Parceria missionária

Postado em
6

O que você pensa quando escuta a palavra “missões”? Será que você é uma daquelas pessoas que ao escutar esta palavra na igreja, ou por algum irmão você logo pensa. “Não sou missionário, não entendo nada sobre missões e Deus não falou nada comigo para dar oferta a nenhum missionário”. Se esse é o seu pensamento sobre missões, então, estou escrevendo para você.

Gostaria de começar esclarecendo que existem três formas básicas de se fazer missões, Indo; Orando e Contribuindo. Em uma delas ou em todas nós devemos nos encaixar. Se você não está chamado por Deus para viver em outra nação anunciando as boas novas, fazendo a obra de Deus, ou seja, indo, você pode fazer missões de outras formas. Muitos irão morar em outros países, mas isso não significa que têm um chamado da parte de Deus para fazer a obra missionária.

Um missionário tem uma missão à cumprir, aquele chamado não vai deixá-lo em paz, nem vai deixá-lo esquecer da missão. Então, se você pode viver muito bem na sua igreja local, frequentando os cultos, se envolvendo em algum departamento e abençoando sua igreja de alguma forma, e isso não lhe traz um desconforto interior, uma sensação interior de que existe algo mais para você fazer, então  provavelmente você não tem chamado para ser um missionário.

E isso não é ruim, ninguém precisa ficar triste e pensando: “Por que Deus não me escolheu?”. Quero lhe dizer que você pode e deve ser uma grande bênção para a sua igreja, família, amigos, colegas de trabalho, universidade, escola, etc. mesmo sem ter um chamado missionário. Na verdade, Deus não vai enviar todo mundo, pois se fosse assim quem ficaria? Mas, ainda assim, morando no país de origem, você e eu podemos fazer a obra missionária.

Gosto muito da história de uma mulher sunamita e seu esposo que se tornaram parceiros no ministério de Eliseu, essa história está relatada em II Reis 4.8-37. Algumas coisas boas podemos extrair nessa longa passagem, mas quero me deter entre o verso 8 e o 10. Chama-me a atenção o cuidado que ela começou a ter com a vida do missionário Eliseu.

Podemos ler na Bíblia que ela o convidou para fazer refeições em sua casa cada vez que ele vinha para a sua cidade, e reconhecendo que era um santo homem de Deus, ela disse ao seu esposo: “vamos construir um quarto para que ele possa ficar hospedado, acolhido por uma família, ter onde comer quando estiver aqui na cidade, e descansar um pouco”.

Se você não sabia como ajudar um missionário, aí está uma forma bíblica: acolhê-lo em sua casa quando ele estiver em sua cidade e na sua igreja. Você pode ser aquela sunamita que abrirá a porta da sua casa e oferecerá um quarto para um missionário. Muitos, quando voltam ao Brasil e estão visitando uma igreja, precisam de um lugar pra ficar. Em muitas situações e lugares, eles não têm família e nem amigos na igreja a qual visitam, muitas vezes é a primeira vez que ele está visitando ali, então, você pode ser uma grande bênção na vida daquele missionário.

Ou talvez você possa oferecê-lo um jantar, almoço ou até mesmo presenteá-lo com roupas, sapatos, perfumes, algo para seus filhos, tantas coisas que podemos fazer para nos tornarmos um parceiro com um missionário. Então, ninguém pode dizer que não tem nada a ver com missões ou com os missionários, todos nós podemos sim fazer algo, seja orando ou contribuindo, devemos nos envolver com a vida deles e com o trabalho que eles estão fazendo, e você receberá o galardão juntamente com os mesmos.

Se observarmos mais adiante na história da sunamita, ela foi abençoada com uma gravidez quando ela já tinha perdido a esperança de ter um filho devido a idade avançada do esposo. Depois, esse filho morreu, ela buscou o missionário para uma solução da parte de Deus, ele orou pelo rapaz e a vida voltou para o seu corpo.

Gosto de uma coisa que nosso missionário Simon Potter diz, que a parceria entre missionário e parceiro é uma via de mão dupla, vai e vem. À medida que um é abençoado o outro também será.

O galardão que o missionário terá por estar fazendo o trabalho que Deus o mandou fazer, o seu parceiro também terá, pois talvez ele não estivesse sendo bem sucedido em sua obra se você, como parceiro, não estivesse orando por ele, ou contribuindo com suas finanças. Aquela sunamita e seu esposo se envolveram com Deus e com a vida do missionário Eliseu e receberam o seu galardão, o favor de Deus os assistiram no momento em que eles precisaram.

Não quero dizer com isso que iremos fazer uma troca com Deus, eu vou dar e Ele tem que me devolver, mas o favor de Deus sempre estará disponível para aqueles que confiam nEle, e que se envolvem com Ele. Sendo assim, se envolva com missões, busque um missionário para que você possa ser uma bênção para ele… e ele para você. Ore para que o Senhor coloque em seu coração o missionário que você precisa ajudar orando e contribuindo, ou até mesmo busque conhecer qual é o missionário que a sua igreja apóia e junte-se à ela.

6 COMENTÁRIOS

  1. Esse texto me ajudou muito, eu e meu marido, estamos no processo de sermos enviados para Portugal, mas eu em particular, estava com muitas dúvidas, achando que Deus só havia chamado ele e eu não, pois não conseguia sentir o chamado em meu coração, quando li seu artigo, meus olhos se abriram e percebi que sou uma missionário, indeoente se for ou não a Portugal ou qualquer outro lugar que Deus nos enviar. Obrigada e que seus artigos venha ajudar mais pessoas.

  2. Suellen, sua definição do chamado a Missões traduziu exatamente a inquietude que tenho sempre em meu coração. Fui de JOCUM (eu e meu marido na verdade) e estou num momento em que vejo Deus nos despertando novamente para o Campo. Somos da Verbo de BH- Milionários, viemos há 5 anos e durante este tempo acreditamos que não mais voltaríamos a ir, porem o chamado está aqui dentro, e isto nos move viu?
    Bom, tudo isto é pra dizer muito obrigada pela disponibilidade de ouvir Deus.

DEIXE UMA RESPOSTA