Uma igreja desbravadora e doadora

Postado em
0
225

Por Simon Potter
(Transcrição da mensagem do dia 26 de agosto 2018)

Quando Pedro chegou à casa do centurião italiano e gentil, Cornélio, todos estavam cheios de expectativas em receber Pedro. Ele mal começou a pregar e o Espírito Santo caiu sobre todos (Atos 10).

“mas recebereis poder, ao descer sobre vós o Espírito Santo, e sereis minhas testemunhas tanto em Jerusalém como em toda a Judéia e Samaria e até aos confins da terra” (Atos 1. 8)

A igreja de Jerusalém andou com o ritmo bem lento para alcançar os gentios, por causa do seu conceito religioso. Pedro, porém, recebeu uma visão. Muitas vezes, Deus tem que fazer algo sobrenatural porque não estamos obedecendo à Palavra. A igreja de Jerusalém estava caminhando em ritmo lento, todos estavam evitando ser testemunha em toda terra (Atos 1.8). 

O Espírito Santo colocou essas coisas na Bíblia com o propósito de que evitemos as mesmas falhas. Deus não faz acepção de pessoas e em Atos 10, lemos que Pedro entendeu que Deus não tem preconceito com os gentios.

É impressionante como Pedro falou sobre Jesus tão rápido na casa do Centurião. Às vezes estamos demorando demais para falar dEle, e estou falando de mim. Fico arrodeando para chegar no ponto de falar de Jesus. Pode ser que às vezes precise esperar um pouco, mas o mundo precisa ouvir falar de quem Ele é. O mundo precisa ouvir falar sobre Jesus.

“E, dizendo Pedro ainda estas palavras, caiu o Espírito Santo sobre todos os que ouviam a palavra” (Atos 10.44)

Mas temos que deixar o Espírito Santo agir. Pedro ainda falava, quando o Espírito Santo foi derramado. Por vezes, estamos pregando demais e o Espirito Santo querendo fazer a obra. 

Pedro pregou aos gentios, mas sofreu dentro da igreja uma pressão grande por causa dessa pregação, dessa visita a casa de um gentil. Vemos claramente como a igreja caminhava com uma mente pequena, impedida por causa da cultura, do preconceito. Quando pensamos apenas no nosso povo, não podemos alcançar o mundo.

A igreja de Antioquia era diferente, eu quero mostrar dois aspectos dela. Podemos falar de muitas coisas dessa igreja exemplar, mas quero enfatizar duas: igreja desbravadora e doadora. Eu vejo essas duas coisas também na igreja de Campina Grande e, vamos continuar vendo por muitos anos, até a volta do Senhor.

“Então, os que foram dispersos por causa da tribulação que sobreveio a Estêvão se espalharam até à Fenícia, Chipre e Antioquia, não anunciando a ninguém a palavra, senão somente aos judeus” (Atos 11.19)

Os cristãos começaram a sair de Jerusalém, fugindo da perseguição. Invadiram Chipre, Fenícia, Antioquia, regiões de gentios; porém, no versículo 19 vemos que eles (a igreja) estavam indo somente aos Judeus. Saíram de Jerusalém, mas Jerusalém ficou dentro deles. Essa mentalidade é pequena. O mundo é muito mais que os Judeus.

Igreja, o mundo é muito maior que a igreja, saia da igreja!

Só Deus sabe quantas pessoas nessa nação já receberam a Jesus. Existe um mundo fora da igreja e tanta gente sem Jesus. Podemos ir somente ao nosso povo, mas podemos reaver o alvo do Senhor, as multidões, os gentios. Estas coisas são muito importante para nós.

Estamos enviando pessoas para as nações para abrir somente igrejas brasileiras em outras nações? É esse o propósito? Eu quero alcançar os brasileiros que estão fora, porque muitos que estão procurando uma vida melhor estão vivendo uma miséria. Eu quero alcançar esse povo, mas temos um alvo maior, todas as nações, pois o mundo é maior! 

“Alguns deles, porém, que eram de Chipre e de Cirene e que foram até Antioquia, falavam também aos gregos, anunciando-lhes o evangelho do Senhor Jesus” (Atos 11. 20)

Vejo esse versículo 20 como o mais importante do livro de Atos. Eu sei que são muitos textos importantes, mas eu vejo esse momento como muito importante. Foi quando esse povo desbravador saiu da mentalidade pequena para fazer algo diferente. Eles começaram a ser uma igreja desbravadora, sem medo, querendo avançar com Deus, ouvindo o coração do Senhor para os gentios.

Às vezes queremos algo diferente, mas estamos fazendo as mesmas coisas e da mesma forma. Como podemos esperar algo diferente? Podemos ver o desenvolvimento de missões na historia da igreja. A igreja que vai alcançar o mundo tem que ser uma igreja desbravadora, que faz coisas novas.

No versículo 19 o povo estava pregando a Palavra de Deus apenas nas sinagogas, mas no versículo 20, esse povo falava também aos gregos. Mas aonde? Com certeza não era nas sinagogas. Então onde? Com certeza nas praças, nos mercados, nas ruas, quebrando algumas regras. A igreja de Antioquia começou assim, nessa onda da inovação. Vamos aos gregos, igreja desbravadora com novos caminhos, mas a mesma Palavra.

Podemos alcançar muitas pessoas nas redes sociais, por exemplo, inclusive “países fechados” para o evangelho. Na missiologia, hoje em dia, não usamos mais essas expressão, “países fechados”, pois não existem países fechados, mas países de acesso criativo.  Tem pessoas alcançando muçulmanos através da internet. 

Na continuação do capítulo 10, vemos a igreja crescendo e recebendo ensinamentos. Em Antioquia, vemos que os discípulos foram chamados de cristãos pela primeira vez. Deus estava fazendo algo novo, fazendo dos gentios e Judeus um povo só, um corpo, o corpo de Cristo.

Mas também temos outro aspecto, dessa Igreja da Antioquia. Ela era uma igreja doadora, de coração aberto e generoso. e, apresentando-se um deles, chamado Ágabo, dava a entender, pelo Espírito, que estava para vir grande fome por todo o mundo, a qual sobreveio nos dias de Cláudio. Os discípulos, cada um conforme as suas posses, resolveram enviar socorro aos irmãos que moravam na Judéia” (Atos 11. 28–29).

Quantas vezes o Espírito Santo fala para darmos algo e, antes, vamos parar para analisar, e parando para analisar, a unção foi embora. Temos que ser rápidos, vamos pular, vamos fazer, vamos obedecer. Eu vejo a disponibilidade da igreja de Antioquia nesses versículos. Na hora que o Senhor falou, essa igreja doadora, com o coração cheio de bondade e generosidade, atendeu. 

Não vamos nos cansar de doar. Estamos semeando e Deus sempre tem uma colheita para nós. Não vamos parar, não vamos desistir, vamos continuar, aqui dentro da cidade, nas cidades da Paraíba e também em outros países. Somos uma Igreja doadora, que ora e semeia.

A igreja estava dando não somente finanças, mas também ministros. No capítulo 13 de Atos, vemos que aquela igreja estava levantando ministros para semeá-los. Separaram Barnabé e Saulo como pessoas chaves para o avanço em outros lugares. Isso não é algo tão confortável para a igreja, não queremos ver uma pessoa saindo, mas a igreja de Antioquia era doadora, não somente de finanças, mas também pessoas. A saída de Barnabé e Saulo não fechou a igreja, mas a fez crescer. É possível? Sim, porque a igreja não é centralizada em duas pessoas, é centralizada em apenas uma, Cristo Jesus.

Não vamos segurar as pessoas que nossa congregação precisa dar. Estamos semeando pessoas, perdendo não. Com essas sementes, nós vamos colher pessoas, muitas pessoas. Semeando pessoas com visão, nós vamos receber muitas pessoas com visões grandes.

Estamos prontos para dar? Não somente um ou dois, mas muita gente para começar novas obras, para abrir novos caminhos. Somos nós, isso faz parte da nossa identidade em Cristo. Cristo desbravador, Cristo doador, Igreja doadora e desbravadora.

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA