Respeito é bom e eu gosto

0
1517

Arthur Filgueira
Jovem da IEVV Sede em Campina Grande-PB

“Respeito é bom e eu gosto”.

Quem nunca escutou essa frase de alguém?

Eu, assim como muitos, sou jovem. Tenho 20 anos, sou universitário e passo por problemas diários. Gosto de sair, ver os amigos, ir à igreja, enfim, sou um jovem que gosta demais de se divertir e chegar um pouco tarde em casa. Mas, meus pais odeiam essa parte do “chegar tarde em casa”.

É extremamente ruim ver todos os seus amigos saindo após o culto e nem sempre ir junto. Enquanto todos eles estão lá tomando um açaí, comendo uma pizza, eu tento me contentar com um mero seriado em um sábado à noite. Há um tempo, cheguei até a pensar como seria minha vida se eu tivesse nascido em outra família, tivesse outros pais, outra irmã. Ao fim, não encontrei resposta alguma.

O tempo foi passando e fui convidado a ir para um aniversário. Eu sabia que iria chegar tarde, porém não quis ir sozinho no carro. Pensando antecipadamente em não preocupar meu pai quanto a minha volta para casa, pedi que ele fosse me deixar e, na volta, eu decidiria alguma coisa. Game over! Fui proibido de sair de casa aos 20 anos de idade.

Depois deste “triste” acontecimento, jogando conversa fora com algumas outras pessoas (minha mãe estava presente), percebi que minha pergunta sem resposta havia sido respondida. Assim como meus pais, os outros tratavam os filhos meio que da mesma forma. Não gostavam que seus filhos chegassem tarde em casa, enfim,exatamente isso! O problema é que eu queria ter a vida que os meus amigos tinham e não viver a minha responsabilidade como filho, que é de, no mínimo, respeitar o horário estipulado pelos meus pais de chegar em casa depois do culto dos jovens.

Eu já tinha um pouco dessa consciência, mas eu queria me envolver com a galera, conversar, ficar mais próximo e tal… Porém, eu estava indo meio que de encontro às regras. Mesmo tendo 20 anos de idade.

Percebi, de fato, que respeitar o horário me traria grandes benefícios. Não só porque estaria obedecendo uma ordem, mas, porque eu estaria sim reconhecendo a autoridade dos meus pais sobre mim. Hoje, meus pais sabem aonde eu vou estar se eu sair. Se do lugar que eu estiver, eu for para o shopping, eu ligo avisando.

Não importa se vão me chamar de criança. O que importa é que eu vou envolver meu pai e minha mãe em tudo que eu fizer. Sei que um dia, vou sair do convívio deles, vou formar minha própria família e não precisarei mais fazer isso. Mas, não ficarei, de forma alguma, arrependido de ter feito tudo isso, de ter renunciado estar com os meus amigos para estar simplesmente dormindo em pleno sábado à noite.

Desafio você a fazer a parte que lhe cabe! Se seus pais não ditam ordens com relação aos horários, tudo bem. Devem existir outras regras em sua casa. Mas, se esse for o seu caso, honre! Não se compare com os seus amigos. Viva a sua vida, agrade a Deus e honre seus pais! Eu não posso garantir nada por isso, mas o próprio Deus garante vida longa através da Sua palavra, como está escrito em Efésios 6.1-3:

Filhos, obedeçam a seus pais no Senhor, pois isso é justo. Honra teu pai e tua mãe,  este é o primeiro mandamento com promessa, para que tudo de corra bem e tenhas longa vida sobre a Terra”.


SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA