O fim e o começo

Postado em
0

thiago freitasThiago Freitas

Professor do Rhema Brasil

“Quem tem ouvidos,ouça o que o Espírito diz as igrejas. Ao vencedor, dar-lhe-ei a comer da ÁRVORE DA VIDA, que está no PARAÍSO DE DEUS.” (Apocalipse 2:7)

O último livro da Bíblia (apocalipse) é muito parecido com o primeiro livro da Bíblia (Gênesis), porque a história terminará de certa forma como começou. Quando olhamos para apocalipse, enxergamos o “começo no fim”. Ou seja, Deus por meio da obra redentora de Cristo está conduzindo a humanidade para o lugar e para a condição que a humanidade não deveria ter saído e perdido.  O pecado tira o homem do seu estado “paradisíaco”. A morte é uma realidade, ele se vê agora longe do paraíso. Deus por sua graça está conduzindo os vencedores para o seu estado original.

É justamente isso que enxergamos quando lemos as palavras de João dirigida para a igreja de Éfeso. Quem não se lembra da declaração de Deus para o homem no éden:

“Do solo fez o Senhor Deus brotar TODA sorte de árvores agradáveis á vista E BOAS PARA ALIMENTO; e também a ÁRVORE DA VIDA no meio do jardim e a árvore do conhecimento do bem e do mal. (Gênesis 2:9) “E o Senhor Deus lhe deu esta ordem: de toda árvore do jardim comerás livremente, mas da árvore do conhecimento do bem e do mal não comerás, porque no dia em que dela comerdes, certamente morrera”. (Gênesis 2:16-17)

O texto nos deixa claro que o homem no seu status original podia comer da árvore da vida, sendo guardado por Deus de comê-la após ter pecado, para que não “comesse e vivesse eternamente”(Gn 3:22) naquele estado caído em que se encontrava após ter comido da árvore do conhecimento do bem e do mal e provado a morte. Percebe-se que a árvore da vida transmitiria ao homem imortalidade, e o mesmo, antes da queda era livre para comer dela, sendo guardado por Deus de comê-la após ter pecado, por um ato de misericórdia.

Vale salientar que Adão era imortal, mais sujeito a morte caso pecasse, tal como Cristo; imortal, mais sujeito a morte caso cedesse ao pecado. Após a ressurreição, Cristo se tornou imortal não mais sujeito a morte, pois como está escrito “a morte não tem domínio sobre ele” (Rm 6:9).  A promessa de se alimentar da árvore da vida que se encontra no paraíso de Deus aponta para um desfecho glorioso, onde o inimigo chamado morte será para sempre eliminado.

Aquilo que foi perdido por causa do pecado é recuperado em Cristo. Os vencedores (aqueles que permanecerem firmes na fé até ao fim) obterá por meio do “se alimentar da árvore da vida” a imortalidade. Imortalidade em seu sentido mais amplo, ou seja: imortal e não mais sujeito a morte.  Essa árvore representa a transmissão da vida eterna aos homens. Deus está nos conduzindo para o estado original de imortalidade e de comunhão plena com ele, para o paraíso.

A Bíblia começa com a descrição: “no princípio criou Deus os céus e a terra” (Gn 1:1) e termina com algo muito parecido: “Vi NOVO céu e nova terra” (Ap 21:1), e nesse estado eterno, definitivamente “a morte não mais existirá”… (Ap 21:3).

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA