“Chamado missionário” em pauta com Tanner Gregurich e Joshua Egts

Postado em
0

Em visita pelo Brasil, os jovens missionários Tanner Gregurich e Joshua Egts concederam uma entrevista exclusiva para a equipe do nosso portal.
Confira abaixo:

Gostaríamos que falasse um pouco sobre vocês e sobre o chamado missionário  em suas vidas.

Tanner: Eu nasci em Connecticut, nós somos primos. Nossos pais decidiram ir para o Rhema desde quando éramos muito novos, quando tínhamos 4 anos de idade, então fomos para o Rhema em Tulsa, desde então estamos envolvidos com o ministério.  Dois anos depois, que chegamos no Rhema, meu pai foi convidado para participar da equipe ministerial de lá, então desde de pequenos estamos dentro do ministério.

Nós dois crescemos com nossos pais estando no ministério toda a vida, crescemos na igreja mas tivemos que descobrir o chamado de Deus e o relacionamento com Ele. Houve um tempo em que não tinha mais como ter relacionamento com Deus, por causa dos nossos pais, e tivemos que descobrir por nós mesmos.

Joshua: Eu e meus pais vivemos por todo os Estados Unidos, por uns cinco ou seis estados diferentes. Portanto, eu não consigo mais ficar em um lugar só, então eu acho que esse é um dos motivos pelos quais eu gosto de ser um missionário. Então a gente ama ir para lugares diferentes, países diferentes, mostrando o amor de Deus para as pessoas nos lugares que a gente vai. Mas antes de ir para qualquer lugar, sempre comece com a decisão de dizer sim para o que Deus tem para você. Então todos os lugares que a gente foi, a gente começou dizendo sim. Logo, quando você diz sim, você vai para lugares mais longes ainda, onde você nunca imaginou, mas que Deus te chamou para estar, e é bom saber que nós estamos aqui não por causa dos nossos pais, mas por que Deus nos chamou para estar aqui. Então não importa qual seja a sua história, Deus pode te levar para lugares mais longes do que você imaginou.

Para além de suas atividades, como missionários, vocês trabalham em outras áreas? Como é possível conciliar tudo e lidar com equilíbrio com ambas atividades?

Tanner: Eu tenho vários trabalhos, enquanto eu trabalho no natural – e é importante saber que esse não é o meu objetivo de vida – eu uso esses trabalhos para que eu possa conseguir atingir meus propósitos. Eles me ajudam a financiar o ministério, mas também me ensinam como interagir com pessoas. Eu trabalho em uma empresa e entendo como a companhia funciona, eu aprendo sobre administração, sobre o pagamento que a gente tem que fazer, eu tenho que trabalhar com contas diferentes e é importante saber disso porque no ministério tem trabalho, então, enquanto eu trabalho com isso me serve de aprendizado. Mas existe equilíbrio entre eles. Eu sei que Deus me deu, especificamente, esses trabalhos que eu faço agora, e me deu favor com eles. Muitas pessoas da minha idade tem trabalhos onde trabalham todos os dias da semana, não fazem muito dinheiro e quase não têm folga. Meus trabalhos são muito flexíveis, me dão a oportunidade de fazer o ministério e eles me ajudam. Deus me deu favor nisso.

Joshua: Quando eu fui pro Rhema, eu só tinha 20 anos de idade, então nos primeiros três anos eu cuidava do som da escola de oração. E um dia, quando eu estava trabalhando nele, me imaginei cantando na banda, algo que eu não queria fazer. Então eu tive um pequeno problema com Deus, em relação a isso, cansei de discutir sobre o assunto e decidi fazer. E exatamente no outro dia que tomei essa decisão o líder da banda ligou para mim, e ele me chamou para participar dela. Então, durante dois anos, eu participei da banda e  descobri que você não precisa ser um pregador para ser um ministro. Se você toca em uma banda ou canta, você tem a habilidade de distribuir essa unção com as pessoas que estão na sala. As pessoas são libertadas somente pela forma de cantar, então como membro do grupo de louvor eu descobri que o que fazemos é mais do que cantar música, é ministrar as pessoas. Ao mesmo tempo, também, eu estava trabalhando no Centro de Cura dos Estados Unidos, o único para todo o país.  E muitas pessoas que o procuram é porque os médicos falaram que não tem mais esperança para eles, não importa a sua idade se você conhece Jesus, você tem a resposta. Quando os médicos não têm a resposta você tem, então eu nunca deixei que a minha idade fosse um empecilho para que eu ministrasse cura para alguém. Muitos dos ministros do centro de cura são duas vezes a minha idade, mas eu nunca deixei que isso me intimidasse, por que eu tenho o mesmo espírito que ele tem, o mesmo espírito que Jesus tem então a gente viu pessoas curadas várias vezes. Não é  porque eu tenho uma idade ou uma quantidade de experiências, mas porque eu carrego o espírito de Deus dentro de mim.

Vocês costumam viajar juntos? Quando iniciaram as missões e por onde já passaram?

Josh: A gente já esteve em vários países e o primeiro país que estivemos juntos foi na Tailândia. A primeira vez que a gente foi eu tinha 20 anos e Tanner tinha 16 anos.  Nunca é tão cedo para você começar suas experiências missionárias. Juntos nós fomos para Guatemala, duas vezes já. A gente foi para o Quênia e fomos para lugares diferentes também. Tanner já foi ao Peru, na Zâmbia, onde passou seis semanas. Eu fui para Romênia, para o Peru, nós já fomos a muitos lugares. Fomos, recentemente, na igreja do pastor Wallysson, aqui em Campina Grande, e é bom ver que ele vai levar um grupo, ao Peru, para missões. A gente viu muitos sinais e maravilhas, enquanto estávamos lá, e sabemos que vai acontecer o mesmo com eles.

Vocês falaram que viram muitos sinais e maravilhas quando estiveram no Peru. Podem relatar mais como foi isso?

Josh:  A gente estava fazendo evangelismo no mercado e começamos a perguntar as pessoas se elas tinham dor no corpo. Muitas delas tinham dor nas costas, muitas vezes por que as pessoas tem dor nas costas é por que elas tem uma perna mais curta que a outra, e nesse mercado a gente pediu para uma senhora se sentar e a gente mediu as pernas dela, e a gente crê em Marcos 16  que diz “os crentes colocam as mãos nos enfermos eles ficam curados”, então colocamos as mãos nas pernas delas e disse para que ela crescesse no nome de Jesus e a perna que era mais curta se tornou do mesmo tamanho da outra.  O que foi legal é que vimos muitas pessoas sendo curadas, dessa forma, e que foram para casa chamar os amigos e familiares que precisavam de cura também. Por esta razão, nós ficamos no mesmo lugar por 6h, não precisamos sair procurar por pessoas, elas eram trazidas até nós.

Dessa forma, enquanto a gente orava pelas pessoas, víamos tumor desaparecendo, pessoas que tinham problema no pulmão conseguindo respirar novamente, vimos os braços das pessoas se tornando retos. E a multidão ficou tão grande ao nosso redor que a polícia teve que chegar para ver o que estava acontecendo, a gente estava bloqueando as avenidas e eles estavam querendo separar a gente. Mas, quando a policia chegou, eles viram a perna crescendo e essa mulher estava sendo curada de dor nas costas, então ao invés de apartar a multidão eles começaram a parar o trânsito e  perguntar as pessoas, nos carros e nas vans, se eles precisavam de cura, ou se tinham alguém na família sentindo dor, porque eles conheciam alguém que conhecia Jesus. E quando a polícia chegou para apartar o que a gente estava fazendo, acabou nos ajudando. O que aconteceu naquele mercado não é porque a gente tinha algo especial, é porque a gente é crente, e os crentes imporão as mãos sobre os enfermos e os enfermos serão curados todas às vezes, então o que aconteceu naquele lugar está disponível para todos nós.

Poderiam dar dicas sobre missões urbanas?

Uma dica que podemos dar é que quando você estiver se aproximando de alguém, vá com a motivação de amá-lo, não para que eles digam a oração de salvação, mas para relevar a bondade de Deus e confiar que a Sua bondade vai guiá-los ao arrependimento. Logo, ao invés de chegar em alguém dizendo que se ele morrer, hoje, ele vai para o inferno é melhor você revelar a bondade divina dizendo que Deus o ama. Diga para essa pessoa que Ele o escolheu antes da fundação do mundo, que Ele o formou no ventre da mãe dele, que viu cada um dos seus erros e ainda assim Ele escolheu cria-lo. Diga que Deus o enviou aqui só para alcançá-lo,  para ele saber que Deus o ama. Outra dica é perguntar se a pessoa tem alguma coisa que queira oração, revele a bondade de Deus para ela, dê a ela a oportunidade de aceitar a Jesus, não só para que consiga ir para o céu um dia, mas para que Jesus possa vir e viver com ela, agora mesmo, e ela possa experimentar Jesus todos os dias.

Como está sendo a experiência no Brasil?

Josh:  A experiência aqui no Brasil está sendo maravilhosa, nós amamos o Brasil é como se a gente estivesse em casa. Nós fomos em algumas cidades diferentes, tivemos um tempo maravilhoso em Aracajú, a gente amou João Pessoa e foi maravilhoso o tempo que tivemos em Campina Grande. Apesar de estarmos muito ocupados, tem sido muito frutífero, a gente tem visto muitas pessoas sendo curadas, libertas, tem sido maravilhoso.
Nós gostamos muito de trabalhar com jovens, na verdade, com qualquer idade e uma coisa que eu noto é que tem muitas pessoas no Brasil que foram chamadas para as nações. Por isso, nós gostamos de falar e encorajá-las a fazerem a vontade de Deus, pois não existem obstáculos que possam impedir aquilo que Deus os chamou para fazer. Uma coisa dos brasileiros que a gente gosta é que eles sabem brincar um com o outro, a gente já ouviu brincadeira entre o pessoal e a gente gosta muito, principalmente nosso amigo Rafael do Centro de Cura, ele recebe muitas brincadeiras e ainda assim sorri, gostamos disso.

O que os missionários devem levar em consideração , sobre seu chamado, no que tange a sua identidade e como ela pode se conectar com o trabalho que pretendem realizar?

Tanner: Quando eles têm um chamado eles têm que saber, mas todo mundo tem que saber sobre a identidade, todo mundo foi chamado, mas têm pessoas que foram chamadas para coisas especificas. Então quando você for chamado, você tem que saber quem você é, e parte do que Deus tem ministrado a mim é que é para todo mundo. Eu tinha problemas com minha identidade, cresci jogando basquete  e eu sempre achei minha identidade nisso, achei que isso era quem eu era. E se eu tivesse um jogo ruim, ficava muito triste, destruído, mas quando tinha um jogo bom, eu ficava muito feliz. A minha identidade sempre estava para cima e para baixo. Se as pessoas me diziam “bom trabalho”, eu ficava feliz, mas se meu treinador falasse coisas ruins, pessoas falassem coisas ruins eu não ficava bem e isso se tornou um ciclo ruim, ao ponto que fiquei muito depressivo. Tudo isso aconteceu porque eu não sabia minha identidade, mas quando eu descobri que eu podia ter minha identidade em Cristo isso nunca mudaria, não importava se eu jogava bem ou se eu jogava mal, eu ainda era filho dEle sempre, para sempre. Não importava o que a vida parecesse. Assim que eu estabeleci minha identidade, fui capaz de entrar no meu chamado, como filho dEle, capaz de fazer o que ele tinha para mim. A descoberta da identidade é uma verdade para todo mundo, especialmente para o jovem, é importante saber quem você é, sua identidade está estabelecida em Deus. Não não importa o que aconteça na sua vida! Não importa se você está indo bem no trabalho, não importa no que você está indo bem, em qualquer coisa que seja, sua identidade nunca vai mudar , sempre é sua identidade em Cristo, então eu acredito que isso é uma das coisas mais importantes  que a gente pode saber, saber quem nós somos em Cristo, porque isso nunca vai ser tirado de nós.

Josh:  Para o jovem é importante saber, que não importa de qual família você veio, para qual universidade você vai, quanto dinheiro você tem, as conexões que você tem, é sobre conhecer a Deus e os sonhos e visões que eles tem lhe dado. É importante saber que eles vão acontecer, mesmo se você não conseguir descobrir agora, você vai saber como é,  Deus está com você, você não tem que buscar a atenção dEle, Ele já lhe deu atenção e a mente dEle sempre está pensando coisas boas sobre você e isso vai  mantê-lo longe de querer chamar a atenção. Não importa se todo mundo no Brasil sabe seu nome, Deus sabe quem você é, e Ele vai te enviar para o destino que ele tem para você, não há nada que possa impedir o chamado que Ele tem para você. Deus de todo universo, com todo seu poder, com toda sua habilidade, vive dentro de você e você vai cumprir o chamado de Deus para sua vida.

 

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA