A unção para sermos testemunhas

Postado em
0

por Claudio Alexandre
(Pastor da Igreja Verbo da Vida em Campo Grande-RJ)

Só conhecimento te faz um conhecedor. Conhecimento associado ao Espírito te faz mais que vencedor. Fomos chamados para testemunhar, designados a viver como Jesus viveu sobre a terra e só há uma maneira de manifestar esse estilo de vida: usufruindo da mesma unção que Cristo que usou.

A unção é a capacitação para fazer algo. Basicamente, fomos habilitados por Deus através da Sua unção para um propósito, um fim proveitoso, ou seja, não fomos habilitados ou ungidos para, somente, percebê-la, manifestá-la de forma superficial, “engordar”, mas fomos capacitados a atuar no propósito de Deus. Essa unção nada mais é que o próprio Espírito de Deus habitando em nós, nos fazendo sua morada, sua casa. Por isso, temos a responsabilidade, como bons hospedeiros, de não entristecer nosso hóspede tratando-o sempre com zelo e cuidado, preservando um relacionamento profundo com Ele.

Por causa do Pecado o homem estava separado de Deus no seu espírito, e por conseguinte, o Espirito não poderia habitar dentro dele. Então, o Senhor, por causa de seu amor e misericórdia, para que o homem não se perdesse completamente, separa três classes de pessoas nas quais Ele liberaria a unção sobre. Reis, Sacerdotes e Profetas foram separados para algumas finalidades: O Rei era ungido para governar o povo de Deus, o Sacerdote era ungido para intermediar, levar à Deus as orações e sacrifícios de seu povo e o Profeta era o representante da Voz de Deus na terra. Davi foi o único homem que pôde experimentar esses três tipos de unção sobre, mas em suma, cada classe recebia a unção específica.

“Disse mais o SENHOR a Moisés: Tu, pois, toma das mais excelentes especiarias: de mirra fluida quinhentos siclos, de cinamomo odoroso a metade, a saber, duzentos e cinqüenta siclos, e de cálamo aromático duzentos e cinqüenta siclos, e de cássia quinhentos siclos, segundo o siclo do santuário, e de azeite de oliveira um him. Disto farás o óleo sagrado para a unção, o perfume composto segundo a arte do perfumista; este será o óleo sagrado da unção. Com ele ungirás a tenda da congregação, e a arca do Testemunho, e a mesa com todos os seus utensílios, e o candelabro com os seus utensílios, e o altar do incenso, e o altar do holocausto com todos os utensílios, e a bacia com o seu suporte. Assim consagrarás estas coisas, para que sejam santíssimas; tudo o que tocar nelas será santo. Também ungirás Arão e seus filhos e os consagrarás para que me oficiem como sacerdotes. Dirás aos filhos de Israel: Este me será o óleo sagrado da unção nas vossas gerações .Não se ungirá com ele o corpo do homem que não seja sacerdote, nem fareis outro semelhante, da mesma composição; é santo e será santo para vós outros.” (Êxodo 30.22-31)

“Não se ungirá com ele o corpo do homem que não seja sacerdote.” A unção não se falsifica, não se desperdiça. Não se unge qualquer um ou aquele que não deseja entrar no serviço da casa do Senhor. Há um propósito, um objetivo, para sermos ungidos. A unção é do Espírito e não da alma. Sabemos que como humanos temos hoje conhecimento científico para comover pessoas e levá-las ao campo dos sentidos, da comoção da alma, mas não haverá mudança se tudo ocorre somente no campo das emoções. Apenas com o selo do Espírito que fluirá a capacitação genuína para despedaçar todo jugo.

Em Êxodo 30.22, Deus diz a Moisés como seria a consagração daqueles que seriam separados para o serviço e também para a santificação dos objetos para o tabernáculo. Esse óleo descrito no texto era um símbolo. Um selo que permitia a unção do Espírito sobre eles. Hoje na nova aliança, você foi marcado pelo próprio Deus, sem a necessidade de um óleo natural. Entretanto, com a testificação do Senhor no seu interior. Aqueles que eram ungidos na Antiga Aliança precisavam de algo palpável para comprovar sua separação. Nós, no entanto, já somos a casa Deus, santificados e reconectados. Não há mais separação, uma vez que aquilo que nos separava não tem mais poder sobre nós!

O Espírito Santo é o agente da unção. Vamos analisar da seguinte forma: Deus é o criador, Jesus a Palavra e o Espírito é o realizador. Em Gênesis 1.2 a trindade está reunida para criar. Quando o Criador disse: haja luz e houve luz. Por que houve luz? O Espírito é o realizador que, quando encontra com a Palavra, manifesta o que o Criador mandou. Hoje, já temos esse agente realizador em nós, estamos sendo acrescentados e edificados na palavra e o criador já liberou o comando para a manifestação da sua vontade. Não podemos ter somente a palavra sem a ação do Espírito, a junção da Palavra, Jesus, com a unção, o Espírito Santo, fez a explosão de toda a criação. Eles caminham juntos!

No livro de I João 5.7 está escrito: “Pois há três que dão testemunho no céu: o Pai, a Palavra e o Espírito Santo; e estes três são um.”

A unção testifica com palavra. A trindade dá testemunho de sim mesma no céu. O testemunho que Eles dão nos norteia, pois no mundo você pode até ver muitas manifestações de poder, contudo, elas podem não estar carregadas de unção. Quantas pessoas você já viu que realizam prodígios, mas não estão em Cristo? Essas pessoas não foram ungidas por Deus, são homens que realizam obras para seu próprio proveito.

Davi vai descrever no Salmo 92.10: “Porém tu exaltas o meu poder como o do boi selvagem; derramas sobre mim o óleo fresco.” O salmista compreendia essa verdade e experimentou com veracidade a unção durante toda sua vida .

Em cristo, vemos o cumprimento do homem sendo completamente ungido, tanto a unção dentro quanto a unção sobre. Jesus era a promessa aguardada, Ele é a palavra encarnada que, encontrada com o Espírito, deu início a um novo estilo de vida. Agora eu e você fazemos parte do corpo de Cristo, somos parte do corpo do Ungido. Ninguém que encontrava Jesus saía de qualquer forma. Todos aqueles que se aproximavam de Cristo tiveram suas vidas alteradas. Então se você faz parte desse Corpo de Jesus, quem se aproximar não saíra da mesma forma por causa da unção que já foi depositada dentro de você !

No livro de Lucas, capítulo 4, Jesus abre o livro do profeta Isaías e identifica, dentro da sinagoga, qual a finalidade de sua vinda a terra. Ele veio como homem e foi ungido por Deus para execução da sua vontade;

“O Espírito do Senhor está sobre mim, pelo que me ungiu para evangelizar os pobres; enviou-me para proclamar libertação aos cativos e restauração da vista aos cegos, para pôr em liberdade os oprimidos, e apregoar o ano aceitável do Senhor. Tendo fechado o livro, devolveu-o ao assistente e sentou-se; e todos na sinagoga tinham os olhos fitos nele.“ (Lucas 4.18-20)

Assim somos nós, quando a palavra é a nossa identificação e a revelação do nosso propósito.

Pedro também vai testificar a respeito da unção de Jesus em Atos 10.38: “Como Deus ungiu a Jesus de Nazaré com o Espírito Santo e com poder, o qual andou por toda parte, fazendo o bem e curando a todos os oprimidos do diabo, porque Deus era com ele.”

A palavra poder no seu original grego é Dunamis que se traduz como: O poder para realizar milagres. Esse mesmo poder que estava em Cristo hoje está em nós! Somos o seu corpo e por isso, recebemos da mesma porção que Deus depositou em Jesus para um fim proveitoso. A unção do Espírito tem uma finalidade e assim como quem está doente evidencia os sintomas, ou quando fomos revestidos de poder evidenciamos o falar em línguas, a evidência da unção é a realização de milagres. Você foi chamado para dar testemunho dos feitos do Senhor através da comprovação da unção que está em você, andar como Ele andou sobre a terra, cheio do Espírito trazendo a prova, a realização da vontade do Senhor para os homens.

Entretanto, você pode questionar: Mas Jesus era Deus. Como eu posso andar nessa verdade? Nesse mesmo trecho de Atos 10.38 vemos que Jesus veio como o homem e foi ungido por Deus para as boas obras, Ele não veio como Deus e sim como um ser humano, mas capacitado pelo Espírito para evidenciar a vontade do Criador.

Em Filipenses 2.5 Paulo descreve que Jesus não teve por usurpação ser como Deus, contudo, se esvaziou de si mesmo e assumiu a forma humana. Ele não atuou como Deus, mas como homem ungido pelo Pai. No evangelho de João vemos também que o Cristo, com seus trinta anos de idade, foi até o rio Jordão para ser batizado por João Batista. Até ali a bíblia não relata nenhum milagre de Jesus. Por quê? Porque Jesus ainda não havia sido revestido de poder e é nesse episódio do seu batismo que João vê descendo do céu em forma corpórea o Espírito vindo sobre Jesus.

“E João testemunhou, dizendo: Vi o Espírito descer do céu como pomba e pousar sobre ele. Eu não o conhecia; aquele, porém, que me enviou a batizar com água me disse: Aquele sobre quem vires descer e pousar o Espírito, esse é o que batiza com o Espírito Santo.” (João 1.32-33)

Somente após o batismo passa andar nos sinais e atuar no seu propósito; “Com este, deu Jesus princípio a seus sinais em Caná da Galiléia; manifestou a sua glória, e os seus discípulos creram nele.” (João 2.11)

Da mesma forma, hoje Deus pode olhar pra nós e se alegrar pois Jesus conquistou um lugar de não mais escravos, separados, mas de filhos amados no qual o Pai tem prazer!

“Logo ao sair da água, viu os céus rasgarem-se e o Espírito descendo como pomba sobre ele. Então, foi ouvida uma voz dos céus: Tu és o meu Filho amado, em ti me comprazo” (Marcos 1.10-11). O Espírito de Deus veio como uma pomba e desceu sobre Cristo ungindo-O para algo.  Sendo assim, vamos distinguir duas coisas:

Temos o Espírito dentro; a evidência do novo nascimento, a testificação de que somos filhos de Deus, para o ensino da verdade, para relacionamento com Deus, para sermos guiados em toda a verdade. (João 16.13, João 2.20-27, 2 Coríntios 1.22).

Temos o Espírito Sobre (Unção); Para a edificação da igreja, para serviço, para manifestação do propósito de Deus, para o outro, para testemunhar Cristo. (Zacarias 4.6)
Jesus operou milagres com a unção do Espírito, mas nos deixou algumas instruções:

“Em verdade, em verdade vos digo que aquele que crê em mim fará também as obras que eu faço e outras maiores fará, porque eu vou para junto do Pai.” (João 14.12)

Chegou o tempo de atuarmos nas mesmas obras que Ele fez. Cristo cumpriu seu propósito e nos ensinou a perpetuarmos seu evangelho através do testemunho. Ele de si mesmo não realizou nada, mas foi capacitado pelo Pai para revelar o Poder de Deus. “Não crês que eu estou no Pai e que o Pai está em mim? As palavras que eu vos digo não as digo por mim mesmo; mas o Pai, que permanece em mim, faz as suas obras.” (João 14.10)

Em Marcos 5.30, Jesus transmitiu a unção que estava sobre si para cura de uma mulher que estava com fluxo de sangue, vemos a mesma palavra Dunamis nesse texto mostrando que saíra de Jesus um poder capaz de mudar a vida, uma realidade, uma natureza.

Assim como em Atos 1.8 Cristo declara que o poder, Dunamis, desceria sobre os discípulos e os fariam suas testemunhas, nós, hoje, fomos ungidos pelo mesmo Dunamis para testemunhar e revelar a vontade de Deus.

Maria também, em meio a tantas impossibilidades, foi envolvida pela unção do Senhor para gerar o Filho de Deus. Ela foi agraciada pelo Criador para trazer à terra a solução, a restauração.

Você foi chamado para isso! Andar em Dunamis sobre a terra, solucionar problemas, não se deixar abater pelas circunstâncias, mas transformá-las pelo poder de Deus. A cada um de nós foi dada uma porção da unção do Cristo. Unção essa que era sem medida, contudo recebemos parte dela. Mas quando cada um, se une na sua parte, podemos desfrutar da unção coletiva, da plenitude de Cristo e como brasas vivas nos reunirmos para provocar um fogaréu, incendiando aonde quer que andemos.

“A graça foi concedida a cada um de nós segundo a proporção do dom de Cristo. Por isso, diz: Quando ele subiu às alturas, levou cativo o cativeiro e concedeu dons aos homens.” (Efésios 4.7-8)

Uma porção Dele foi repartida, o dom de Cristo foi compartilhado conosco, assim como ele fez multiplicar cinco pães e dois peixes e mais de cinco mil homens foram alimentados não pense que com relação aos dons seria diferente! Ele repartiu de forma que quem estiver necessitado a unção virá sobre e capacitará para mudar a realidade das pessoas!

Seja um contagiador do poder de Deus! Seja aquele que transborda da unção como um rio que flui sem reservas para espalhar e compartilhar ao que necessita do Dunamis que Veio sobre você!

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA