A Autoestima da Criança – Parte III

Postado em
0

OS PAIS CRISTÃOS X AUTOESTIMA

Os afazeres domésticos juntamente com o trabalho fora de casa e na igreja trazem para a estrutura familiar situações onde os pais algumas vezes, sem perceber, vão aos poucos minando a autoestima das suas crianças e adolescentes Certas atitudes que não são positivas para o crescimento saudável dos filhos no que diz respeito a autoestima trazem alguns problemas e quando eles percebem já estão lidando com crianças problemáticas, e aí surge a pergunta:“onde erramos?”. A resposta é simples, em coisas quase imperceptíveis por causa do ativismo do dia a dia, mas como agir antes de acontecer? Melhor prevenir do que remediar diz o ditado popular e a Bíblia nos ensina em I Samuel 15.22 que “a obediência é melhor do que o sacrifício.”

O ser humano foi criado por Deus individualmente, não existem duas pessoas iguais, e por isso, deve ser tratado como pessoa única nos seus sentimentos e emoções, para que ele se sinta uma pessoa especial para Deus e para as pessoas que os cerca.

Existem algumas atitudes que podem ajudar os pais nesse trato com suas crianças, mesmo no meio das suas atividades diárias. Vejamos:

Individualidade: A criança é um ser individual e tem suas características próprias. É importante observar e conhecê-la, e é através desse conhecimento e da sua forma de aceitar, de entender as situações, de se posicionar diante delas que os pais irão tratar com cada filho respeitando as suas particularidades, de acordo com os princípios bíblicos.

Valorização: Valorize as atitudes corretas e corrija as erradas, enfatizando o comportamento certo, e deixe que ela perceba que o que está sendo desaprovado é o comportamento e não a criança, assim ela terá oportunidade de corrigir o seu erro sem ser através de palavras que a humilhem ou a diminuam. A Palavra de Deus nos estimula a valorizar as boas atitudes em 1 João 2:14  ela diz “Filhinhos, eu lhes escrevi porque vocês conhecem o Pai. Pais, eu lhes escrevi porque vocês conhecem aquele que é desde o princípio. Jovens, eu lhes escrevi, porque vocês são fortes, e em vocês a Palavra de Deus permanece e vocês venceram o Maligno.” Perceba que Deus fala aos pais como a quem sabe o que está fazendo, a quem está servindo e aos jovens com palavras de incentivo.

Limites e escolhas: A criança mesmo pequena precisa ter limites para todas as atividades, limites nos horários para brincar, hora para se alimentar, qualidade da alimentação, a roupa que quer vestir, etc. São situações em que muitas vezes os pais aceitam a decisão da criança por não querer perder tempo com uma boa conversa, ou por não estar com “cabeça para ficar negociando”, e a criança vai estabelecendo os seus próprios limites, ou vai ficando dona dos seus próprios limites, e vai ela própria tomando várias decisões sem nenhum cerceamento do adulto, o que a leva a se sentir “dona da situação ou do mundo”. Tudo passa a girar em torno dela, o que gera uma autoestima que não é saudável, porque ela estará agindo para agradar única e exclusivamente a ela própria independente da vontade Deus, dos pais ou de outros adultos. Agindo assim, ela não saberá no futuro fazer as escolhas certas, porque nunca lhe foram dadas oportunidades de escolhas e sim de decisões, sem sequer saber que tipo de conseqüências suas decisões trariam para ela criança ou adolescente.

As habilidades: Cada criança ou adolescente tem habilidades em si próprios que precisam ser evidenciadas e cabe aos pais começar a fazer isso em casa e no meio familiar. Observe o que seu filho ou filha faz bem, ou se não faz tão bem, mas tem jeito pra fazer, e evidencie isso em casa e no meio familiar, não como um “filho troféu” do tipo “olha como fulaninho é bom fazendo isso!”, mas quando surgir a oportunidade fale sobre essa capacidade dele ou dela, na escola converse com os professores sobre o que ele gosta de fazer ou no que ele é bom para que os professores possam observar e valorizar também. Mas não condicione nunca o seu amor as habilidades e capacidades intelectuais dele e nem faça comparações entre ele e outras pessoas, apenas fique muito feliz com suas pequenas vitórias e os seus avanços e procure nunca deixar passar despercebido.

Tempo de qualidade: Mesmo que o tempo seja muito curto, porém se for de qualidade será valido e muito bem aproveitado, por isso quando você resolver promover esse momento com seu filho pequeno ou adolescente, que seja um tempo exclusivo para ele. Nesse momento desligue o seu celular ou deixe-o longe para que as mensagens não tirem a sua atenção, para que ele perceba que nesse momento a sua atenção é só para ele e que ninguém é mais importante. Vou citar esse exemplo apenas como ilustração, a minha sobrinha de 9 anos ligou para minha mãe para conversar com ela no telefone e minha mãe depois de alguns minutos de conversa, falou pra ela “Vou desligar porque chegou uma visita” e ela perguntou pra minha mãe :“E a sua visita é mais importante do que eu?” Essas pequenas reações podem ir se acumulando e formando um sentimento de baixa autoestima, por estar sempre sendo preterido por alguém ou algum motivo que sempre será mais importante pra os pais ou adultos próximos.Deus nos trata com carinho e com palavras positivas e sempre tem tempo pra nós em qualquer momento que precisarmos Dele. E assim devemos ser como pais. Mesmo que seja pouco, mas que seja com qualidade. Deixe que ele seja seu ajudante na casa, com o irmão mais novo, com os trabalhos domésticos ou outra atividade que você possa incluí-lo por um tempo, isso já promoverá uma ótima oportunidade de estar junto e ele se sentirá muito bem de prestar ajuda, isso com certeza estará contribuindo com a sua autoestima. Mas no meio dessa ajuda caso ele faça alguma coisa errada esclareça que está tudo bem que nós às vezes erramos e ajude-a a consertar e mostre que é normal que isso aconteça isso fará com que ele continue se sentindo amado e não tenha medo das suas reações diante de uma falha.

Com isso concluo  meus amados que como a Bíblia nos diz em Salmos 127:3 que Os filhos são herança do Senhor, uma recompensa que ele dá.” Precisamos estar atentos na criação e ensino para que eles sejam crianças saudáveis, inclusive na sua autoestima, que sejam pessoas bem resolvidas espiritualmente, emocionalmente e fisicamente, e para isso precisamos estar preparados, como diz lá em Deuteronômio 6:7″Ensine-as com persistência a seus filhos. “Converse sobre elas quando estiver sentado em casa, quando estiver andando pelo caminho, quando se deitar e quando se levantar” 

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA