Rhema em Taguatinga (DF) criou programa para inclusão de surdos

Postado em
0

Centro de Treinamento Bíblico Rhema, em Taguatinga (DF), criou um programa muito especial para inclusão de pessoas surdas.

Agora, a unidade está oferecendo tradução na Língua Brasileira de Sinais (Libras) para que portadores de deficiência auditiva possam estudar no Rhema local e aprender a Palavra da Fé.

Com o intuito de facilitar o acesso aos alunos interessados, algumas condições foram estabelecidas, como um desconto de 50% nas parcelas mensais.

A exemplo das demais unidades espalhadas no Brasil, as duas primeiras matérias são abertas ao público, proporcionando os alunos a terem o primeiro contato com a estrutura oferecida e a grade curricular.

Sendo assim, a turma do primeiro ano estudou Realidades da Nova Criação, com o professor Luan Barreto, e o segundo ano viu Caráter de Deus com a professora Isva Graciano. Ambas matérias foram interpretadas para libras.

A iniciativa é bastante louvável, pois, apesar do Rhema não ser uma instituição pública — para as quais a lei define como obrigação governamental o incentivo e divulgação de libras — a unidade está muito atenta e alinhada em promover acessibilidade para que o conhecimento da Palavra alcance esses irmãos.

Para Luciléia Toledo, diretora do Rhema local, é motivo de muito entusiasmo ter o programa de inclusão implantado na unidade: 

Em outubro de 2021, fui para o treinamento de diretores em Campina Grande (PB) e esse treinamento foi um marco para nossa unidade aqui em Taguatinga, porque abriu muitos horizontes como esse programa de inclusão.

Saí dali decidida a fazer alguma coisa com a percepção, já confirmada dentro de mim, de que eu precisava me mover. Eu me reuni então com a minha equipe e começamos os preparativos.

Ela contou que teve muito incentivo para realização do projeto. Assim que o apresentou para a supervisão, o pastor Joselito Barbosa e sua esposa Ana Helena Barbosa, receberam o projeto com muita alegria e isso foi o motor para execução de tudo.

Além dos supervisores, muitas pessoas têm cooperado: sejam os interpretes, aqueles que semeiam na vida dos alunos para que eles possam estar nas salas de aula ou aqueles que se movem para oferecer caronas. Existe muita assistência e suporte geral para que o projeto aconteça da melhor forma. 

Quanto aos frutos colhidos a partir dessa iniciativa, a diretora declarou que, desde as aulas demonstrativas, os alunos têm mostrado empolgação e transformação através da Palavra que têm recebido em sala. Além de serem batizados com o Espírito Santo, há um desfrute do mover de Deus através daquilo que é aprendido. Cada  mudança  é um sinal de avanço e resposta positiva, mostrando que a implementação do projeto deu certo e que nos próximos anos a comunidade surda será ainda mais alcançada, assim como declarou a diretora: 

Nós sabemos que a comunidade surda é uma comunidade grande, numerosa e que precisa dessa Palavra da Fé. Nós queremos alcançar todos os surdos da nossa localidade para que eles também recebam essa Palavra e sejam afetados por ela, usufruindo dos resultados. Que Deus possa operar, por meio do conhecimento e do entendimento da Palavra, o milagre que eles buscam e precisam. (Luciléia Toledo)

Sobre a Lei de LIBRAS:

No Brasil, a Língua Brasileira de Sinais foi estabelecida através da lei nº 10.436/2002 como a língua oficial das pessoas surdas.

Parágrafo único. Entende-se como Língua Brasileira de Sinais – LIBRAS a forma de comunicação e expressão, em que o sistema linguístico de natureza visual-motora, com estrutura gramatical própria, constituem um sistema linguístico de transmissão de ideias e fatos, oriundos de comunidades de pessoas surdas do Brasil.

 

Para mais informações, ligue para os seguintes contatos:
(61) 3963-3315
(61) 98626-1806
linktr.ee/rhemataguatingadf

 

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA