ENTREVISTA: Tony Cooke falou sobre seu novo livro pela Editora Rhema

Postado em
0

O mestre Tony Cooke é autor de diversos clássicos da literatura cristã. Ele exerce o seu ministério há mais de 40 anos e vem registrando o conhecimento que adquiriu ao longo dessa jornada em seus escritos. Entre os seus ensinamentos mais preciosos estão as instruções sobre como ser um bom líder. O mais novo lançamento do Reverendo Tony, pela Editora Rhema Brasil Publicações, é justamente sobre esse assunto. Em busca de Paulo fala sobre esse apóstolo inspirador, entre outros líderes, que foram exemplares ao longo da história da Igreja.

Quem já leu Em busca de Timóteo, um dos seus livros mais vendidos, já conhece bem as características de um servo fiel e cheio de potencial para a sua igreja. Agora, poderá conferir um verdadeiro manual para ministros que desejam se desenvolver na liderança e avançar no propósito divino. Conversamos sobre o livro Em busca de Paulo com o autor. Confira a seguir:

PORTAL – O que aqueles que leram Em Busca de Timóteo podem esperar de Em Busca de Paulo?

TONY – Há diferenças entre os dois livros, mas creio que o que eles têm em comum é que ambos encorajam fortemente a maturidade espiritual e a eficácia ministerial. “Em busca de Timóteo” foca nos atributos do serviço que permitem uma pessoa servir efetivamente ao seu pastor e ser um melhor membro em uma equipe. “Em busca de Paulo” foca nas percepções e instruções dadas por Paulo e por outros grandes líderes, através da história da Igreja, para aqueles a quem estavam orientando. Neste sentido, é mais amplo, pois esses lideres espirituais treinaram seus estudantes em muitas outras áreas além de simplesmente serem bons servos. ‘Em busca de Paulo’ auxilia aos leitores a se tornarem líderes mais sólidos. Nele, discutimos sobre liderança, tenacidade, oração, firmeza nas verdades, ministração da Palavra, evangelismo e ministério sobrenatural. 

PORTAL – A necessidade de qualificação ministerial e a percepção de algumas dificuldades nos relacionamentos na Igreja fizeram com que o senhor escrevesse Em Busca de Timóteo e o livro Qualificados. Qual foi a inspiração para essa nova obra?

TONY – Ao longo dos anos, eu observei que até mesmo líderes mais experientes buscam por sabedoria e orientação daqueles que estiveram ali antes deles. Alguns têm acesso à mentoria com  líderes que possuem muitos anos de experiência, mas, frequentemente, ministros experientes são tão ocupados com seus próprios ministérios, que eles não têm tempo ou meios para realmente investir em jovens líderes.

Ao pesquisar sobre grandes líderes dos séculos anteriores – indivíduos que estão no céu há muito tempo – descobri que muitos deles deixaram diversos tesouros de sabedoria nas mensagens que compartilharam com os jovens ministros que treinaram. Eu queria compilar algumas das melhores lições que esses líderes legendários compartilharam com seus estudantes, e é isso que eu espero que este livro represente. Nós devemos aprender de Martinho Lutero, John Wesley, Charles Spurgeon e muitos outros que ensinaram aqueles que estavam ajudando a desenvolver para o ministério.

PORTAL – Depois de anos de ministério, atualmente seria mais fácil para o senhor identificar um Paulo ou um Timóteo nas igrejas?

TONY – Paulo e Timóteo, simplesmente, representam líderes e seus ajudantes. Neste sentido, eu penso que nós temos ambos nas igrejas. A questão é o quanto desenvolvidos eles estão, em suas habilidades de liderança e serviço. Sempre que servi, poderia ser um servo melhor. Sempre que liderei, eu poderia ser um líder melhor. Até mesmo Paulo disse que ainda não tinha chegado ou atingido a perfeição. Se ele podia crescer, então, certamente, você e eu podemos crescer também.

PORTAL – Quais as características de liderança que podemos encontrar em Timóteo e que são fruto dele ser inspirado por Paulo? 

TONY – Timóteo estava em uma posição única, pois, às vezes, ele operava em um papel de subordinado. Ele estava recebendo instruções de Paulo e executando como havia sido instruído. Em outros momentos, Timóteo estava em um papel de liderança. Paulo o deixou como encarregado em muitos lugares, a exemplo de Éfeso, onde ele teve que liderar aquelas igrejas dentro da mesma visão e de acordo com os mesmos valores que aprendeu com Paulo.

Isso pode não ter sido fácil para Timóteo, pois ele não tinha necessariamente a mesma personalidade que Paulo, ou não tinha necessariamente os mesmos dons espirituais que ele tinha. Paulo reconheceu isso; porém, afirmou que Timóteo tinha a mesma opinião que ele (Filipenses 2.20). Por associação, Timóteo pegou o coração, atitudes e valores de Paulo. Como resultado, ele era capaz de representar Paulo de forma eficaz e ministrar bem.

PORTAL – Em quanto tempo você escreveu o livro Em Busca de Paulo? Nos conte uma curiosidade do processo de escrita:

TONY – Essa é uma boa pergunta. De certa forma, eu quero dizer que levou 42 anos para escrever, porque capturei as lições que aprendi e experiências que tive durante todo o curso do meu ministério. Em termos de pesquisa e escrita, eu acho que eu investi entre 8 ou 9 meses para produzir “Em busca de Paulo”.

PORTAL – Qual o desafio encontrado ao fim de cada capítulo?

TONY – No final de cada capitulo, há ‘perguntas de verificação’. Essas questões encorajam os leitores a refletirem no que eles acabaram de ler e fazerem um inventário pessoal, em termos de quanto esses princípios estão em ação em suas vidas. Sempre há o perigo de ser um ouvinte da Palavra sem realmente praticar ou aplicar a Palavra em nossas vidas. Nós sempre devemos ler para a transformação, e não somente para a informação, então é por isso que nós queremos que os leitores façam esse tipo de pergunta a si mesmos, referente ao que acabaram de ler.

PORTAL – O livro traz um apêndice com textos de vários nomes de relevância da Igreja do último século. O que esses homens têm em comum?

TONY – Os nomes no apêndice representam muitos grandes líderes espirituais através da historia da Igreja. Estes são os que eu citei no livro. Eu creio que são cerca de 50 líderes. O que eles têm em comum é que eles serviram a Deus de todo o coração e deixaram um legado para que nós possamos aprender. Alguns desses, citei extensivamente e outros só algumas vezes. Estes são homens e mulheres de Deus e de quem podemos aprender muito!

PORTAL – Quais cuidados devemos ter em relação à proximidade com nossa liderança?

TONY – Talvez, o maior problema seja a familiaridade excessiva. Nenhum líder é perfeito. É fácil olhar para as imperfeições e falhas dos outros, bem como não ser mais capaz de respeitar a sua liderança. Isso não é uma realidade somente nos líderes que conhecemos pessoalmente, mas também naqueles os quais estudamos a sua história.

Se você estudar vários líderes, poderá encontrar coisas erradas que eles falaram ou grandes erros que eles cometeram. Por exemplo, se você estudar Pedro, você irá encontrar o que Jesus disse para ele, certa vez: “Arreda, Satanás”. Em outra ocasião, Pedro pegou uma espada e cortou a orelha de um homem. Então, eu vou rejeitar Pedro como exemplo e me recusar a aprender de suas duas epístolas por causa disso? Não! Nós não ignoramos seus erros ou seu comportamento pecaminoso, mas reconhecemos que somente uma pessoa viveu uma vida perfeita e sem pecado.

PORTAL – Influência e exemplo são os maiores poderes de um líder?

TONY – Eu acredito que sim. Alguns ministros podem ministrar grandes palavras, mas se seus exemplos pessoais se desviam significativamente do que eles dizem, isso mina a sua credibilidade e as pessoas perdem a confiança nele. Eu creio que confiança é essencial na liderança. Isso não quer dizer que todos os lideres devem ser perfeitos. Somente Jesus era perfeito. No entanto, se perdemos isso em nossas vidas ou liderança, é necessário arrependimento. Arrependimento significa descontinuar o que era errado e praticarmos o que é certo.

PORTAL – Como liberar o poder que há em nossos mentores? 

TONY – Em meu livro, especificamente, apresento líderes (ou mentores) do passado. Apresento aqueles que já correram a carreira e agora estão no céu. Nós podemos ter alguns benefícios ao, simplesmente, lermos alguns destaques sobre suas vidas ou ouvir algumas de suas famosas citações. Podemos receber muito mais se nós realmente tirarmos um tempo para estudar suas vidas e entender seu passado, como era a sua jornada espiritual e quais eram as circunstâncias na qual eles viviam.

Por exemplo, D. L. Moody foi um dos grandes evangelistas na América. Se nós cavarmos fundo o suficiente, entenderemos que ele era, em grande parte, ignorante, e vamos admirar ainda mais as suas realizações. Como um dos principais ministros no país, ele estava ciente das suas deficiências e tirou vantagem de seus momentos de comunhão com outros ministros. Sempre procurou aprender com eles. Mesmo que suas realizações fossem maiores do que as deles, sua atitude de sempre querer aprender, expressou a sua humildade e sua fome espiritual. Muitos dos grandes ministros de todos os tempos, tiveram que superar desafios significativos em suas vidas e, se nós entendêssemos seu passado, sugaríamos muito mais deles. 

ADQUIRA JÁ O SEU “EM BUSCA DE PAULO” NO VERBOSHOP!

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA