Vencendo as aflições

Postado em
0

por Luana Mayara

A Palavra de Deus revela seu plano de redenção para humanidade, e nos ensina a vivermos uma vida vitoriosa e frutífera aqui na terra. O que não significa dizer que não iremos enfrentar desafios. Jesus nos advertiu: “Tenho-vos dito isto, para que em mim tenhais paz; no mundo tereis aflições, mas tende bom ânimo, eu venci o mundo” (João 16.33). Podemos ter certeza de que se andarmos alinhados com a Palavra iremos desfrutar da vitória, porque Jesus venceu o mundo.  

É oportuno que compreendamos como nos posicionar perante as aflições, como essas situações podem surgir em nossa vida e quais são as portas de entrada. Neste texto, de forma exemplificativa, quero apontar a origem dessas pressões e como agirmos. Afirmo que não pretendo esgotar o assunto, mas ensiná-lo, observando o que está escrito na Palavra, alguns pontos que podem auxiliar você.

Primeiro, o diabo é o nosso inimigo, nascemos de novo, ele não governa a nossa vida, mas jaz no mundo, e tem como objetivo o de impedir que as pessoas sejam alcançadas pela Palavra de Deus, através de nós, o Corpo de Cristo aqui na terra. Assim, é trabalho do diabo criar situações para nos paralisar. A forma que reagimos perante elas é resistindo a Satanás, permanecendo firmes na fé.

“Portanto, submetam-se a Deus. Resistam ao diabo, e ele fugirá de vocês” (Tiago 4.7).

“Sejam sóbrios e vigiem. O diabo, o inimigo de vocês, anda ao redor como leão, rugindo e procurando a quem possa devorar. Resistam-lhe, permanecendo firmes na fé, sabendo que os irmãos que vocês têm em todo o mundo estão passando pelos mesmos sofrimentos” (1 Pedro 5.8,9).

O Apóstolo Pedro afirma sejam “sóbrios e vigiem”, essa é a nossa parte, andando em sabedoria e permanecendo alertas. O que não significa dizer que oposições não virão.

Um excelente exemplo de um cristão que passou por situações de oposição foi o Apóstolo Paulo. Vou apenas pontuar uma circunstância:

Atos 16 relata que, em sua segunda viagem missionária, Paulo estava junto com Silas pregando a palavra na região da Macedônia, especificamente na cidade de Filipos. Ali nasce a igreja na Europa. A Bíblia relata que uma jovem com um espírito adivinhador por dias escarnecia de Paulo: “Estes homens, que nos anunciam o caminho da salvação, são servos do Deus Altíssimo”. Até que Paulo repreendeu aquele espírito. Em virtude disso, o lucro que os senhores daquela jovem ganhavam, visto que, ela era uma escrava, foi prejudicado. Em razão disso, Paulo e Silas foram levados até a praça, na presença dos juízes, rasgaram suas vestes, os acusaram injustamente, os açoitaram e os lançaram na prisão.

Paulo e Silas injustamente sofreram aquela situação, agora, quem estava por trás arquitetando-a? O diabo, nosso inimigo. Qual foi a reação deles? Oração e louvor. Não encontramos neles murmuração, e sim uma confiança inabalável. O resultado é que o carcereiro e sua família recebeu Jesus, aqueles presos receberam a influência da manifestação da presença de Deus. E no outro dia os juízes vieram e pediram-lhe desculpas, porque como cidadãos romanos, eles tinham direito ao devido processo legal, a serem ouvidos antes da sentença. Os juízes muito envergonhados tiraram Paulo e Silas da prisão.

Sabe irmãos, quando as aflições forem uma provocação das trevas, o que você precisa fazer é permanecer firme na fé, bem posicionado na Palavra, declarando-a, e tendo uma atitude de descanso, orando, louvando, engradecendo o Senhor.  Em lugar de vergonha sempre haverá dupla honra.

A segunda fonte de aflição é a falta maturidade, de conhecimento da vontade de Deus. Não é apenas conhecer, mas, principalmente, colocar em prática. Eu e você andamos de acordo com a maturidade que temos. A ausência de maturidade pode nos colocar em situações de pressão. Qualquer área da nossa vida que não foi amadurecida pela Palavra vai sofrer consequências negativas.

O Apóstolo Pedro é um exemplo de alguém que sofreu por falta de maturidade. Como sabemos Pedro reconhecido como um homem instável, passou situações de vergonha, falava em momentos inapropriados, começou a andar sobre águas, mas afundou, e principalmente: negou Jesus três vezes. Mas, ele cresceu espiritualmente, e se tornou uma das principais colunas da Igreja primitiva. Após ser batizado no Espírito Santo, Pedro se levantou em ousadia e pregou a Palavra, e quase três mil almas de única vez receberam o Senhor, e foram batizadas. Crente imaturo provoca aflições em sua própria vida, mas o crente maduro ainda que venham situações adversas, ele responderá em maturidade, de acordo com a Palavra de Deus. Precisamos crescer, se apegando a Palavra e se tornando operoso praticante, assim seremos bem-aventurados em nossa caminhada (Thiago 1.25).

Amadurecimento não é do dia para noite, é uma construção diária de obediência à Palavra, e perseverança. Além de determinação em amadurecer, seja paciente consigo. Mas, não desista de crescer espiritualmente e provar do melhor de Deus em todas as esferas da sua vida.

A terceira fonte é a carne não subjugada, essa situação está bem conectada com a anterior, há uma diferença sutil entre elas. Aqui estamos falando sobre cristãos que têm conhecimento, não são recém-nascidos. Embora, com algum tempo de caminhada cristã, são vencidos diariamente porque não subjugam a carne. Paulo chamou esse tipo de cristão de carnal.

“Irmãos, não lhes pude falar como a espirituais, mas como a carnais, como a crianças em Cristo. Porque, visto que há inveja e divisão entre vocês, não estão sendo carnais e agindo como mundanos?” (1 Coríntios 3:1, 2).

São crentes que não cresceram espiritualmente, se inclinam para as obras da carne, ao invés de andar no fruto do Espírito. Porque não esmurram o próprio corpo, são dominados pela velha natureza e por isso são reprovados na carreira cristã. A reprovação em si já é um dano, que traz aflições, uma vida sem propósito, sem progresso, etc. É necessário arrependimento, um recomeço no Senhor e uma decisão de ser comprometido com a Palavra. Se você se identifica com esse tipo de cristão não é o fim do que o Senhor tem pra sua vida, Ele é perdoador e nos dá novas oportunidades de avanço.

Em princípio sempre que estivermos passando por qualquer tipo de pressão é necessário que sejamos responsáveis pela nossa própria vida. De modo que não iremos colocar a culpa em pessoas, ou em Deus, cujo caráter de bondade é imutável. Mas, responsáveis no sentido de refletirmos e investigarmos se estamos dando lugar ao diabo, à carne. Responsáveis no que diz respeito a se posicionar na Palavra, permanecendo firmes na fé, na autoridade em Cristo.

É importante também permanecer andando em amor, se porventura estamos sofrendo em razão de perseguição de pessoas, que estão influenciados pelo diabo. Nesse quesito especifico, precisamos sempre lembrar o que está escrito na Palavra: “Pois a nossa luta não é contra pessoas, mas contra os poderes e autoridades, contra os dominadores deste mundo de trevas, contra as forças espirituais do mal nas regiões celestiais” (Efésios 6:12)Uma luta e não uma guerra espiritual, se trata unicamente de se manter firmes na Palavra, afinal somos a Igreja Triunfante em Cristo Jesus, n’Ele somos mais que vencedores (Romanos 8.37).

Portanto, não tenha medo das adversidades, mil cairão a nossa direita, dez mil a nossa esquerda, mas nós não seremos atingidos. Faça a parte que lhe cabe, crescendo na Palavra, tendo bom ânimo, na certeza que Jesus venceu o mundo, e que n’Ele iremos avançar, e anunciar os seus feitos em nossa caminhada!

 

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA