Amor limitado

Postado em
0

por Thayse Sousa (Campina Grande -PB)
*Graduada do Centro de Treinamento Bíblico Rhema

Constantemente, podemos ouvir frases do tipo: “Como amo chocolate!” “Amo sorvete!”, “Amo cinema!”, “Amo filmes, séries e desenhos animados!”. Mas normalmente estes “amores” estão sendo atrelados a coisas,  quando o que Jesus disse a respeito de amar é: “Amem uns aos outros, assim como Eu vos amei, assim vós também deveis amar” (Jo.13:34).

O infinito amor de Deus e o nosso limitado amor, uns para com os outros, nos fazem perceber que o sentido de amor tem sido constantemente objetificado e desvalorizado, os valores estão se invertendo e coisas passaram a possuir mais valor que pessoas.

Jesus com Seu amor se deu por inteiro e por todas as pessoas, como conhecemos o texto de João 3.16 “Porque Deus amou ao mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todo aquele que Nele crer não pereça, mas tenha a vida eterna.”

Já parou para pensar que, mesmo antes que venhamos a nos arrepender, Deus já nos perdoou por meio do sacrifício de Jesus na cruz? O amor de Cristo é paciente, bondoso, misericordioso, compassivo, perdoador.

Você percebe que ainda insistimos em amar apenas aqueles que também nos amam ou que nos tratam bem?! E que fazer isso é muito normal e fácil para todas as pessoas. Quando o que a palavra nos diz é : “Amem os vossos inimigos e orem pelos que vos perseguem”. Antes a lei de Talião estava estabelecida como: “olho por olho, dente por dente”. Mas a lei de Deus é diferente e ela diz: “ Não resistam ao perverso, se alguém te ferir na face direita oferece o outro lado, se alguém quiser processa-lo deixe levar também a capa, se alguém o força a caminhar uma milha, vá com ele duas” (MT 5:39 – 42). 

A sociedade pode se reinventar, a forma de linguagem pode sofrer algumas alterações de acordo com época ou lugar, mas a Palavra de Deus não muda, Ela é a verdade absoluta que a ciência não consegue alcançar. Se cremos em Cristo ressuscitado cremos em sua Palavra e, se cremos nela, cremos em sua totalidade. E se o amor de Jesus por nós  atraiu-nos ao nosso Deus Pai, o nosso amor pelas pessoas precisa provocar o mesmo efeito, revelar o Pai. Afinal, tal qual Ele é, nós devemos ser. A criação aguarda, ansiosamente pela manifestação dos filhos de Deus!

 

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA