Introdução Alimentar

Postado em
0

Olá, queridos!

Graça e paz,

Neste mês das mães, queremos aproveitar para falar de um assunto bem especial e importante: A Introdução Alimentar do bebê.

Para isso, convidamos a Nutricionista Marcela Barros para escrever para o nosso Blog e falar um pouquinho sobre o assunto para nós.

Confira:

Chega um momento na vida das mães que é muito esperado, mas também cercado de dúvidas e medos: A Introdução Alimentar (IA). Esse processo inicia-se ao sexto mês de nascimento do bebê, e é quando ele necessita receber outros alimentos saudáveis, além do leite materno para continuar crescendo forte e saudável.

Existem 3 formas de começar essa introdução:

  • Tradicional: Quando o alimento é amassado e oferecido na colher;
  • BLW: Sigla em inglês para Baby-Led Weaning, significa desmame guiado pelo bebê. É a Introdução Alimentar guiada pelo próprio bebê. Nessa técnica os alimentos são cortados do tamanho que o bebê consiga segurar e levar à boca. Onde o bebê explora as texturas, cheiros e sabores dos alimentos, mas é uma técnica que deve ser SEMPRE supervisionada, pois há riscos de engasgo.
  • Participativa: Quando o bebê usa a colher e pelo método BLW.

Independente do método escolhido para iniciar a apresentação dos alimentos ao bebê, o aleitamento materno deve ser continuado até os 2 anos de idade, como preconizado pela Organização Mundial de Saúde (OMS).

Essa fase requer alguns cuidados que precisam ser observados antes de iniciar a IA; como:

  • Sempre higienizar bem as mãos antes de preparar os alimentos;
  • Higienizar os alimentos e utensílios que serão usados para o preparo da refeição e
  • Escolher de forma correta os grupos de alimentos que devem ser oferecidos, pois devem contribuir para o crescimento e desenvolvimento do bebê.

Para a IA tradicional, devemos observar que não é necessário liquidificar ou passar os alimentos pela peneira. O ideal é cozinhá-los bem, amassá-los e oferecer ao bebê.

É normal que a criança faça caretas nas primeiras vezes, e isso não significa que ela não gostou, mas, ela está provando algo novo e completamente diferente do que vinha se alimentando e está aprendendo a deglutir sólidos.

Lembrando que o estômago do bebê ainda é pequeno e não suporta grandes volumes, em média de 2 a 3 colheres de sopa, no início, por isso não é necessário preparar grandes quantidades nem se desesperar quando ele não comer um pratinho inteiro.

Algumas dicas são muito valiosas:

  • Assim que iniciar a IA é importante oferecer água para hidratar e evitar a constipação;
  • Alimentar a criança a cada 3 horas;
  • A criança deve estar sentada na hora das refeições;
  • Criar na criança o hábito de alimentar-se à mesa, junto dos demais da casa, tornar o momento das refeições um momento tranquilo e agradável, ensinando desde cedo a importância da alimentação;
  • Iniciar com as papinhas de frutas, 2 vezes ao dia. Dê preferência às frutas mais adocicadas (mamão, banana, maçã e pêra), pois têm uma melhor aceitação, mas TODAS as frutas devem fazer parte do cardápio da criança;
  • Exemplos de vegetais que devem estar no cardápio: cenoura, beterraba, batata, batata doce, jerimum, inhame, tomate, folhas, entre outros;
  • Leguminosas: Feijão (começar a oferecer apenas o caldo), lentilha, grão de bico;
  • Lembrar de, sempre, colocar no pratinho as preparações separadas;
  • Oferecer proteínas (carne vermelha, frango, peixe e fígado) cozidos dentro das sopinhas;
  • É recomendado o uso de azeite extravirgem, pois um fio de azeite de oliva extravirgem facilita a absorção das vitaminas e aumenta o valor calórico para o ganho de peso.
  • Almoço: Caldinho de feijão (oferecer o grão amassado a partir dos 10 meses), sopinhas de legumes com macarrão cabelo de anjo ou arroz;
  • Jantar: Sopinhas ou purês de legumes;
  • À partir do 6º mês pode introduzir a gema do ovo na refeição da criança, preferencialmente cozido, e a partir do 8º mês, oferecer o ovo inteiro. Lembrando que o ovo deve ser caipira. Caso os pais ou parentes de primeiro grau, tenham algum tipo de alergia relacionada ao ovo, não é interessante realizar a introdução antes de o bebê passar pelos testes de alergia.

EVITAR

  • Açúcar de qualquer tipo (cristal, demerara, mascavo);
  • Acrescentar sal nas refeições salgadas;
  • Papinhas industrializadas;
  • Uso de condimentos e temperos industrializados;
  • Leite de vaca, iogurtes e alimentos processados;
  • Alimentos como castanhas, nozes, amendoim e mel só devem ser oferecidos depois dos dois anos de idade também pelo risco de alergias.

É importante lembrar que o bebê vai criar memórias durante esse processo de Introdução Alimentar que poderá determinar a forma que ele se relacionará com os alimentos. Além de ser nesses momentos que é gerado o vínculo familiar.

Cuide bem da alimentação do seu bebê, seja física ou espiritualmente. Ele depende de você, de seu amor e dedicação.

Fiquem conectados. Fiquem em forma.

No amor do Senhor,

Rachel Bichusky Garcia

 

Ficha Técnica

Nome: Marcela Cavalcanti Antunes Barros

IEVV: Zona Sul – Campina Grande/PB

Profissão: Nutricionista

Formação Acadêmica: Nutricionista Funcional, Personal Diet, e Pós Graduanda em Nutrição Clínica

Atuação: Nutrição Clínica/Consultório e Hospital da Criança e do Adolescente

 

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA