Contribuindo para o progresso do Evangelho

Postado em
1

por Renato Gaudard

A carta de Filipenses 1.12, foi escrita por Paulo enquanto estava sob a custódia da guarda romana. Carta esta, alegre, cheia de gratidão pela igreja de Filipos e por tudo aquilo que representaram na vida de Paulo. Tudo tem contribuído para o progresso do Evangelho, ainda que as experiências possam ser ruins ou tentaram fazer calar os cristãos.

Você está pronto para promover o progresso do evangelho assim como o evangelho promoveu sua vida?

O avanço do Evangelho depende de cada um dos filhos de Deus. Alguma coisa que Paulo pudesse ter feito poderia prejudicar isso, entretanto, ele tinha consciência de permanecer firme no propósito e na expansão do Evangelho. Quando se é direcionado por Deus é possível contribuir e não atrapalhar este avanço.

Assim como o Evangelho promove o avanço dos filhos de Deus que se abrem, essas mesmas pessoas devem promover o avanço do Evangelho.

Você consegue entender o que sua vida pode representar para o Reino?

Aquilo que se faz, promove ou não o progresso do Evangelho. Paulo dizia que por causa das algemas ele foi estimulado a falar com mais ousadia a Palavra de Deus, então isso tudo mostra que o posicionamento pode estimular ou desmotivar. O que uma ou outra pessoa faz, tem relação com essa progressão e sempre irá interferir.

Somos agentes impulsionadores do evangelho!

Paulo não falou: “O que aconteceu comigo ampliou minha atuação ministerial, impulsionou o aumento dos meus seguidores, aumentou minha visibilidade”, não! Mas promoveu o progresso, o foco de todo cristão sempre deve estar no Evangelho.

Ao longo da sua vida ministerial, Paulo passou por perseguições, foi mordido por serpente venenosa, sofreu naufrágio, ainda assim, ele permaneceu firme em Deus, obedecendo as direções. Embora Paulo tenha passado tantas situações e coisas ruins, o progresso do evangelho não foi algo que aconteceu por acaso ou como efeito colateral, aliás, a Palavra de Deus sempre foi o foco da sua vida. Paulo sabia exatamente onde queria chegar e o que fazer e isso, fez toda a diferença.

Em Atos 20.22 está escrito: “E, agora, constrangido em meu espírito, vou para Jerusalém, não sabendo o que ali me acontecerá.

Paulo estava constrangido a ir para Jerusalém, havia clareza quanto ao que ele precisava fazer e alcançar, quais os alvos que precisa atingir, ou seja, ele não estava buscando seu conforto e bem-estar.

Você entende o que Deus quer da sua vida? Entende com clareza o que Ele quer que você faça?

Conforto, bem-estar, satisfação pessoal não combinam com aquele que tem o foco no Evangelho, mesmo que isso possa acontecer ao longo da caminhada.

Um exemplo importante, foi a história do pastor Paulinho e Sinara. Eles tinham planos de serem cantores gospel, percorrer o Brasil e o mundo, entretanto, quando Manassés, supervisor do Sul, conversou na época com eles (ainda em Belo Horizonte) sobre a direção de irem ao Sul, eles pensaram e oraram a respeito. Hoje, estão cumprindo o chamado de Deus na região metropolitana de Porto Alegre.

Assim como os exemplos acima, o Senhor deseja que todos andem pela fé e deem o primeiro passo em direção ao que Ele deseja. Quando Deus fala algo, Ele espera que Seus filhos creiam com todo coração que é o melhor plano.

Paulo confiou que se sucederia conforme Deus havia planejado. O Ap. Bud e Mama Jan também confiaram tanto na Palavra ao ponto de deixar os EUA e vir para o Brasil em 1983. Foram muitos os desafios, mas vieram em nome do progresso do Evangelho e não segundo seus planos ou desejos.

Quando Deus chama, Ele mesmo dará capacidade para fazer o que for preciso!

Se o Ap. Bud não tivesse obedecido, com Mama Jan, não teríamos todo esse progresso do Evangelho no nosso ministério. Estar consciente para onde ir e o que fazer (visão clara) é um dos pontos de partida. Aquilo que terá que ser resolvido na caminhada e as situações que terão que lidar, irão contribuir para o propósito eterno.

O progresso do evangelho nos coloca em movimento.

Em Atos 22.24-25 Paulo foi recolhido e os judeus insistiram para que ele fosse entregue ao comandante da guarda e fizeram uma conspiração para matá-lo, o mesmo ficou por lá por um bom tempo.

Paulo não queria ser entregue aos judeus (Atos 23.11), embora apanhou, em seguida, pediu silêncio para depois pregar. Ele teve coragem! Assim que Paulo recebia as direções de Deus, ele era ousado em dar o próximo passo. 

Em Atos 25.11, Paulo não demonstrava medo ao ser entregue aos judeus. Ele estava pronto para ser preso e morrer em Jerusalém em nome do progresso do Evangelho. Após Jerusalém, ele estava pronto para ir a Roma e receber novos direcionamentos de Deus, ele sabia para onde ir e o que fazer para chegar ao seu destino. Paulo não sabia o que poderia acontecer, mas permanecia se movendo para que a Palavra alcançasse o maior número de pessoas.

Como Paulo se deixou ser conduzido, assim Deus deseja para estes dias, que os filhos deixem-se ser conduzidos por Ele.

A ilha de Malta foi um dos destinos de Paulo, depois de um naufrágio e salvo do mar, ainda foi picado por uma víbora, essas coisas fez com que todos em volta pensassem: “vai morrer”, “deve ser um assassino”. A leitura para o que estavam de fora era: “tem coisa errada”, entretanto, a justiça humana avalia o que acontece com as pessoas de acordo com o que acontece e não de acordo com o direcionamento de Deus.

Não somos dirigidos pelos acontecimentos, e sim pela convicção interna e o direcionamento de Deus!

Saiba o que você precisa agarrar e o que precisa soltar para cumprir o que Deus tem para sua vida. Enquanto eu não chegar aonde Deus deseja, nada vai me parar!

 

*Trechos da mensagem na Conferência de Ministros no Sul em setembro de 2021.

1 COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA