Crises

Postado em
4
por Diego Herreira
*Graduado de Centro de Treinamento Bíblico Rhema
 

Como as crises nos ensinam! Acredito que a visão da igreja está sendo alinhada sim, talvez estávamos longe do propósito e com uma certa miopia. Tenho pensado muito sobre alguns confrontos que a igreja possa estar vivendo neste tempo. 

Quem dera honrássemos os horários de nossos cultos como honramos o toque de recolher, é um desejo de ser pontual como nunca antes fomos. Quem dera estivéssemos tão preocupados, em nos contaminarmos com o pecado, como estamos com o Covid-19 e, isso, sem mencionar os pecados de estimação.

Podemos até mesmo seguir um pouco além. E se estivéssemos dispostos a honrar os nossos líderes como estamos em honrar as autoridades, e se honrássemos a Palavra como estamos honrando os decretos?

Calma, não precisa se alterar, não estou anulando esse posicionamento que também é bíblico, só acredito que ele devesse ser mais coerente. Temos pacotes de dados para navegarmos o dia todo, em busca de entretenimento e prazer, mas não temos o suficiente para assistirmos aos cultos on-line e programações de nossas igrejas locais.

Concluo que tempos de crise revelam quem realmente somos, até mesmo sobre o que está dentro dos nossos corações e nossas intenções. É de verdade? Talvez estamos nos distanciando de viver Jesus. E se formos falar sobre dízimos e ofertas? Chega ser uma afronta para muitos, pois alguns ainda não entenderam do que se trata, muito menos a relação bem próxima entre a prosperidade, generosidade e gratidão.

Precisamos realmente rever os nossos conceitos como igreja. Muitos têm se preocupado apenas com o que a igreja pode aprender após tudo isso passar, que estaremos mais fortes e relevantes, isso é fato, uma consequência de tudo que estamos vivendo e aprendendo. 

A real pergunta deveria ser: o que estamos aprendendo agora? O que estamos mudando hoje? Não é apenas algo para o futuro, mas algo para se dar atenção de forma imediata.

Ser da igreja ou ser igreja? A real questão é manifestarmos, além das quatro paredes, o que temos tanta dificuldade de viver dentro e, se não vivermos dentro, não manifestaremos fora. Esse é o nosso maior desafio neste tempo: “Ser de fato igreja”.

4 COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA