Para um tempo como este

Postado em
1

por Miriam Leal
*Professora do Centro de Treinamento Bíblico Rhema

Para um tempo como este é que fomos chamados.

“Em verdade vos digo: Tudo quanto ligardes na terra será ligado no céu; e tudo quanto desligardes na terra será desligado no céu; Ainda vos digo mais: Se dois de vós na terra concordarem acerca de qualquer coisa que pedirem, isso lhes será feito por meu Pai, que está nos céus; Pois onde se acham dois ou três reunidos em meu nome, aí estou eu no meio deles” (Mateus 18.18-20).

Há uns dias, venho meditando sobre esse tipo de oração: a de concordância. Estamos aqui para orarmos juntos, mas você sabia que esse tipo de oração precisa ser reavivada e levantada em nossas casas e em nosso meio? A Igreja do Senhor tem uma voz e para esse tempo que estamos passando, para um tempo como esse, existe uma força na concordância. A Bíblia nos garante que um põe mil pra correr, mas dois põem muito mais (Deuteronômio 32.30).

Existe um poder liberado quando nós nos unimos para orar e nós pensamos que esse versículo se faz apenas na igreja, dando as mãos e orando, mas não é assim. A Bíblia afirma que se dois estiverem concordando pela mesma coisa, pelo mesmo pedido, o Senhor ouvirá e as portas do céu serão abertas. Esta é a hora da Igreja se posicionar mais forte em oração, entendendo o seu papel na unidade!

Esses dias, tenho meditado muito sobre a história de Esther. Deus começou a falar comigo sobre essa história. Sabe irmãos, existia um decreto naquele tempo, em que os judeus seriam eliminados se adorassem a outros deuses. Eles eram proibidos de adorar ao Senhor. Mardoqueu disse que não iria cumprir o decreto. Esther, porém, estava no palácio e ela era judia. Mardoqueu, seu primo, falou: “Esther, não pense que porque está no palácio você vai se livrar, lembre-se das suas raízes, foi para um tempo como este que você foi levantada entre as mulheres, para fazer a diferença”. Ela respondeu: “Eu vou, mas, antes disso, eu vou orar e jejuar com as minhas criadas. Você também se junte com o seu povo, ore e jejue” (ler Ester 4).

Sabe, irmãos, existe um poder para um tempo como esTe! Nós somos a Igreja!

Para um tempo como este, não podemos ficar alarmados com as notícias, precisamos ver como Deus vê. O poder é dado, estamos jogando para pessoas, para a política, médicos, mas é a nossa responsabilidade. Orem!

Eu me lembro que na infância na minha casa tinha um culto doméstico, depois do jantar, tinha que ir para a sala, sentar, ler a Bíblia, orar e depois daquilo podíamos fazer outras coisas. Eu quero colocar isso em prática na minha geração. Isso é uma prioridade, precisamos trazer a restauração desses momentos. O diabo tem roubado o poder da Igreja. O diabo precisa ouvir as orações nas casas. 

Esse é um tempo de restauração da oração nas nossas casas. Reúna a sua família, consagre esse tempo. Para um tempo como este, é que fomos chamados. A responsabilidade está conosco. Reavive essa chama, se comprometa com a oração. Não espere pessoas estarem fazendo o que você deve fazer.

Enquanto você adora na sua casa, todo o medo e toda a pressão diabólica sai, porque o rio dessas águas divinas está invadindo. Foi levantada em cada casa, em cada coração, um altar de adoração. Não mais intimidados, não mais retraídos, mas indo para a batalha, prontos e marchando, contra a tempestade, contra o vento e a força desfavorável! A muralha do medo, da incredulidade, da vergonha e do fracasso cairá e é com seu grito que essa muralha vai cair!