Penhor da nossa Herança

Postado em
2

FORMATOS BLOGS

por Thiago Freitas
por Thiago Freitas

“Em quem também vós, depois que ouvistes a palavra da verdade, o evangelho da vossa salvação, tendo nele também crido, fostes selados com o Santo Espírito da promessa; o qual é o PENHOR da nossa herança, até ao resgate da sua propriedade, em louvor da sua glória” (Efésios 1.13-14)

Quando Paulo falou do Espírito como o “penhor da nossa herança”, ele não estava se referindo, simplesmente, ao fato de alguém “herdar” os bens de uma pessoa que morreu – uma herança que pode ser recebida antecipadamente, em parcelas. Ele também não estava se referindo, como muitos cristãos imaginam, a “ir para o céu”, como se a bem aventurança celestial fosse a herança maior que Deus preparou para nós. Ele recorre ua um tema bíblico de grande interesse e o desenvolveu em uma direção nova e surpreendente. Quando entendemos, isso descobrimos porque o Espírito nos é dado.

O tema ao qual o Paulo se referiu, quando falou da “herança vindoura”, da qual o Espírito é a garantia, é bastante conhecido: a história do Êxodo, na qual Israel escapou da escravidão do Egito e seguiu em direção à Terra Prometida. Canaã era a herança prometida a Israel, o lugar onde eles viveriam como povo de Deus. Como sinal dessa promessa, e para conduzi-los, Deus foi com eles pelo caminho, uma santa presença guiando e dirigindo o povo.

Assim, quando Paulo falou do Espírito como “garantia da nossa herança”, o que ele estava dizendo na verdade era: “vocês, agora, são o povo do verdadeiro Êxodo. Vocês foram libertos do império das trevas (Egito) e estão de caminho (guiados pelo Espírito), rumo a herança de vocês: o Novo Céu e a Nova terra”.

Agora, quero lhe despertar, como disse a pouco, para o sentido surpreendente a que Paulo conduz o conceito de herança. Além da pensarmos em termos de futuro, a palavra grega traduzida por “herança”, nos transmite um conceito que se aplica também para o presente. A palavra grega “arrabôn” significa: “um sinal presente daquilo que está por vir, um antegozo”. Esse conceito concorda com as palavras do escritor aos Hebreus. O autor, falou sobre o tipo de experiência que é experimentada por aquele que crê em Jesus: “provaram a boa palavra de Deus, e os PODERES DO MUNDO VINDOURO…” (Hb 6.5).

Quando a Bíblia fala sobre o mundo vindouro, ela está falando de um mundo que está para nascer; um mundo onde todas as coisas serão restauradas e toda a maldição eliminada. Na visão do Apóstolo João, em Apocalipse 21 e 22, Deus habitará com os homens, não haverá maldição, nem choro, nem pranto, nem dor, pois as primeiras coisas passaram. Mas o que o autor aos Hebreus estava nos dizendo é que começamos a experimentar hoje o que será pleno no Novo céu e na Nova terra. Como disse o Historiador e teólogo N.T. Wright: “O Futuro de Deus chegou no presente”. Em outras palavras, estamos provando, já no presente, o que será pleno no mundo vindouro.

Quando olhamos para a obra de Jesus, isso fica claro, nítido. Em Jesus, o futuro de Deus se manifestou no presente com o propósito de sinalizar para a humanidade toda a restauração que Deus estava trazendo por meio de seu filho. Ap 21:4 nos mostra que o “tabernáculo de Deus estará com os homens, Deus mesmo habitará com eles”…

Quando Olhamos para o Evangelho de João, enxergamos claramente Deus “antecipando” isso em Jesus: E o Verbo (que estava com Deus, que era Deus) se fez carne e (tabernáculou) habitou entre nós…” (Jo. 1.14). No capitulo 14 do mesmo Evangelho, Jesus disse que tudo o que Ele fez foi porque o Pai que habitava nEle, estava fazendo as Suas obras (Jo. 14:10). Enxergamos no mesmo capitulo 14, Jesus nos dizendo que seríamos habitação do Espírito:

“E eu rogarei ao Pai, e ele vos dará outro Consolador, a fim de que esteja para sempre convosco, o Espírito da verdade, que o mundo não pode receber, porque não o vê, nem o conhece; vós o conheceis, porque ele habita convosco e estará em vós”  (Jo 14:16-17)

De fato, o Espírito nos é dado para que possamos nos tornar aquilo que Jesus foi: parte do futuro de Deus chegando ao presente. Ele nos foi dado para que possamos compartilhar da vida e da obra de Jesus. Nós, os que cremos em Jesus, recebemos o Espírito como uma “amostra” de como será o novo mundo. Ele é, em nós, a presença de Deus nos conduzindo, guiando, advertindo, entristecendo-se com as nossas falhas e celebrando os avanços enquanto vamos em direção à Herança.

A cura dos enfermos no ministério de Jesus carregava também esse sentido de “antecipação”. Na era vindoura, toda a enfermidade será eliminada, não haverá morte. A boa nova é que, pela fé, podemos agora começar a experimentar o que um dia será pleno. Ele já levou as doenças, Ele já nos livrou de toda a maldição, por isso, não precisamos esperar chegar lá para vivermos em saúde divina.

Pela fé, estamos provando os poderes do mundo vindouro já na presente era. Não só provando em nossa vida pessoal, mas também somos veículos, instrumentos, de cura e restauração para outros. Como o próprio Jesus nos comissionou: “se impuserem as mãos sobre enfermos, eles ficarão curados” (Mc 16:18).

No mundo vindouro, todo comportamento desumano consequente do pecado será completamente extirpado. Podemos e devemos antecipar isso no presente, vivendo pelo espírito, manifestando o fruto do espírito, sendo, na prática, aquilo que fomos criados para ser: seres humanos que refletem a imagem de Deus para o mundo. O Espírito nos é dado para dar inicio à obra de tornar o futuro de Deus real no presente.

Concluo dizendo que um elemento chave da vida cristã é aprender a viver de acordo com o padrão do mundo futuro de Deus, mesmo continuando a viver nesse mundo presente. Aqueles que seguem a Jesus são chamados a viver de acordo com o padrão do novo mundo de Deus. Marcelo Carvalho, nosso supervisor aqui em Belo Horizonte, certa vez, disse: “Muitos quando chegarem no céu (novo céu e nova terra) descobrirão que já estavam lá”.                          

2 COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA