Porta-vozes de Deus

Postado em
0

por Perilo Borba

Assim que, se alguém está em Cristo, nova criatura é; as coisas velhas já passaram; eis que tudo se fez novo. E tudo isto provém de Deus, que nos reconciliou consigo mesmo por Jesus Cristo, e nos deu o ministério da reconciliação; Isto é, Deus estava em Cristo reconciliando consigo o mundo, não lhes imputando os seus pecados; e pôs em nós a palavra da reconciliação. De sorte que somos embaixadores da parte de Cristo, como se Deus por nós rogasse. Rogamo-vos, pois, da parte de Cristo, que vos reconcilieis com Deus (II Coríntios 5:17-20).”

Fomos reconciliados com Deus e, em Cristo, somos novas criaturas. Precisamos viver de tal forma e nos comunicar de tal forma. O autor Rick Renner traz uma definição interessante para a palavra “embaixador” no livro Pedras Preciosas do Grego – vol 1 – Verão*: “o embaixador é um representante oficial que está autorizado a falar em nome daquele que o enviou”. 

Sabe o que isso significa? Que, se você está em Cristo, você é voz de Deus na terra. Está aqui para falar em nome do Pai.

Já faz um tempo que aprendi algo: as Palavras de Deus, na minha boca, transformam as minhas palavras em palavras do próprio Deus. 

É por isso que, como Igreja, precisamos influenciar a sociedade. Deus nos confiou a mensagem da reconciliação e nos incumbiu de falarmos em nome d’Ele. Nenhum anjo fará isso. É uma missão entregue a nós.

“Ainda tenho outras ovelhas que não são deste aprisco; também me convém agregar estas, e elas ouvirão a minha voz, e haverá um rebanho e um Pastor (João 10.16).”

Como você acha que as outras ovelhas, que “não são desse aprisco”, ouvirão a voz de Deus? Através da Igreja. Por isso, precisamos ser a expressão exata de quem Deus é. Isso não se refere apenas a uma mensagem verbal. A sua vida fala. Os seus atos falam. O seu proceder fala. Ao reler sobre a conversão de Saulo, percebi que duas coisas aconteceram: ele viu uma grande luz e ouviu a voz de Deus. Meditando a respeito, o Senhor tratou comigo: “Toda vez em que as pessoas vêem uma grande luz, elas ouvem a minha voz”.

Nós somos a luz. Devemos brilhar. Devemos ser a voz que as pessoas precisam ouvir.

“E disseram-lhe de entre a multidão alguns dos fariseus: Mestre, repreende os teus discípulos. E, respondendo ele, disse-lhes: Digo-vos que, se estes se calarem, as próprias pedras clamarão (Lucas 19.39-40).”

Existem profecias que ainda não se cumpriram e vão se cumprir, você pregando ou não. Se você não anunciar a Deus, alguém o fará. Mas todos nós precisamos dar às pessoas a chance de mudarem como eu e você mudamos. Não deixa a mensagem do Evangelho chegar atrasada. Este é o tempo de apregoarmos o ano aceitável do Senhor!

Se a nossa voz é tão importante, hoje eu gostaria de perguntar: que tipo de voz você tem sido? Estamos em uma época muito favorável, em que as mídias nos permitem comunicar diferentes conteúdos. Precisamos usar essas plataformas, mas também precisamos ter cuidado.

Na Nova Versão Transformadora da Bíblia, Jeremias 15.19, afirma: “Assim diz o Senhor: “Se voltar para mim, eu o restaurarei, para que possa continuar a me servir. Se disser palavras de valor, em vez de palavras inúteis, será meu porta-voz. Você os influenciará, mas não deixará que o influenciem.

Nesse trecho, Deus diz a Jeremias: “se converte, volta a tua face para mim. Vem receber da minha influência. Se você fizer isso, vai trocar as palavras inúteis por palavras de valor e será o meu porta-voz”. Jeremias era um profeta, mas estava com palavras contrárias à vontade de Deus. Por quê? Porque ele tinha sido influenciado pelo comportamento e pelas murmurações do mundo. 

Ao mesmo tempo em que as mídias  têm um lado benéfico, têm um risco também: o de sermos influenciados. De cairmos no erro de Jeremias e reproduzirmos uma maneira de falar que não é correta, só porque aquilo se alastrou. Alguns discursos podem ser normais para o mundo, mas, para nós, não são! Por isso, precisamos nos voltar para a Palavra, para a face de Deus, para a comunhão com Deus. Isso muda a nossa mentalidade.

Em Josué 1.8, o Senhor diz: “Não se aparte da tua boca o livro desta lei; antes medita nele dia e noite, para que tenhas cuidado de fazer conforme a tudo quanto nele está escrito”.

Para falar da Palavra, é preciso estar, primeiramente, cheio dela. Antes de você compartilhar ou postar qualquer coisa, medite. Pense duas vezes. Fique ao lado de Deus, não ao lado do povo. Pode ser que algumas pessoas queiram calar a sua voz e te fazer deixar de falar sobre o que é o certo. Precisamos, então, ter a mesma ousadia dos discípulos em Atos 4:

“Não podemos deixar de falar das coisas que vimos e ouvimos”

Às vezes, a sabedoria está na insistência. Pregando em tempo ou fora de tempo, quer as pessoas queiram te ouvir em não. Talvez te perguntem: “Mas você só fala nisso?” Sim! Você fala daquilo que está cheio! Como Igreja, de que adianta só falarmos de coisas inúteis? Nada contra termos momentos de diversão, mas as coisas do Céu são a prioridade. 

A próxima instrução a Jeremias, após voltar-se para Deus, é a de trocar as suas palavras. O Senhor diz ao profeta que troque o vil pelo precioso, pelo estimado, pelo que é valioso e influente. É esse o conteúdo que deve estar em nossos celulares e em nossas mídias sociais.

Não saia da vossa boca nenhuma palavra torpe, mas só a que for boa para promover a edificação, para que dê graça aos que a ouvem (Efésios 4.29).

A graça descrita acima não se refere à palavra piada, embora não exista nada errado com o humor. A graça descrita é o favor de Deus, o amor de Deus. Sabe que você pode ser o instrumento que leva isso às pessoas? Toda mensagem transmite algo e é por isso que devemos tomar cuidado com o que dizemos e postamos.

Tem gente que se sente bem falando de tragédia, de coisas ruins. Não é algo proposital, é a tendência carnal mesmo. Se algo ruim acontece, muitos já correm para contar. Mas isso não edifica ninguém. Ao invés de falar de doença, é melhor falar de livramento, preservação, cura acelerada. Onde estão os seus testemunhos? Compartilha isso.

Nós somos chamados a anunciar a luz.

Jesus fez duas perguntas aos discípulos: “O que estão dizendo ao meu respeito?” e “E vós, o que dizes?” Aprendo com esses questionamentos que eu não preciso falar o que todo mundo fala. Quando Pedro responde “Tu és o Cristo, filho do Deus Vivo”, Jesus afirma que ele recebeu essa revelação dos Céus. Gosto disso, de pensar na origem da informação. Você só repete o que ouve/lê ou pensa no conteúdo que está absorvendo? Quando você para de repetir o que carne e sangue diz e passa a manifestar as revelações do Pai, você fala diferente, é constituído como muro forte e ninguém te derruba.

É isso o que Deus tem para você. Convido você a decidir ser esse porta-voz. Talvez até consagrar as suas mídias sociais e dizer “Quero estar sensível. Seja para mandar uma mensagem para alguém, um link ou fazer uma postagem que edifique”. Deixo aqui a mesma oração de Paulo pelos Colossenses:

Que sejam abertas as portas para pregarmos a Palavra e, principalmente, que saibamos aproveitá-las! 

 

 

* Livro disponível no Verboshop. Citação retirada do devocional para o dia 29 de janeiro.

*Texto retirado do site da Igreja Verbo da Vida em Campina Grande (PB)

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA