Lições para superar adversidades

Postado em
0

por Tony Cooke

A expressão “sem precedentes” tem sido bastante usada em relação à crise que o mundo está passando atualmente. O termo “território desconhecido” também está sendo usado. As pessoas não gostam de incertezas nem do desconhecido, e certamente não gostam da sensação de “ameaça” que parece estar diante de todos. Em suma, estes têm sido tempos perturbadores. Quero compartilhar a história de três homens que superaram uma tremenda adversidade. Suas vidas nos ensinam lições vitais para hoje.

Martinho Lutero (1483-1546)
Lição: use a sabedoria, mas confie em Deus e cuide dos outros com compaixão.

Lutero, que viveu quando as pragas eram muito mais frequentes do que hoje, fala da necessidade de ajudar as pessoas de maneira compassiva e responsável, e de usar a sabedoria para não promover a propagação da doença. Ele escreve que:

“… alguns são muito apressados e imprudentes, tentam a Deus e desconsideram tudo o que possa contrariar a morte e a praga. Eles desdenham do uso de medicamentos; não evitam lugares e pessoas infectadas pela praga, mas, levianamente, fazem brincadeiras e desejam provar o quão independentes eles são… Isso não é confiar em Deus, mas tentá-lo. Deus criou remédios e nos forneceu inteligência para proteger e cuidar bem do corpo, para que possamos viver em boa saúde… É ainda mais vergonhoso para uma pessoa que não presta atenção ao seu próprio corpo, e falha em protegê-lo contra a praga da melhor maneira possível, depois infectar e envenenar outros que poderiam ter permanecido vivos se ele cuidasse do seu corpo como deveria. Use remédios, tome poções que possam ajudá-lo; fumigue a casa, o quintal e a rua; evite pessoas e lugares onde seu vizinho não precisa da sua presença ou se recuperou, e aja como um homem que quer ajudar a apagar uma cidade em chamas. “

Durante uma praga, apenas Lutero e um outro pastor ficaram na cidade para cuidar dos doentes. Ele até abriu sua própria casa para cuidar daqueles que estavam sofrendo. Lembrei-me dos cuidadores modernos – enfermeiros e médicos – enquanto ele escreve:

“Portanto, peço a Deus, misericordiosamente, que nos proteja. Então fumigarei, ajudarei a purificar o ar, administrar os remédios e tomá-los. Devo evitar lugares e pessoas onde minha presença não é necessária para não ficar contaminado e, portanto, infectar e poluir os outros e, assim, causar a morte como resultado da minha negligência… Se todos ajudassem a evitar o contágio da melhor maneira possível, o número de mortos seria realmente moderado. Mas se alguns estão em pânico demais e abandonam seus vizinhos em situação difícil, e se alguns são tolos ao ponto de não tomar precauções, mas agravam o contágio, então o diabo tem um apogeu e muitos vão morrer “.

Lutero levou sua responsabilidade como Pastor e representante de Cristo muito a sério, e ainda assim defendeu o uso sábio de métodos de higiene e práticas de senso comum.

“Sê misericordioso comigo, ó Deus, sê misericordioso comigo! Pois a minha alma confia em ti; E à sombra das tuas asas refugiarei-me até que estas calamidades passem” (Salmo 57:1).

George Washington Carver (1865-1943)
Lição: Deus revelará o que precisamos saber.

No final de 1800, o sul estava com problemas. O bicudo-do-algodoeiro havia devastado a economia baseada no algodão. Além disso, como os agricultores haviam plantado a mesma safra repetidas vezes, ano após ano, o solo estava esgotado dos nutrientes necessários. Nesse mesmo período, George Washington Carver havia se formado, recentemente, no Iowa State College, com destaque em agricultura, horticultura etc. Não apenas ele possuía o conhecimento científico e acadêmico, mas também era um homem de oração. Ele falou com Deus de forma consistente e estava totalmente convencido de que Deus lhe revelara os “segredos” da natureza.

Carver deixou a posição lucrativa e confortável que tinha como professor universitário, em Iowa, em resposta a esta carta de Booker T. Washington.

“O Instituto Tuskegee procura oferecer educação – um meio de sobrevivência para quem o frequenta. Nossos alunos são pobres, muitas vezes, morrem de fome. Eles viajam quilômetros em estradas danificadas, através de anos de pobreza. Nós os ensinamos a ler e escrever, mas as palavras não podem encher estômagos vazios. Eles precisam aprender a plantar e a colher… Eu não posso lhe oferecer dinheiro, posição ou fama. Os dois primeiros você tem. O último, do lugar que você ocupa agora, você certamente alcançará. Agora, peço-lhe para que desista dessas coisas. No lugar delas, ofereço-lhe – trabalho, trabalho muito duro – o desafio de levar as pessoas da degradação, pobreza e desperdício à plena masculinidade “.

Felizmente, George Washington Carver aceitou o desafio. Ele ensinou a Rotação de Culturas para os agricultores do sul, incentivando-os a plantar amendoim, soja e batata doce. E então, com a ajuda de Deus, ele descobriu centenas de usos para esses diferentes cultivos, a fim de que eles pudessem se tornar financeiramente rentáveis. Quando Carver testemunhou perante o Comitê de Formas e Meios da Casa em Washington DC, o presidente perguntou-lhe como ele havia aprendido todas essas coisas… teria ele aprendido na Bíblia? Carver disse: “Não senhor, mas ela fala sobre o Deus que criou o amendoim. Pedi a Ele que me mostrasse o que fazer com o amendoim, e Ele o fez.” 
Carver disse mais tarde:

“Deus nos revelará coisas que Ele nunca revelou antes, se colocarmos as nossas mãos nas dele. Sem Deus para abrir a cortina, eu ficaria impotente”. Outra vez, ele observou: “Enquanto eu trabalhava em projetos que atendiam a uma necessidade humana real, forças estavam trabalhando através de mim, o que me surpreendeu. Eu costumava dormir com um problema aparentemente insolúvel. Quando acordava, a resposta estava lá”. Carver acreditava firmemente no princípio preconizado em Provérbios 8.17 – “…aqueles que me procuram diligentemente me encontrarão”.

Com o que está acontecendo no mundo, hoje, precisamos de cientistas que não sejam apenas treinados academicamente, mas que sejam capazes de receber sabedoria e discernimento do céu! Também podemos receber direcionamento e orientação de Deus para as nossas próprias vidas pessoais. Quanto o mundo se beneficiaria se um grande número de pessoas dedicasse sua vida a servir a humanidade e a elevar outras pessoas através de seu trabalho?

“Mas existe um Deus no céu, o qual revelará os mistérios …” (Daniel 2:28).

Viktor Frankl (1905-1997)
Lição: Ninguém pode tirar seu direito de escolher sua atitude.

Psiquiatra de origem austríaca, Frankl escreveu sobre suas experiências em um campo de concentração nazista da Segunda Guerra Mundial, em um livro chamado “Man’s Search for Meaning” (A Busca do Homem pelo Propósito). Frankl falou em “dominar a arte de viver”, mesmo nas piores condições, e reconheceu que a esperança era uma habilidade essencial para sobreviver a circunstâncias tão opressivas. Ele não negou a realidade da tristeza de suas circunstâncias, mas manteve um senso de propósito ao se imaginar dando palestras sobre as lições que estava aprendendo no campo de concentração após sua libertação.

Três citações notáveis de “Man’s Search for Meaning” incluem:

“O prisioneiro que perdia a fé no futuro – no seu futuro – estava condenado. Com sua perda de crença no futuro, ele também perdia seu domínio espiritual; deixava de recusar-se e ficava sujeito à decadência mental e física”.

“Na análise final, fica claro que o tipo de pessoa que o prisioneiro se tornava era resultado de uma decisão interna, e não o resultado apenas de influências do campo. Fundamentalmente, portanto, qualquer homem pode, mesmo nessas circunstâncias, decidir o que será dele – mental e espiritualmente”.

“Nós, que vivíamos em campos de concentração, podemos lembrar dos homens que atravessavam as cabanas confortando os outros, doando seus últimos pedaços de pão. Eles podem ter sido poucos em número, mas oferecem provas suficientes de que tudo pode ser retirado de um homem, exceto uma coisa: a última das liberdades humanas – escolher a sua própria atitude em qualquer tipo de circunstâncias, escolher o próprio caminho”.

Frankl demonstrou o poder da esperança e da perseverança. Ele acreditava que, se as pessoas encontrassem um senso de propósito, poderiam superar as adversidades do momento, concentrando-se no cumprimento de seu objetivo.

“Portanto, não abandoneis a vossa confiança, pois nela há grandioso galardão. Em verdade vos afirmo que  necessitais de perseverança, a fim de que, havendo cumprido a vontade de Deus, alcanceis plenamente o que Ele prometeu.” (Hebreus 10: 35-36).

Lembre-se dessas lições poderosas desses três indivíduos:

  • Use a sabedoria, mas confie em Deus e cuide com compaixão dos outros (Lutero).
  • Deus revelará o que precisamos saber (Carver).
  • Ninguém pode tirar seu direito de escolher a sua atitude (Frankl).

 

 

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA