Assuma a responsabilidade

Postado em
0

por Renato Gaudard

Quem gosta de futebol? Eu gosto muito. Eu nunca pensei em ser um jogador profissional, embora tenha recebido muitos convites (risos). Mas, decidi servir no ministério.

Você entende de futebol? Até quem não joga entende um pouco, até porque moramos no Brasil e é bem difícil um brasileiro não saber ao menos o básico. Assistindo a um jogo do Flamengo contra o Santos em 2011, o Flamengo estava perdendo de 3×0 em 25 min de jogo, você há de convir que essa é uma situação quase impossível de ser revertida. Os jogadores mesmo diante de uma situação contrária, negativa, eles tiveram uma iniciativa, eles não se acomodaram com aquele cenário desastroso. Ao fazer o gol, o jogador foi no fundo do gol pegou a bola, colocou debaixo de braço e voltou ao jogo. Sabe o que isso significa? “Nós não estamos entregues”. Eles conseguiram virar o jogo para 5×4.

 

 

Como nós agiríamos diante de uma situação tão difícil? Que tipo de resposta estaríamos dispostos a dar? Numa situação como essa nós temos muitas opções, podemos ficar chateados, frustrados, ficar tentando descobrir com quem está o problema. Com raiva, frustrados, provavelmente vamos tomar decisões erradas. Você também pode ficar se sentindo o coitado e, esse tipo de sentimento pode lhe deixar imobilizado. Mas, se você muda a sua forma de ver as coisas, isso lhe coloca em movimento. Que tipo de atitude você está disposto a tomar diante de situações difíceis?

Em um clube de futebol não existe somente os 11 jogadores, há uma junta enorme que acompanha o clube feito por técnicos, preparadores físicos, presidente, torcida, mas por maior que fosse a estrutura quem de fato pode fazer alguma coisa no momento difícil do jogo? Somente aqueles que estavam em campo, aqueles que estavam vestindo a camisa com a bola no pé, os jogadores reservas não poderiam fazer muita coisa. Mas, o que determinou a capacidade de mudar a situação, foi os 11 jogadores decidirem virar o jogo.

Nós temos sido agraciados por Deus com uma estrutura ministerial maravilhosa, que nos ajuda, ampara, apoia, mas de quem a responsabilidade de fazer a coisa dar certo onde você está? De quem é a responsabilidade de dizer “eu vou fazer o que precisa ser feito para mudar essa história, o meu futuro não está preso a essa realidade não. Eu fui programado por Deus para ser bem sucedido”?, é sua meu irmão!

Está na hora de assumirmos a responsabilidade que é nossa de fazer a coisa dar certo. Por mais bem assistidos que sejam ou não. Na hora, não adianta ficar pensando no que deveria ter sido feito e não foi. Eu tenho pensado no que eu preciso fazer para dar certo, para alcançar os resultados em Deus que eu preciso.

Hoje, vivemos em uma cultura no nosso país de assistencialismo, vemos até mesmo isso influenciando a nossa igreja, algo muito forte. Isso por si só é uma coisa boa, você fazer algo por quem precisa é muito bom. O problema é que esse pensamento tem sido absorvido de uma forma errada muitas vezes. Quem é a primeira pessoa que você precisa ajudar? Eu sei que precisamos fazer algo por quem precisa, mas talvez a primeira pessoa que você precisa ajudar seja você mesmo.

Mas, não podemos ficar numa posição de autopiedade. “Alguém tem que fazer alguma coisa por mim, senão nada acontece”, não é assim meu irmão! Você já tem Deus do seu lado.

Independente daquilo que aconteceu na sua história, você vai parar aqui? Ou você vai assumir as rédeas da situação, assumir a responsabilidade de fazer o que tiver que fazer para a sua história mudar.

Eu não posso achar que Deus poderia estar fazendo alguma coisa por mim e não faz. Não estou dizendo que os líderes não têm responsabilidade de fazer alguma coisa por nós. Independente do que foi feito até aqui, cada um vai dar conta da sua própria vida a Deus.

Obedecei a vossos pastores, e sujeitai-vos a eles; porque velam por vossas almas, como aqueles que hão de dar conta delas; para que o façam com alegria e não gemendo, porque isso não vos seria útil” (Hebreus 13.17)

Eles vão prestar contas a Deus. Mas, eu vou prestar conta daquilo que eu recebi. Com respeito ao que chegou na minha mão, preciso fazer alguma coisa.

Portanto, no dia de hoje, vos protesto que estou limpo do sangue de todos” (Atos 20.26)

Se Paulo diz que está limpo do sangue de todos, isso significa que ele poderia estar sujo, ou ele poderia, na sua consciência, não ter feito como poderia ou deveria por aqueles líderes. Mas, não tinha mais nada a ver com Paulo, ele já tinha o feito o que poderia, a partir daí era com eles.

Precisamos nos levantar por dentro para correr a carreira diante de nós. Existe força para virarmos qualquer placar, para ganharmos qualquer jogo, então assuma a responsabilidade porque é você que está lá. Onde você está, está com você a responsabilidade.

Não se trata de assumir a responsabilidade pelo sucesso ou pelo o fracasso, se trata de assumir a responsabilidade para o sucesso, se você não assume você já fracassou, mas se você assume você já ganhou, a vitória já é sua.

Esse sentimento de autopiedade, de autocompaixão, é muito perigoso, mas do que a gente imagina. A bíblia afirma que Jesus se movia por íntima compaixão pelas pessoas, por vidas, era um desejo intenso de ajudar, de fazer alguma coisa diante do problema.

Mas um samaritano, que ia de viagem, chegou ao pé dele e, vendo-o, moveu-se de íntima compaixão” (Lucas 10.33)

E Jesus, chamando os seus discípulos, disse: Tenho compaixão da multidão, porque já está comigo há três dias, e não tem o que comer; e não quero despedi-la em jejum, para que não desfaleça no caminho” (Mateus 15.32)

Jesus se movia com compaixão. Mas, em um dado momento alguém sugeriu para Jesus que Ele tivesse pena dEle mesmo. Como foi que Jesus reagiu? Que resposta Ele deu quando alguém sugeriu que Ele tivesse pena dEle mesmo? “

E Pedro, tomando-o de parte, começou a repreendê-lo, dizendo: Senhor, tem compaixão de ti; de modo nenhum te acontecerá isso. Ele, porém, voltando-se, disse a Pedro: Para trás de mim, Satanás, que me serves de escândalo; porque não compreendes as coisas que são de Deus, mas só as que são dos homens” (Mateus 16.22-23)

Você acha que essa reação foi forte demais? Foi não! Ele foi proporcional ao perigo que esse sentimento poderia representar. Ela foi necessária porque Jesus sabia que ter compaixão dEle mesmo deixaria Ele paralisado.

Ter compaixão pelas pessoas lhe colocará em movimento, ter autocompaixão lhe deixará imobilizado.

Como eu posso ter pena de alguém que é a casa de Deus? Se eu sei que a vida de Deus habita dentro de mim, eu não posso ter pena de mim mesmo. Porque o maior habita em mim. Existe uma força sobrenatural habitando dentro de mim que potencializa a habilidade para resolver qualquer situação. Eu não posso esperar que ninguém faça algo por mim se eu mesmo não estou fazendo.

Não se preocupe que não faltará ajuda para você, só não deixe de fazer por você mesmo aquilo que precisa ser feito.

Procura apresentar-te a Deus aprovado, como obreiro que não tem de que se envergonhar, que maneja bem a palavra da verdade” (II Timóteo 2.15)

O que Paulo estava dizendo para Timóteo? Que a responsabilidade era dele. Nós não podemos ficar paralisados com pena de nós mesmo, esperando que algo cai do céu para mudar uma realidade que está diante nós, quando o próprio Deus habita dentro de você. Não há nenhum placar negativo, nenhuma situação adversa que não possa ser revertida. Não se importe mais com aquilo que passou.

A gente precisa de você forte. Assumindo o seu chamado, a sua posição em Deus, para correr a sua carreira, para ver Deus cumprindo na sua vida os planos e promessas que Ele tem para você, por causa das respostas que você deu.

Não espere algo acontecer, faça o melhor com o que já tem.

Não vai faltar disposição para cumprir a carreira de Deus, porque o que cabe a mim eu vou fazer! O maior habita em você! Sabe o que lhe espera: a vitória!

 

*Trechos da mensagem de Renato Gaudard na Conferência de Ministros Verbo da Vida no Centro-Oeste – Setembro 2018.

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA