Deus é tomador?

Postado em
0

por: Rozilon Lourenço

(Trecho do livro Jó e o Sofrimento do Justo)

Quando exercemos o nosso direito aqui, também o exercemos lá. Em Efésios, Paulo fala que a Igreja está assentada “nos lugares celestiais em Cristo Jesus”, e também está “acima de todo principado e poder e potestade”. Satanás está debaixo do domínio da Igreja e só pode ter o que a Igreja lhe der (Ef 1.20.21). O que a Igreja ligar (consentir), será ligado (consentido); o que desligar (não consentir), será desligado (não consentido). Esse é o sentimento. Nossa luta é travada nos lugares celestiais, segundo Paulo ensina: “… porque não temos que lutar contra carne e sangue, mas sim, contra os principados, contra as potestades, contra os príncipes das trevas deste século, contra as hostes espirituais da maldade, nos lugares celestiais” (Ef 6:12).

Como esta é uma verdade eterna e imutável, mesmo não havendo a Igreja propriamente dita naquela época de Jó, os mesmos princípios, por serem eternos, estavam vigentes. Jó era parte da família de Deus; era um homem santo, justo e temente a Deus, algumas vezes colocado na mesma categoria dos profetas

Jó era uma testemunha e, como tal, deveria viver pela fé. Nesse ponto, porém, é que residia o seu problema. Ele tinha uma fé que incluía, em seu bojo, a perspectiva de que poderia subitamente perder tudo. Mais ainda: tinha a fé de que o próprio Deus poderia tomar-lhe tudo. Em função disso, conforme já expressamos antes, Satanás tentou fazer Deus assumir o caráter de “tomador”. Então ele propôs: “Mas estende a tua mão, e toca-lhe em tudo o que tem…”. Em resposta, Deus disse: “Eis que tudo quanto tem está na tua mão…”.

Observe que o verbo “estar” (grifado) encontra-se no presente do indicativo. Quando se usa o verbo “estar” nesse tempo verbal, indica-se que aquilo que está, já está. Se alguém diz que “fulano está doente”, o que está querendo dizer é que “fulano já está doente”. Quando Deus diz a Satanás: “Tudo quanto tem está na tua mão”, o que Ele está afirmando é que tudo quanto Jó tem já está na mão de Satanás.

Parafraseando o texto, poderíamos indicar a resposta de Deus como segue: “Espera um pouco, eu não sou o “tomador”. Tu és o “tomador”; o direito de tocar nos bens de Jó já te pertence. Ele crê assim, assim será. Eis que tudo o que ele tem já está em teu poder”. Deus apenas não concedeu poder sobre a vida de Jó, já que esta pertencia ao próprio Deus. Mas não poderia negar aquilo que Ele mesmo dissera, que “o justo viverá da fé”, que aquilo que o justo teria seria proporcional ao que a sua fé determinasse.

Tudo era uma questão de fé. O direito consentido que Satanás tinha sobre Jó era outorgado pela fé que acreditava na possibilidade de perder tudo. Inclusive, a mudança na vida de Jó só veio a acontecer por causa da mudança substancial da fé que ele esposava em Deus. Por isso, no dia em que ele creu diferente, obteve um resultado diferente.

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA