Partindo para a ofensiva

Postado em
0

por Tony Cooke

Não sou analista de esportes, mas já vi vários jogos, especialmente no basquete, em que um time fica extremamente cauteloso e, em vez de jogar para vencer, simplesmente começa a jogar para não perder. Normalmente, isso acontece por volta da parte final do jogo e muitas vezes coincide com uma onda de ímpeto e aumento de esforço da equipe adversária.

Dois mil e vinte deixou muitos cambaleando e, talvez, com uma mentalidade do tipo “temos que nos proteger”. Existem estratégias defensivas legítimas que adotamos e utilizamos na vida, mas não estamos aqui apenas para “zerar o tempo” e esperar que Jesus volte antes das coisas piorarem. Quando Jesus disse que as portas do Hades não prevaleceriam contra a Igreja (Mateus 16.18), parece que ele presumia que sua Igreja estaria na ofensiva. Nossa mentalidade não deve ser “segurar as pontas”, mas de “tomar os portões”.

Existem várias interpretações para o que Jesus quis dizer quando se referiu às “portas do Hades”, uma delas é a imagem de um castelo com portas. Se este for o entendimento correto, os portões são projetados para fins defensivos e isso nos coloca na ofensiva. William Barclay escreveu: “Seja como for, esta frase expressa triunfantemente a indestrutibilidade de Cristo e de sua Igreja”.

A história de Gideão revela poderosamente um dos filhos de Deus fazendo a transição de uma posição defensiva para a ofensiva. Todo o Israel estava se encolhendo por causa da intimidação dos midianitas. Os israelitas empobreceram por causa da opressão. Juízes 6.6 nos diz que “Por causa de Midiã, Israel foi reduzido à tamanha miséria” (KJA).

Conforme o desenrolar da história, o próprio Gideão estava se encolhendo em um tanque de prensar uvas, enquanto malhava trigo (Juízes 6.11). A NTLH mostra que ele estava escondido. Normalmente, Gideão estaria malhando trigo na eira, não em um tanque de uvas. Isso, simplesmente, ilustra o nível de intimidação que o próprio Gideão estava experimentando. Você pode obter apenas poucos resultados malhando trigo no fundo de um tanque; portanto, vemos que o medo de Gideão o impediu de ter uma produtividade significativa.

Antes que Gideão pudesse partir para a ofensiva, ele teve que superar suas próprias desculpas derrotistas. Considere sua mentalidade enquanto conversava com o anjo:

“Gideão respondeu: ‘Se o Senhor Deus está com o nosso povo, por que está acontecendo tudo isso com a gente Onde estão aquelas coisas maravilhosas que os nossos antepassados nos contaram que o Senhor costumava fazer quando nos trouxe do Egito? Ele nos abandonou e nos entregou aos midianitas’. Gideão respondeu: ‘Senhor, como posso libertar Israel? A minha família é a mais pobre da tribo de Manassés, e eu sou a pessoa menos importante da minha família’” Juízes 6.13, 15 (NTLH).

Considere as fortalezas de medo, incredulidade e inferioridade que agarraram e paralisaram Gideão. Não podemos nos dar ao luxo de pensar assim.

A boa notícia é que Gideão finalmente cedeu às ordenanças de Deus, e isso o colocou no grande “Hall da Fé” de Hebreus 11.

“Quantos exemplos mais darei? Infelizmente não disponho de tempo para falar sobre a devoção de Gideão, Baraque, Sansão, Jefté, Davi, Samuel e os profetas, os quais, por intermédio da fé, conquistaram reinos, praticaram a justiça, receberam o cumprimento de promessas, fecharam a boca dos leões, extinguiram a violência do fogo, foram libertos do fio da espada; da fraqueza tiraram força, tornaram-se poderosos nas batalhas e puseram em retirada exércitos estrangeiros”. Hebreus 11.32-34 (KJA)

A fé nos colocará na ofensiva!

Sei que existem muitas maneiras diferentes pelas quais uma igreja pode partir para o ataque. Não somos todos chamados a fazer a mesma coisa, mas todos somos chamados para fazer a diferença. Meu coração se alegrou quando li o seguinte depoimento de Darren Tyler, pastor da Conduit Church em Nashville, TN. Darren escreve:

Desde que a Conduit Chruch começou a se reunir presencialmente em junho:

  • 60 famílias foram libertas da escravidão;
  • Milhares de famílias sofrendo com as consequências da crise econômica foram alimentadas e vestidas … desde as montanhas do Himalaia até as montanhas do Haiti;
  • Uma nova escola no Sudeste Asiático teve sua construção totalmente financiada a partir de janeiro;
  • O financiamento de uma escola para os filhos de ex-escravos na Ásia foi totalmente atendido;
  • As mensalidades escolares para mais de mil crianças na África Oriental, Ásia e Haiti foram totalmente financiadas;
  • O financiamento para a expansão de um Centro de Recursos para Gravidez foi garantido;
  • O orçamento para a construção de uma nova igreja/ escola na África Oriental foi totalmente obtido;
  • Financiamento para auxiliar no trabalho de combate ao vício no Place of Hope em Columbia, TN.

No total, mais de $400000 foram arrecadados para financiar esses e muitos outros projetos desde que começamos a nos reunir novamente em junho de 2020. Por trás de cada projeto está uma pessoa – uma pessoa cuja vida está sendo literalmente salva

A vasta maioria desse dinheiro foi arrecadada durante e por causa de uma reunião presencial. Quando alguém clama pelo fechamento de igrejas, é isso que eles estão fechando. Eu entendo que nem tudo é preto e branco, mas eu desejo que aqueles que alegremente pedem o fechamento de igrejas reconheçam que não é tão simples.

Fechar uma igreja durante o Covid foi enquadrado como uma forma de salvar vidas. Entretanto, não é tão simples. Se a Conduit Churh não tivesse se reunido presencialmente nos últimos seis meses, haveria consequências reais nas vidas das pessoas por trás dos projetos. O vírus é real. Porém, também é a fome. Assim como também é real o risco para meninas na Ásia que não estão na escola. Assim como a saúde mental, o vício e o suicídio também são. É tudo real. O fechamento de uma igreja interrompe muitas atividades evangelísticas.

A Conduit Church não está sozinha nisso. Nossos amigos na Gateway Church levantaram $40000 apenas nos últimos 30 dias a partir de uma iniciativa que será investida em salvar vidas no Tennessee e em todo o mundo. Nossos amigos da Southview Church se juntaram a nós na luta pela liberdade de famílias de escravos, como fez a Branchville United Methodist em Indiana. Uma pequena igreja no norte da Califórnia desafiou as ordens de não se reunir presencialmente e, como resultado, mais duas famílias serão libertas na Ásia.

Não nos reunimos sem risco. Não estamos sendo arrogantes sobre isso. Não estamos lutando contra o governo. Estamos lutando pelos mais vulneráveis ​​dentre nós. É por isso que continuaremos nos reunindo.

Não estou compartilhando esta informação para condenar qualquer igreja que tenha julgado melhor suspender os cultos presenciais em determinados momentos. Eu respeito o direito de cada pastor de tomar decisões com base em suas próprias circunstâncias e dinâmicas. O que estou encorajando, porém, é que não importa como estejamos fazendo igreja neste momento, continuemos na ofensiva.

A missão de Deus não foi interrompida por causa do Corona vírus. Podemos fazer quaisquer ajustes logísticos que consideremos necessários para liderar adequadamente, mas não podemos abdicar da Grande Comissão. Nosso chamado e atribuições não mudaram!

Você pode ter sentido uma pressão cada vez crescente nos últimos meses – muitos sentiram. Mas eu acho que há alguém que está sentindo mais pressão do que pastores, igrejas e crentes, e esse alguém é Satanás.

Isso pode não ser exatamente correto em termos “da” cronologia escatológica, mas talvez uma razão para o aumento da agitação no mundo seja porque Satanás “sabe que pouco tempo lhe resta” (Apocalipse 12.12).

Martinho Lutero é frequentemente citado como tendo dito: “Se eu acreditasse que o mundo acabaria amanhã, ainda plantaria uma árvore hoje”. Quer Lutero tenha dito isso ou não, é uma declaração e tanto. Minha oração é que o Corpo de Cristo esteja firmemente comprometido em proclamar o glorioso Evangelho, bem como em demonstrar bondade, amor e misericórdia na Terra.

Em meus primeiros anos de caminhada com o Senhor, ouvi uma declaração de Arthur Wallis que me desafiou. Ainda me desafia. Wallis disse: “Se você quiser fazer o melhor com sua vida, descubra o que Deus está fazendo em sua geração e se lance totalmente nisso”. Que possamos ser encontrados nos dedicando totalmente aos planos e propósitos de Deus ao longo deste ano de 2021!

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA