Os índios estão sendo impactados com a Palavra de Deus

Postado em
0

Elaine Moraes, missionária em Tribos Indígenas, enviou relatos sobre duas viagens que realizou narrando as transformações que as Boas Novas de paz estão causando na vida dos índios. Confira abaixo:

Graça e paz queridos irmãos, sou grata a Deus pela vida de cada um de vocês que têm me ajudado de diversas formas a seguir a carreira que me foi proposta.

O mês de novembro foi muito bom, graças a Deus consegui fazer duas viagens que me acrescentaram muito ministerialmente, onde meu coração tem se alegrado com as bênçãos de meu querido e amado Deus.

PRIMEIRA VIAGEM

Na primeira viagem, pude retornar à aldeia dos índios Kanelas para estreitar os laços de amizades já feitos, levar as encomendas e presentes para minha família indígena e para a comunidade, como eles chamam. Tive minha primeira experiência de ensinar um índio a manusear e estudar a Palavra de Deus: ficamos horas com uma Bíblia de estudo (na versão NVI), que foi um presente para o índio Zequinha juntamente com um dicionário. Pude ver a sede dele em aprender e saber o que Deus nos deixou como herança, a Sua Palavra. Foi para mim um momento muito precioso, não sei expressar com palavras o que senti naquelas horas de estudo. Este índio nasceu, cresceu e mora nesta aldeia, ele é fruto de um missionário que passou por lá há alguns anos e agora já não está mais entre eles, mas deixou um rico trabalho, pois ele ensinou os índios a ler e escrever em português e também em seu dialeto Kanela. Mais uma índia está frequentando a casa de Zequinha para conhecer mais sobre a Palavra de Deus. Também são feitos estudos com as crianças sobre a Palavra de Deus, Zequinha acredita que sua aldeia será alcançada através destas ações, estou ajudando e orando por este lindo trabalho, vocês que estão lendo este relato, por favor, se comprometam a orar por esta aldeia. Creio que estaremos juntos por algum tempo estabelecendo e firmando a Palavra no coração desse índio e de sua família já convertida. A aldeia tem 900 índios, e somente essa família é convertida ao Senhor Jesus.

Outra parte importante da viagem foi o presente que levei para a comunidade. O cacique da aldeia tinha me solicitado na visita anterior que levasse um boi para a comunidade, já que agora a aldeia tinha me aceito como parte da família Kanela. A fauna e a flora desta região estão muito escassas e as caças já não são tão fáceis, sendo assim, carne para eles se tornou algo muito precioso, então quando receberam o boi de presente, a aldeia se alegrou e houve paz e alegria entre eles. Para os indígenas, ter carne para comer e ser suprido em sua alimentação é algo muito importante, significa abundância, riqueza, alegria e prosperidade.

Muitos perguntam o que mais eu como quando vou para aldeias. Algumas famílias plantam em suas roças, que ficam a quilômetros de distância da aldeia, porque a terra no lugar não é boa. Suas plantações são de arroz, feijão, milho, mandioca, melancia, fava, cada alimento em seu tempo, e as famílias que se preparam têm comida para o ano todo. Quero dizer com isso que nem todas as famílias têm roça, e muitas delas passam fome e sobrevivem somente da caça e de doações da FUNAI. Fui visitar a roça de Zequinha, trouxemos de lá 5 sacos de milho e um de mandioca.

Fizemos cultos em todas as manhãs e pudemos aprender alguns louvores em dialeto Kanela (orem por mim, pois tenho apresentado dificuldades em aprendê-lo).

“Cada viagem um desafio, um propósito, muitas bênçãos.”

SEGUNDA VIAGEM

Na segunda viagem, vivenciei uma experiência diferente, em outro país, portas se abriram para que eu fosse de encontro agora com índios do Paraguai. Nesta viagem fui espiar a terra e saber o que Deus tem me confiado com este povo. A situação no Paraguai entre os indígenas e o governo de lá não está das melhores. Os índios estão reivindicando suas terras, pois onde eles estão, a cada dia, a caça, a pesca e a flora têm sido devastadas, e o contato com a urbanização tem afetado a cultura indígena, e isto se tornou um problema, tanto estatal como para os próprios indígenas. Houve um movimento em praça pública enquanto estávamos visitando o país, em que os índios estavam acampados em frente a um órgão público.

Durante os dias que estive no Paraguai pude ajudar a primeira Nova Obra Verbo da Vida do país, em Assunción, que está sobre a responsabilidade do Pr. Eliezer Rodrigues, e pastoreada por Alexander Konig, que foi quem me convidou para estar lá com eles. Mulheres foram salvas, curadas e restauradas diante da Palavra da Fé, pude ver o poder de Deus fazendo um “arrastão” por onde passávamos.

Irmãos, nós temos o que muitos não têm. É muito fácil amar e distribuir o que não é nosso, temos que colocar em prática, levar as Boas Novas aos perdidos.  Abriu-se uma porta para conhecer a aldeia dos índios Maca, que numa próxima ida estarei visitando e levando o Evangelho para este povo.

PEDIDOS DE ORAÇÃO:

Peço que orem pelas aldeias que visitei, para que Deus mantenha as portas abertas para o Evangelho; Peço que orem pelo missionário índio Zequinha e sua família, que são importantes para a propagação do Evangelho na aldeia Kanela; Peço também que orem para que Deus nos dê sabedoria para planejarmos os próximos passos do ano de 2012. Queremos aproveitar o máximo de cada oportunidade.

Agradeço mais uma vez pela vida de cada um que tem contribuído da melhor forma neste ministério e que Deus faça abundar as Suas bênçãos sobre vocês.


No amor do nosso Pai,
Elaine Moraes.

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA