Bastidores do Casamento

Postado em
2

por Janielle Medeiros

(Graduada da Escola de Ministros em Recife-PE)

 “No amor não há medo; pelo contrário o perfeito amor expulsa o medo, porque o medo supõe castigo. Aquele que tem medo não está aperfeiçoado no amor.” (1 João 4.18)

O medo é algo que nos paralisa e nos faz tomar decisões erradas. Isso se estende aos nossos relacionamentos. Ao passo que fomos criados para nos relacionar, fazer isso baseado em medo nos faz imaturos, vacilantes e o pior, prisioneiros de nossos fantasmas.

Ter uma família, sempre foi um grande desejo, mas lá no fundo, eu tinha medo de viver esse sonho. O casamento tão sonhado, o grande conto de fadas para muitas, para mim, é sinônimo de desafio, e daqueles bons!

As circunstâncias, não os princípios de Deus, muitas vezes, decidiram relacionamentos que tive. Isso me fez acumular uma bagagem emocional de desconfiança, mágoas, insegurança, baixa autoestima; cada dia mais, por vezes, me vi perdendo de vista o propósito de Deus para minha vida, onde residem a paz e a alegria verdadeira. Dentro do propósito, tudo se encaixa naturalmente, e sem esforço e podemos ser nós mesmos. Vivi nessa situação até o dia que conheci Emerson, meu marido! Nos casamos há exatos oito meses – estamos juntos há dois anos, e seguramente, os melhores de minha vida, pois como sempre ouvi: Deus une propósitos e não apenas pessoas.

Pois bem, dito isto, vou contextualizar os acontecimentos que nos levaram a formar nossa família. Nos conhecemos em um momento bem peculiar e delicado de minha vida. Eu tinha acabado de sair de um relacionamento que não me encaixava, era como uma peça de quebra-cabeça que eu forçava para se adequar no espaço vazio, além de machucar a peça, não fazia sentido; tudo era pesado, sem cor. Um relacionamento que começou a partir de um impulso das emoções e não do espírito. Posso dizer que realmente vivia um jugo desigual e essa consciência de prisão, me amedrontava. O fato é que a falta de firmeza em nossa identidade e valor em Cristo Jesus, nos fazem aceitar menos do que Ele nos fez merecedores. Quantas vezes não fazemos isso, não é mesmo? Solteiras, fiquem atentas quanto a isso, pois isso refletirá em sua família lá na frente.

Certo dia, fui em um evento da igreja e decidi ter comunhão com os irmãos após o culto e Emerson estava lá. Deus cuidou de minha alma ferida através dele. Foi bem engraçado até (risos). Ele orava por mim, me “alugava” por horas a fim, e me dizia coisas inspiradas pelo Espírito. Apesar de grata, eu era muito desconfiada e fechada. Não queria misturar as coisas e nem vislumbrar casar com alguém tão “espiritual” como ele. Minha estima estava baixa e foquei na boa amizade; mas em algum momento eu entendi, que o Espírito Santo estava querendo alcançar-me através dele e eu não poderia ser orgulhosa, senão, sofreria as consequências disso.

Continuamos conversando, falamos sobre propósitos e sonhos e certo tempo depois, resolvemos namorar, agora sim, minha decisão foi baseada em princípios seguidos de uma paz indescritível, mesmo quando as emoções traziam dúvidas, pois somos bem diferentes em alguns aspectos. Resolvemos noivar então, no dia do meu aniversário. E aconteceu algo inesquecível: entramos em uma loja de roupas em minha cidade natal, e enquanto eu estava no provador, a loja foi assaltada e o assaltante apontou a arma para ele, mas nada nosso foi levado e nem fomos tocados. Eu aproveitei o momento de tensão para observar a reação de Emerson e ele permanecia firme, segurando minha mão. A confiança foi sendo restaurada dentro de mim e fui observando que ele permanecia ao meu lado, apesar da circunstância.  

O medo bate à porta quando menos se espera e precisamos responder com fé. Descobri há duas semanas do casamento, que estava com medo de seguir adiante, pois tinha medo de me relacionar, tinha medo de me envolver profundamente e expor às minhas emoções, a fim de poupar novos sofrimentos. Então ouço o Espírito de Deus falar-me de forma e firme: minha filha, você não foi feita para viver presa. Rompa isso, confie em mim e apenas confie em Mim. Você será feliz também do outro lado. E assim o fiz!

Caminhamos juntos e crendo, fortalecendo um ao outro, e no dia 01 de setembro de 2018, nos casamos! E foi lindo! Nosso casamento foi montado ao ar livre e no meio do dia, o tempo virou. Mesmo sabendo que a festa podia acabar, permanecemos em paz. Sim, choveu durante a cerimônia, mas entendemos que o tempo de preparo que antecedeu a esse dia, nos ensinou que um relacionamento com propósito nos leva a confiar no nosso Pai. Fomos presenteados com um arco-íris lindo (símbolo da Aliança de Deus com os homens, que esteve presente também no dia do pré-wedding), e todos os familiares e amigos presentes, puderam contemplar o zelo de Deus em nossas vidas.

Tenho aprendido que família é a estratégia de Deus para ajustar nossa motivação, lapidar nossa alma e fortalecer nosso espírito e identidade. Fomos criados para relacionamentos, e em especial, a união de marido e mulher é comparada à união de Cristo e da Igreja (Efésios 5.31,32):

“Por essa razão, o homem deixará pai e mãe e se unirá à sua mulher, e os dois se tornarão uma só carne”. Este é um mistério profundo; refiro-me, porém, a Cristo e à igreja.

Sim, todas as obrigações naturais de uma vida a dois, vieram junto com o pacote família, mas isso tudo se dilui frente ao que vai sendo acrescentado em nosso caráter. Temos o Ajudador, prometido por Jesus, o maravilhoso Espírito Santo, para nos ajudar a ajustar duas vidas em um propósito, amar com o amor ágape, aprender a perdoar e pedir perdão, sair da zona de conforto, deixar o egoísmo de lado e abrir espaço em nossa vida, para outra pessoa entrar e se estabelecer, investir em ser uma melhor pessoa para o outro. Precisamos dessa ajuda, uma vez que tudo isso é muito intenso, pois uma mágoa não resolvida, é notada mais rapidamente no lar. Casamento não é lugar de esconder lixo emocional embaixo do tapete.

Seguramente, posso te afirmar, que tudo começa com uma decisão certa. Escolher e persistir viver os princípios estabelecidos e aprovados por Deus, faz total diferença, pois é assim que temos superado os desafios diários que surgem. Hoje, olho para trás, e penso em todas as escolhas de relacionamentos que fiz, baseadas em motivações erradas, convicções falidas, e vejo o quanto isso é danoso e perda de tempo. Toda a raiz das más escolhas, repousam na confusão de nossa identidade em Deus e do nosso real valor, mas a boa notícia, é que nEle, todo dia, temos um novo e emocionante recomeço.

2 COMENTÁRIOS

  1. Já diz o provérbio: o coração do homem traça os caminhos, mas é o Senhor quem lhe dirige os passos.” Certamente esse provérbio se aplica a história de vocês. Creio que foi realmente o Senhor que providenciou esse encontro de duas almas tão generosas. Que Deus abençoe a vida e o lar de vocês, meus queridos sobrinhos.

DEIXE UMA RESPOSTA