Enverga mas não quebra

Postado em
0

ESTEVÃO NASCIMENTO3Estevão Frederico
Graduado da Escola de Ministros Rhema

Resiliência, quantos de nós não já ouvimos a respeito desse termo? A resiliência é a capacidade de alguém lidar com problemas, se adaptar às mudanças, superar obstáculos ou resistir à pressão de situações adversas.

Entretanto, gosto de uma definição da Física para a resiliência: “a energia máxima que pode ser absorvida sem criar uma deformação permanente“. Em outras palavras, pense em um elástico, um material que você pode esticar e que voltará as dimensões originais. Entretanto, se você esticar além do que ele suporta, ele poderá esgaçar ou, ainda, se romper. Assim, a resiliência é o máximo de força que o elástico consegue suportar sem esgaçar ou romper.

A palmeira é um grande exemplo de resiliência. Após uma googleada, observei que as palmeiras se mantém de pé mesmo após fortes ventos, tempestades ou, até mesmo, furacões. Enquanto suas folhas podem sobreviver em ambientes quentes, de clima seco e adaptam-se a longos verões sem chuva, suas raízes se aprofundam até encontrar uma fonte regular de água.

“Os bons florescem como as palmeiras; eles crescem como os cedros dos montes Líbanos” (Salmos 92.12 | NTLH).

A capacidade de resiliência da palmeira permite que ela suporte situações adversas e até possa envergar, porém ela não se renderá a pressão aplicada, pois sua resiliência é alta. A palmeira irá retornar à posição ao qual ela estava antes de enfrentar a pressão, isto é, uma adversidade. Nós, como cristãos, precisamos entender que as circunstâncias podem até atingir nossas emoções e devemos nos manter firmes durante a circunstância, porém, precisamos nos reerguer para a posição que temos na Palavra de Deus, pois nossa fé não é firmada em emoções, mas sim em Deus.

“Minha mensagem e minha pregação não consistiram em palavras persuasivas de sabedoria, mas em demonstração do poder do Espírito, para que a fé que vocês têm não se baseasse na sabedoria humana, mas no poder de Deus” (II Coríntios 2.4-5 | NVI)

Você sabia que podemos aumentar a nossa resiliência? A forma de aumentarmos nossa resiliência é seguindo o exemplo da palmeira, aprofundando nossas raízes até a fonte de água. Nós temos que nos aprofundarmos em Cristo e, nEle, encontraremos a força necessária para aumentarmos nossa resiliência e nos mantermos firmes diante das circunstâncias que possam se levantar.

“Quem beber desta água terá sede outra vez, mas quem beber da água que eu lhe der nunca mais terá sede. Ao contrário, a água que eu lhe der se tornará nele uma fonte de água a jorrar para a vida eterna” (João 4.13-14 | NVI).

Entretanto, observe que eu disse “aprofundando”; isto é, praticando, exercitando, indo aos poucos. Lembre-se de Romanos 10.17 (NVI): “Consequentemente, a fé vem por se ouvir a mensagem, e a mensagem é ouvida mediante a palavra de Cristo”. É aos poucos, de fé em fé e de glória em glória (Romanos 1.17, II Coríntios 3.18).

Os dias maus virão, pois, o próprio Jesus disse que no mundo teríamos aflições (João 16.33), a decisão é nossa se permitiremos que estes dias nos destruam, devastando o nosso interior, ou se usaremos da nossa fonte que é a Palavra de Deus e nos manteremos firmados, nos erguendo para a mesma posição, prosseguindo em crescer.

“Eu mostrarei com quem se compara aquele que vem a mim, ouve as minhas palavras e as pratica. É como um homem que, ao construir uma casa, cavou fundo e colocou os alicerces na rocha. Quando veio a inundação, a torrente deu contra aquela casa, mas não a conseguiu abalar, porque estava bem construída” (Lucas 6.47-48 | NVI).

Precisamos nos posicionar e deixarmos de ser espectadores para sermos os atores principais da nossa fé. O mais importante não é suportar os dias maus, mas sim no que você se tornará após os dias maus: uma árvore ao chão, ou uma árvore mais forte? Para vencermos as pressões precisamos aplicar uma pressão ainda maior, mas isso é uma outra lei da física e um outro texto … até a próxima!

“Para a árvore pelo menos há esperança: se é cortada, torna a brotar, e os seus renovos vingam. Suas raízes poderão envelhecer no solo e seu tronco morrer no chão; ainda assim, com o cheiro de água ela brotará e dará ramos como se fosse muda plantada”. (Jó 14.7-9 | NVI)

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA