, com nossos ministros em outros países. Visando facilitar a expansão que está ocorrendo naquele continente. 

MAIORES DIFICULDADES

Inicialmente, a maior dificuldade nossa foi providenciar as videoaulas, foi um desafio, pois nunca tínhamos preparado aulas nesse formato, em um curto espaço de tempo. Mas nos preparamos e planejamos como fazer isso. Então, o desafio foi replanejar, reprogramar essas aulas nas plataformas digitais. Temos uma boa equipe e todos se envolveram nas mudanças necessárias, seja para mudar no sistema GERAR (plataforma para subir os vídeos de aulas), facilitando o aceso dos alunos às aulas. Assim como, o pessoal da Comunicação que transformou a sua equipe em mini-equipes para elaborar bem esse trabalho, com uma excelência tal e que houvesse rodízio de colaboradores durante as gravações.

Hoje, nós temos todas as matérias do Rhema gravadas em videoaulas. Temos esse material pronto. Se for necessário, em algumas unidades, seguir nesse sistema até o final do ano, faremos. 

Outro desafio foi treinar o nosso pessoal, que vinha trabalhando apenas no formato presencial, para atuar no sistema on-line. Muitas escolas hoje estão trabalhando nos dois formatos. As escolas que já estão com o formato presencial, também estão funcionando on-line. Eu creio que isso é um desafio contínuo e vamos nos adaptando. Temos um plantão na coordenação atendendo a diretores e equipes das escolas. Estamos atentos, auxiliando essas pessoas lá na ponta para que executem um bom trabalho com seus alunos e eles possam dar continuidade ao curso.

FORMATURAS

Esse será outro grande desafio em 2020. Estamos em setembro, e na primeira quinzena de novembro já estaríamos começando as nossas formaturas. E ainda não sabemos com isso vai ocorrer. Talvez, façamos apenas com os alunos que irão se formar, guardando as determinações dos decretos locais.

 

SEM COMENTÁRIOS