Cristianismo e o Biscoito da Sorte

Postado em
0

por Tony Cooke

Tenho certeza que você já comeu alguma vez em um daqueles restaurantes chineses, em que o garçom serve biscoito da sorte após a refeição. Não creio que muitas pessoas levem tais mensagens a sério, mas as pessoas gostam de quebrar o biscoito para ver o que ele diz. Ocasionalmente, um biscoito da sorte pode entregar mensagens engraçadas, como:

  • “Dentro de cada idoso, há um jovem se perguntando o que aconteceu”;
  • “Já era hora de sair desse biscoito”;
  • “Em boca fechada, não entra mosca”;
  • “Não posso ajudá-lo, pois sou apenas um biscoito” .

Geralmente, no entanto, as mensagens nesses biscoitos da sorte se resumem a declarações de senso comum sobre a vida, ou a afirmações ou previsões vagas e positivas. Por exemplo:

  • “Um sorriso é seu passaporte para o coração dos outros”;
  • “Um sonho seu irá se realizar”;
  • “Seja paciente; coisas boas levam tempo”;
  • “A riqueza te encontrará em breve”;
  • “Você superará obstáculos para alcançar o sucesso”.

Em alguma medida, parece que todos querem ouvir que tudo irá bem e que elas conseguirão obter o que querem. Em outras palavras, todos desejam esperança, confirmação e encorajamento; e isso é entendível. Eu gosto de pensar que as pessoas praticamente desconsideram o que está escrito nos biscoitos da sorte, se não o desdenham completamente.

Cristãos, no entanto, levam a Bíblia a sério. Quando vemos uma promessa de Deus na Bíblia, nossos corações podem palpitar e, quando lemos algo nas Escrituras que nos encoraja, podemos extrair grande força disso. Portanto, qual é a diferença entre a “sorte” contida nesses biscoitos e um verso das Escrituras? Penso que tal diferença pode ser resumida na simples frase: Considere a fonte.

Não seria necessário dizer que um cristão não deveria ler a Bíblia da forma que uma pessoa supersticiosa lê um biscoito da sorte. Tais mensagens, tipicamente, dizem coisas que as pessoas QUEREM ouvir, mas a Bíblia nos diz o que PRECISAMOS ouvir

Não sou contra um cristão ler e ser inspirado por um versículo em particular – isso pode ser uma boa fonte de encorajamento. O Espírito Santo certamente pode colocar algum versículo específico em nossos corações, e eu sei que Ele frequentemente faz isso, mas toda nossa vida espiritual não pode ser baseada em versos isolados e aleatórios. De acordo com Jesus, devemos viver “de toda palavra que sai da boca de Deus” (Mateus 4.4). Isso significa que discípulos compromissados lerão e estudarão as Escrituras de forma compreensiva e no contexto.

Um proeminente site sobre a Bíblia reportou que, em 2018, o verso mais popular, com base em mais de dois bilhões de visualizações, foi o que diz: “‘Porque sou eu que conheço os planos que tenho para vocês’, diz o Senhor, ‘planos de fazê-los prosperar e não de lhes causar dano, planos de dar-lhes esperança e um futuro’” (Jeremias 29.11-NVI).

Certamente essa é uma boa declaração. Eu a vejo como encorajadora e, provavelmente, você também a vê assim. Não pretendo desencorajar ninguém, nem extinguir a esperança que uma pessoa pode encontrar em um versículo como esse; porém, em algum momento, é importante que as pessoas leiam o contexto completo que cerca determinado verso. Em outras palavras, qual é a história completa?

Jeremias, que foi quem escreveu tais palavras, estava tentando (sem sucesso) fazer com que Israel se arrependesse de seus pecados. A nação estava começando a ser julgada, e os Babilônios já haviam saqueado algumas riquezas de Jerusalém e levado alguns para o cativeiro, incluindo o rei Jeoaquim. Havia um falso profeta chamado Hananias, que estava dando uma previsão muito otimista ao povo de Jerusalém. Ele falava ao povo que as coisas terminariam bem e que todas as suas riquezas e pessoas levadas ao exílio retornariam em breve.

Jeremias, ao contrário, disse ao povo que, por causa de sua persistente falta de arrependimento, o cativeiro continuaria por setenta anos. Eles não experimentariam liberdade tão cedo, e aqueles levados cativos para Babilônia deveriam se estabelecer, ter filhos, etc. Abaixo, está um contexto mais completo em torno do que está escrito neste capítulo:            

“Dedicai-vos à busca da prosperidade da cidade, para onde vos deportei, e orai a Yahweh em favor dela; porque o progresso dela será a vossa prosperidade. Assim diz Yahweh: ‘Quando se completarem os setenta anos da Babilônia, Eu cumprirei a minha promessa a vosso favor, de trazer-vos de volta para este exato lugar. Porquanto somente Eu conheço os planos que determinei a vosso respeito!’, declara Yahweh, ‘planos de fazê-los prosperar e não de lhes causar dor e prejuízo, planos para dar-vos esperança e um futuro melhor. Então me invocareis e chegareis a mim para orar, e Eu vos darei toda a atenção. Vós me buscareis e me encontrareis, quando me buscardes de todo coração. Eu me deixarei ser encontrado por vós’, assevera o SENHOR, ‘e os conduzirei de volta do cativeiro, restaurando a vossa sorte. Então eu mesmo os reunirei de todas as partes da terra para onde eu os dispersei e os repatriarei para o lugar de onde os deportei’, afirma o SENHOR” (Jeremias 29.7,10-14 – KJA)

Se eu ler Jeremias 29.11 de forma superficial, da mesma forma que as pessoas leem os biscoitos da sorte, talvez, eu fique com a impressão de que “porque Deus me ama, eu terei um bom dia hoje!”. No entanto, quando os destinatários originais de Jeremias 29.11 leram a mensagem em seu contexto completo, eles provavelmente disseram: “Seremos levados cativos por setenta anos, mas, eventualmente, veremos Deus nos restaurar à nossa pátria”. Tais interpretações são bem diferentes, não acha?

Preocupa-me que muitas pessoas, atualmente, tratem as Escrituras como se Sua única finalidade fosse a de promover encorajamento e motivação.

A Bíblia é lida em busca de sucesso, mas não de santificação. Certamente, devemos buscar esperança e encorajamento na leitura das Escrituras; porém, se tudo o que procuramos é um rápido impulso motivacional, perderemos muito do que Deus quer nos comunicar. Considere o que as Escrituras são realmente destinadas a realizar em nossas vidas:

“Toda a Escritura é inspirada por Deus e proveitosa para ministrar a verdade, para repreender o mal, para corrigir os erros e para ensinar a maneira certa de viver; a fim de que todo homem de Deus tenha capacidade e pleno preparo para realizar todas as boas ações” (II Timóteo 3.16-17 – KJA)

Note que, não apenas versículos isolados, mas TODA a Escritura é proveitosa para:

Doutrina: É o que precisamos aprender e no que precisamos acreditar. A verdade.

Repreensão: Convicção do pecado, revelação do erro e repreensão daqueles que estão em pecado.

Correção: Significa “endireitar-se novamente”.

Instrução da maneira correta de viver: Refere-se à maneira como os pais treinariam uma criança.

Devemos ler as Escrituras da forma como Deus quer que leiamos inteiramente Sua Palavra, e não da forma como alguém lê um biscoito da sorte! Não apenas devemos ler o Novo Testamento, como o Antigo Testamento, que também possui grandes benefícios para todos nós. Algumas pessoas desdenham do Antigo Testamento, mas Paulo escreve:

“Tudo isso aconteceu a fim de nos servir de exemplo, para nós não querermos coisas más como eles quiseram, nem adorarmos ídolos, como alguns deles adoraram. Como dizem as Escrituras Sagradas: “O povo sentou-se para comer e beber e se levantou para se divertir”. Não devemos cometer imoralidade sexual, como alguns deles fizeram. E, porque eles fizeram isso, vinte e três mil deles caíram mortos num dia só. Não devemos pôr à prova a paciência de Cristo, como alguns deles fizeram, e por isso foram mortos pelas cobras. Vocês não devem se queixar, como fizeram alguns deles, e por isso foram destruídos pelo Anjo da Morte. Tudo isso aconteceu com os nossos antepassados a fim de servir de exemplo para os outros, e aquelas coisas foram escritas a fim de servirem de aviso para nós. Pois estamos vivendo no fim dos tempos”  (I Coríntios 10.6-11 – NTLH)

Abaixo, estão algumas declarações excelentes. Se as aplicarmos, leremos as Escrituras da forma como Deus deseja:

“Aplique-se totalmente às Escrituras e aplique as Escrituras totalmente a si mesmo” (Johann A. Bengel)

“Nada menos que a Bíblia inteira pode fazer um cristão completo” (A. W. Tozer)

“Estudo a Bíblia da mesma forma que colho maçãs. Primeiro, eu balanço a árvore para que os frutos mais maduros caiam. Depois, eu agito cada membro e, após isso, cada ramo e cada galho. Em seguida, olho debaixo de cada folha” (Martin Luther)

“Devemos permitir que a Palavra de Deus nos confronte, perturbe nossa segurança, mine nossa complacência e derrube nossos padrões de pensamento e de comportamento” (John Stott)

“A cada 100 cristãos, 99 apenas brincam de estudar a Bíblia; portanto, a cada 100 cristãos, 99 são meros fracotes, enquanto poderiam ser gigantes” (R. A. Torrey)

Deus lhe abençoa enquanto você se aprofunda na Palavra de Deus, lendo de forma abrangente, completa e aprofundada.    

Traduzido por Gabriella Kashiwakura              

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA