Aperfeiçoamento mútuo (Parte I)

Postado em
0

por Raphael Frota

“E ele mesmo deu uns para apóstolos, e outros para profetas, e outros para evangelistas, e outros para pastores e doutores. Querendo o aperfeiçoamento dos santos, para a obra do ministério, para edificação do corpo de Cristo; Até que todos cheguemos à unidade da fé, e ao conhecimento do Filho de Deus, a homem perfeito, à medida da estatura completa de Cristo. Para que não sejamos mais meninos inconstantes, levados em roda por todo o vento de doutrina, pelo engano dos homens que com astúcia enganam fraudulosamente. Antes, seguindo a verdade em amor, cresçamos em tudo naquele que é a cabeça, Cristo, Do qual todo o corpo, bem ajustado, e ligado pelo auxílio de todas as juntas, segundo a justa operação de cada parte, faz o aumento do corpo, para sua edificação em amor”. (Efésios 4.11-16)

O Irmão Hagin usa muito esse texto para falar da nossa missão como Rhema. Ele abriu para que fosse uma escola interdenominacional para que outras pessoas recebessem dessa aparelhagem que nós temos recebido de forma tão abundante.

Agora, é interessante começarmos enxergar nós mesmos dentro desse processo, ele diz que concedeu cada um dos dons “tendo em vista o aperfeiçoamento dos santos”; isso não envolve só o Ministério Verbo da Vida, engloba o corpo de Cristo e, Deus nos vê como parte do processo de aperfeiçoamento na vida de outra pessoa. 

Se nós pegarmos só o contexto dos ofícios do Ministério e começarmos a encarar isso de uma forma individual, começaremos a correr atrás de vantagens que nós teríamos por estar em um determinado ofício. Mas, quando vemos a figura completa do que agrada a Deus e de como Ele enxerga a igreja,  Ele não vê a igreja como um corpo deficiente, como um lugar problemático, Ele enxerga a igreja como um corpo em processo de desenvolvimento e, nós somos parte desse processo.

“Nós podemos ajudar a extrair o melhor de alguém ou contribuir para algo muito negativo”. 

Toda ação tem duas faces. Às vezes, a ação positiva que você tem de ajudar uma pessoa pode ser compreendida de uma forma errada e, daqui a pouco tem alguém decepcionado com uma coisa boa que você fez pensando em ajudar ao próximo. Então, você pode encontrar erro em qualquer lugar. 

O nosso chamado é para ajudar outras pessoas a se encaixarem no plano que Deus tem para a vida delas. Se tudo que a gente fizer na vida é ajudar alguém a se encaixar na posição que ela merece, que ela deve, que foi chamada para estar, estaremos recebendo o galardão por isso.

“Aos presbíteros, que estão entre vós, admoesto eu, que sou também presbítero com eles, e testemunha das aflições de Cristo, e participante da glória que se há de revelar: Apascentai o rebanho de Deus, que está entre vós, tendo cuidado dele, não por força, mas voluntariamente; nem por torpe ganância, mas de ânimo pronto”. (I Pedro 5.1-2)

Eu estava lendo um texto esses dias sobre empreendedorismo. Os empreendedores que têm o maior sucesso nos seus negócios são aqueles que são motivados exclusivamente por paixão por aquilo que fazem. Aqueles que visam só os lucros e o retorno do trabalho, eles só fazem o suficiente para ter o retorno que eles precisam naquele momento. Mas, quando a gente começa a enxergar a figura final do que estamos fazendo e qual a razão pela qual fazemos o que fazemos, ficamos entusiasmados e cheios de alegria!

Se em Efésios 4 Deus está falando sobre uma figura que podemos experimentar na Terra, de uma igreja madura, Ele disse que essa igreja mesmo madura, ela vai continuar crescendo, isso quer dizer que existirão partes novas, mas o corpo estará tão fundamentado, tão estruturado, que nós vamos dar condição para que as partes novas cresçam de forma sadia.

Parece que estamos falando de uma utopia, mas não! Estamos falando de uma visão de Deus que pode ser estabelecida agora e, deve começar em um lugar e, pode começar onde você está, pode começar na forma que nós vemos, isso significa não enxergamos o retorno como algo mais importante do que o resultado final que Deus está enxergando, que é a maturidade da igreja, a maturidade das pessoas que trabalham conosco.

Se você é um cristão maduro, a bíblia afirma em em Romanos 14 que o cristão maduro deve suportar aquele que talvez esteja em fraqueza; o cristão maduro tem condição de oferecer um espaço, no qual, pessoas ao seu redor irão crescer, não só por causa do que  faz, mas por causa do seu investimento na vida delas. 

Às vezes, o que fazemos tem sua importância, mas nós podemos nos tornar galhos, de onde outros galhos irão sair e produzir muito mais do que nós produziríamos sozinhos.

 

*Transcrição da ministração de Raphael Frota em Campina Grande-PB em Março/2018.

 

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA