Dia do Gaúcho foi comemorado no Verbo em Caxias do Sul (RS) com festa

Postado em
0

Uma prosa com o “Patrão do Céu”.  Assim foi comemorado o Dia do Gaúcho pelos irmãos da Igreja Verbo da Vida em Caxias do Sul (RS). As comemorações ocorreram no feriado estadual que marca a data. Por esta razão, os irmãos se “aquerenciaram” para juntos celebrarem suas origens e agradeceram a oportunidade de usufruir de uma terra fértil, conquistada com bravura pelas gerações anteriores cujo sangue continua a correr nas veias de todos os gaúchos.

O evento teve abertura com o imponente hino rio-grandense entoado por membros da igreja orgulhosamente montados a cavalo,  que retornavam de uma cavalgada, na qual o líder foi o próprio pastor presidente da igreja.
 
Ao final da cavalgada, os membros foram recepcionados pela ministra Iracema Pinto da Silva, que, trajando vestes típicas de prenda, ilustrou a força, a garra e a beleza da mulher gaúcha, entoando em versos, o Salmo 23, devidamente adaptado como se houvesse sido escrito por um salmista gaúcho:
 

“O Senhor é meu pastor e a minha fartura vai ser das graúda. Ele me manda deitar nos pastos verdes da campanha, em direção das sangas de água clarinhas, clarinhas. Ele refresca a minha alma e me leva pelas estradas da justiça. Mesmo que eu peleasse num entrevero, arriscando o meu pelego, eu não me mixaria, não, porque Ele está comigo, tchê! O seu relho e o seu chicote me protegem. Me prepara um churrasco pra dar água na boca dos meus inimigos! É claro que o seu amor andará a trote comigo, me seguindo, e eu estarei pousando nas campanha do Senhor para sempre: ”Após, celebraram a Deus dançando músicas típicas gaúchas,  que são sempre dançadas aos pares, e baseiam-se no cortejo respeitoso do homem para a mulher, como também se agrada o patrão do céu!”

Um canto improvisado deu o tom ao momento de celebração, enquanto os irmãos sorviam chimarrão, servido e oferecido pela própria igreja a todos que trouxessem sua cuia. Mas como o maior homenageado de todos os dias deveria ser reverenciado também através da Sua Palavra, o culto, propriamente dito, foi ministrado pelo pastor presidente Sílvio Demarchi que, pilchado, curvou-se, como patrão local, ao Patrão do Céu! Pois, embora fosse uma festa cultural, a cultura da terra precisa ser abençoada pela cultura do céu.

Com fundamento histórico, o pastor Sílvio Demarchi apontou princípios presentes no hino rio-grandense que já haviam sido escritos de forma similar  na Bíblia. No entanto, diferentemente do hino que só é cantado na Semana Farroupilha, a Bíblia não pode ser aberta somente na hora da dificuldade.

“Sirvam nossas façanhas de modelo a toda a terra”, segundo o pastor, como diz a Bíblia as nossas boas obras devem brilhar e expressar o Deus a quem nós servimos. Sendo assim,  nosso valor cristão será demonstrado como modelo a toda terra.

Após sua ministração, o “baile com o patrão” seguiu, acompanhado com sanduíche de costelão (prato típico gaúcho). A renda arrecadada na ocasião fomentou as já reconhecidas Missões Urbanas da igreja.

“Nada se compara a viver a cultura da terra, com a cultura do céu!” declarou o pastor satisfeito.

Encerrando as festividades, o pastor Sílvio Demarchi sugeriu que “preservemos a ‘chama do Espírito Santo’ que habita em nós acesa como a ‘Chama Crioula’, para que possamos seguir acendendo a chama de outros”. 

 

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA