Parceria Financeira

Postado em
0

Para a maioria das pessoas quando falamos sobre missões, elas pensam rapidamente em dinheiro. Mas para surpresa de muitos, existe outras áreas tão necessárias quanto as finanças, são elas: Moral, Logístico, Financeiro, Oração, Comunicação e Retorno.
Demandaria muito espaço falar de cada uma dessas áreas, por hora, focaremos apenas em uma delas, a PARCERIA FINANCEIRA.

Para se fazer missões, se faz necessário dois importantes personagens: Aquele que vai e os que enviam. Você pode está se perguntando: Quem envia de fato os missionários? A igreja! Quando falo a igreja, refiro-me não a instituição em si, mas a membresia no geral, pois cada um de nós que fazemos parte do corpo de Cristo, somos responsáveis diretos pela obra que Jesus começou a fazer – a evangelização do mundo. Se não podes ir, podes enviar alguém em seu lugar.

Oswald Smith disse o seguinte: “Se Deus quer a evangelização do mundo, mas te recusas a sustentar missões, então te opões à vontade de Deus”.

Você já parou para pensar no fato de que quando não damos do nosso dinheiro para as missões, estamos nos opondo à vontade de Deus?! Vale a pena nós pensarmos quão importante é ser um parceiro financeiro para a realização das missões; pois estamos entrando em uma parceria não apenas com o missionário, aquele que está indo, mas com Àquele que o chamou.

E quando penso nesse fato, de darmos do nosso dinheiro para as missões, recordo das palavras de Harry Ironside: “Os missionários nunca são pedintes. Eles são embaixadores que nos dão a oportunidade de nos tornarmos parceiros com eles através da oferta de nossos dólares enquanto eles oferecem suas vidas”.

Dar do nosso dinheiro é muito pouco, se comparado com o que os missionários estão dando ou mesmo com que o próprio Deus deu. Ser parceiro de um missionário é uma oportunidade de nos associarmos com Deus na realização da sua obra.

Ao darmos do nosso dinheiro para missões, a nossa atitude não poderá ser como se pensa em uma empresa, visando lucros. Como disse o Dr. John Orme: “Tanto nas empresas quanto nas missões, existe perdas. Nas empresas, se um atividade perde dinheiro, a empresa interrompe a atividade. Nas missões, a atividade utiliza dinheiro para alcançar homens e mulheres para Cristo e para discipular o corpo de Cristo.

As empresas se preocupam com as perdas; as missões, com os perdidos…As empresas e as missões tem ambas um critério. O critério das empresas é o dinheiro. O critério dos missões é a glória de Deus – ver homens e mulheres vinda a Cristo e trazendo uma maior glória ao Todo-Poderoso…”.

Jadeilton Almeida

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA