Quem poderá herdar o reino de Deus?

Postado em
0

por Lenise Freitas (Rio de Janeiro-RJ)
*Graduada da Escola de Ministros Rhema e coordenadora do Ministério Graça e Verdade 

Existe muita discussão e controvérsia sobre o texto de I Coríntios 6.9-12 e este texto tem sido usado frequentemente por várias pessoas para dizer que pessoas que vivenciam a homossexualidade não serão salvos!

No entanto, como alguém chamada para estar com pessoas que necessitam de graça na área da sexualidade, esta é uma das passagens que mais me confortam.

Evangelho quer dizer boas novas, boas notícias! E isto que quero esclarecer aqui, a boa notícia. Não só para pessoas que vivenciam fluidez na sexualidade mas para todas as outras classes que estão no mesmo pacote desta passagem.

Antes de uma conclusão precipitada, vamos dissecar esse texto. Leia esse artigo até o fim.

“Não sabeis que os injustos não herdarão o reino de Deus? Não vos enganeis: nem os fornicadores, nem os idólatras, nem os adúlteros, nem os efeminados, nem os sodomitas, nem os ladrões, nem os cobiçosos, nem os bêbados, nem os maldizentes, nem os que praticam a extorsão, herdarão o reino de Deus. E tais fostes alguns de vós; mas fostes lavados, mas fostes santificados, mas fostes justificados em nome do Senhor Jesus, e pelo Espírito do nosso Deus” (I Coríntios 6.9-12).

A primeira parte que quero destacar nessa passagem já é a primeira frase do versículo 9, que no meu entendimento sozinha já resolve toda questão.

“Não sabeis que os injustos não herdarão o reino de Deus?“

Quero chamar atenção para expressão “injustos”.
Quantos sabem que biblicamente a justiça de Deus não é fixada por méritos próprios?
Biblicamente, não somos justos ou injustos por nossas obras, por aquilo que fazemos ou deixamos de fazer. Mas aquele que não teve pecado (Jesus) se fez pecado por nós (assumiu a culpa dos nossos pecados) para que n’Ele fôssemos feitos justiça de Deus.

Então a primeira coisa que precisamos definir é que “justos” não são pessoas que não cometem pecado mas aqueles que reconhecem a Jesus como a sua justiça. Que reconhecem que o sacrifício de Cristo foi suficiente para justificá-los.

Não podemos diminuir o valor do sacrifício de Jesus querendo “ajudá-lo” na tarefa de nos redimir com nossa pseudo justiça própria!

Tenho percebido nesse tempo um chamado de Deus para entendermos identidade. De fato parece que não compreendemos como convém. Gosto muito da ilustração que diz que dormir numa garagem ou tomar gasolina não faz de um ser humano um carro. Esta é uma questão de natureza.

Da mesma forma pessoas justificadas em Cristo não perdem a identidade de justos por cometerem pecados.

É importante termos isto em mente para compreendermos a sequência da passagem, quando Paulo cita alguns exemplos dentre as pessoas não justificadas em Cristo, os injustos (porque ainda não receberam a Jesus pela graça por meio da fé) que não podem herdar o reino de Deus.

“Nem os fornicadores, nem os idólatras, nem os adúlteros, nem os efeminados, nem os sodomitas, 10. nem os ladrões, nem os cobiçosos, nem os bêbados, nem os maldizentes, nem os que praticam a extorsão…”

Particularmente, gosto do fato de Paulo colocar no mesmo pacote as questões sexuais e outros que parecem tão mais aceitáveis como um mentirinha aqui, uma invejinha ali, uma “fofoquinha” entre amigos de confiança. Verdadeiramente Deus não faz acepção de pessoas! Ele que todos cobre igualmente com sua graça!

Não reconhecer que todas estas questões tem o mesmo peso é uma prática homofóbica.
E homofobia também é pecado!

Finalmente Paulo começa a concluir seu pensamento :
“E tais fostes alguns de vós.”

Quando Paulo diz que estas pessoas deixaram de ser ou portar estas identidades. Ele afirma que estas pessoas deixaram de ser porque excluíram estas práticas de suas vidas?
O que a passagem diz?
“Tais fostes alguns de vós. Mas parabéns, vocês deixaram completamente essas práticas?”
Absolutamente não!
Paulo afirma que aquelas pessoas deixaram de ser por terem sido lavadas, santificados, justificadas em nome do Senhor Jesus, e pelo Espírito do nosso Deus.

Nada além do sacrifício de Jesus pode salvar uma pessoa.
Sacrifício único e suficiente.

A Justiça de Deus nos tira de caixas e nos torna unicamente seus filhos! Seja qual for a identidade que nos imputem. Somos acima de qualquer coisa seus filhos.

Conhecendo a realidade da igreja de Corinto sabemos que muitos ali, como muitos também em nossas igrejas hoje após a justificação viviam processos de restauração em áreas visíveis ( em áreas invisíveis todos vivemos).

“Se dissermos que não temos pecado nenhum, enganamo-nos a nós mesmos, e a verdade não está em nós” (I João 1.8).

Processos em qualquer área fazem parte da vida cristã. Então não atrapalhemos o processo de ninguém, nem mesmo os nossos. Vamos deixar que as pessoas tenham paz para conhecer a Jesus e crescer n’Ele. E ele que é amoroso, justo, conhece histórias, possui dados que não temos, vai julgar cada um. Não vamos complicar aquilo que Cristo simplificou.

Especialmente aos que ensinam a Palavra procurem apresentar-se a Deus aprovados como obreiros, aprendam a manejar bem a Palavra da Verdade. Se você tem uma dívida em áreas específicas procure um especialista, alguém que se dedica a estudar tal assunto. E não se prive da graça!

“Tem cuidado de ti mesmo e do teu ensino; persevera nestas coisas; porque, fazendo isto, te salvarás, tanto a ti mesmo como aos que te ouvem”(I Timóteo 4.16).

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA