Cantora Israela Claro fala sobre novo CD e Escola de Ministros

Postado em
1

 

Israela tem 22 anos, é ministra de música e filha do renomado cantor e compositor Cláudio Claro. Ela também é aluna da Escola de Ministros Rhema no Rio de Janeiro e, em breve, estará lançando o seu primeiro CD solo.

Quando esteve em Campina Grande, PB, na Aula de Campo da EMR, ela nos concedeu a entrevista abaixo em uma de suas visitas ao Centro de Operações do MVV:

Olá Israela, obrigado por sua visita aqui. Por favor, nos conte sobre como está sendo para você cursar a Escola de Ministros.

Eu entrei de última hora na Escola de Ministros. Não sabia que ia fazer. Estava viajando e tinha acabado de chegar ao Rio. Achava inclusive que não teria tempo para fazer já que trabalhava aos sábados e viajava muito. Mas, eu decidi entrar na escola e parei tudo. Eu tenho uma amiga chamada Ana Paula e ela estava conversando comigo, me animou para entrar, me ajudou a resolver tudo e entrei. Foi algo de Deus mesmo, que era pra ser. Tenho aprendido muito, assim como foi no Rhema Brasil.

Existem coisas que estão sendo tratadas em meu caráter, no mais intimo da gente. Confesso que é cansativo, porque as nossas aulas são nos finais de semana, nos sábados à tarde e aos domingos pela manhã. É uma correria grande. Mas, está valendo muito a pena, graças a Deus por esta oportunidade que temos tido. Para mim, em especial é o momento certo, porque, em breve, vou entrar em uma nova fase da minha vida, em que tudo que estou aprendendo será ferramenta e estrutura em minha vida. Há muitas coisas que aprendemos que não têm preço. Como, por exemplo, participar da Aula de Campo, foi maravilhoso! Eu não esperava que fosse tão boa. Foi um milhão de vezes mais impactante do que pensava. Eu vi coisas que me impressionaram muito e eu precisava ver tudo o que vi. Em muitos momentos, eu só sabia chorar, não havia muito a dizer…

Você também estava emocionada agora há pouco, quando esteve com o Ap. Bud Wright na sala dele. Você desejava esse momento? Como foi?

Foi maravilhoso. De fato, eu achei que seria uma visita muito rápida, mas a gente começou a conversar e ele começou a pregar para mim e para o Felipe Aguiar que estava comigo na sala. Ele falou que gostou muito de me ver cantando na Igreja sede (Israela fez uma participação especial no momento de louvor com o grupo de música da IEVV sede no culto dominical). Ele pediu meu CD quando estiver pronto e compartilhou muitas coisas boas, falando sobre o Espírito Santo. Falou também sobre sua vinda dos Estados Unidos, sobre seu chamado, destacou que já era curado, ele abriu o coração para nós. Foi um tempo muito bom, lindo. A Jan também veio na sala e ela lembrou de mim quando, anos atrás, cantei em uma Conferência de Mulheres em que a Elia Ferrel pregou.

Eu não os conhecia de perto, nunca tinha tido a oportunidade de chegar perto deles, e foi inesquecível! Eu falei para ele: “Por causa da sua escolha, estamos aqui. Somos fruto de tudo isso. De sua obediência!”.

Você realmente tem um talento musical enorme, além de ser filha de músico. Fale-nos um pouco sobre algumas das suas experiências nesse meio musical.

Eu já canto desde os meus 15 anos e canto com meu pai (Cláudio Claro) há alguns anos. Já estive em muitos lugares cantando com ele. Cresci com meu pai viajando, cantando, a minha casa cheia de músicos, meu pai fazendo eventos… isso para mim é uma coisa normal já. Também cresci em ambientes de gravação, estúdios, e, mesmo crescendo nesse meio, eu não sabia que seguiria esse caminho do meu pai. Quando criança, eu era muito tímida e não me via na música, mas o meu pai olhava para mim e dizia que eu ia cantar. Eu relutei, mas era por vergonha, mas, no fundo as coisas foram ficando claras para mim e por dentro eu fui percebendo que, de fato, este seria o meu caminho. Fui crescendo e me encontrando na música. Fui para os Estados Unidos com meu pai e morei lá por dois meses. Nesse tempo, ficamos bem juntos, unidos, eu o ajudei muito na questão do inglês, que ele não falava. Fomos a todas as igrejas evangélicas existentes na região de São Francisco na Califórnia, foi um tempo muito bom. Nesse tempo, eu percebi que era isso que eu queria. Nesse tempo, eu já cantava bastante em inglês e segui fazendo isso.

Quando voltamos para o Brasil, meu pai queria que eu gravasse um CD e eu ainda não sabia se era isso mesmo que devia fazer. Lembro-me de que, mesmo novinha, fiz uma oração. Falei algo assim: “Deus eu não sei se é isso mesmo que você quer que eu faça, mas se for, me dê uma música (eu nunca compus antes). Na mesma hora veio em meu coração uma música e a compus. Dali para frente, eu tive a certeza de que era isso que ia fazer. Mas, eu ainda era uma adolescente, queria estudar, curtir essa fase e até eu chegar aos 19 anos, levou um tempinho. Mas, então, chegou o momento de realmente focar nisso.

De lá para cá, eu tenho batalhado, porque nesse meio não é fácil de você entrar. Sempre tinha em meu coração que quando entrasse eu iria fazer as coisas direito, com bons produtores, uma boa banda e, de fato, eu conheço muita gente boa do meio, mas isso não é suficiente, tem que batalhar. Tenho orado muito e há muito tempo sobre esse sonho e sei que chegou o tempo. Às vezes, eu até tentei mover as coisas pela força do meu braço, mas não deram certo, as coisas não aconteciam, mas, agora, as coisas estão acontecendo e não precisei mover nada para isso, é Deus quem está fazendo, no tempo e da maneira dEle.

Como estão os preparativos para o CD?

Estou em parceria com uma ótima empresária, a Margarida Bucater (responsável por outros cantores, como Davi Sacer). Eu a conheci por acaso. De fato, foi um “encontro divino”. Quando eu estava em São Paulo, cantando com um rapaz também empresariado por ela, e a conheci. Ela desejou trabalhar comigo, e o desejo foi recíproco. Margarida e eu fomos lá no escritório da Som Livre, no Rio, e mostrei a minha música para o Marcelo (um dos responsáveis pela gravadora). Graças a Deus eu já saí de lá com o contrato praticamente fechado. Já estamos produzindo duas músicas. Uma delas é Amém Amor. Estarei, em breve, indo a São Paulo para a ExpoCristã e estarei no stand da Som Livre, mostrando o meu trabalho.

No meu CD terei 8 composições do meu pai, e mais algumas do compositor Livingston Farias, que é bem conhecido no meio gospel. Ele compõe para Fernada Brum, Eyshila, Davi Sacer entre outros. A gente até compôs uma música juntos. Haverão duas canções em inglês. Esse é o primeiro passo, sei que tenho uma jornada enorme pela frente. Estou muito feliz. Sou uma pessoa muito sonhado e batalhadora. O ministério e a música são a minha vida. Se não faço isso, eu não vivo. Em breve, vocês estarão com o meu CD em mãos.

Para encerrar, nos fala mais sobre o seu pai e sobre o testemunho da cura milagrosa que ele recebeu recentemente.

Meu pai, como o próprio pastor Manassés Guerra falou na EMR, é como se fosse um dos apóstolos da música no Brasil. Ele, Asaph Borba, Adhemar de Campos e tantos outros. Quando eu estava na barriga da minha mãe, ele compôs a canção “Pão da vida”, que o próprio Manassés já a gravou também.

Ele tem todo um legado. Tem um jeito de compor diferente, poético, tem um talento que eu admiro demais. Cresci vendo o meu pai adorando a Deus.

Mas, no ano passado (quando meu irmão caçula estava com apenas seis meses de vida), nós descobrimos que meu pai estava com câncer no estômago. Isto foi um baque, ninguém esperava, meu pai não tinha nada. Foi chocante e isso foi no inicio do ano passado. Ele ficou mal quando soube, mas não demorou muito para ele se firmar na Palavra da fé, pegando firme. Eu só o via no quarto orando e louvando ao Senhor, declarando a Palavra. Os médicos já haviam dito que não tinha mais jeito, não tinha saída mais. Falavam que, após a cirurgia, ele teria que fazer quimo e radioterapia, e mesmo assim não havia garantia de vida. Mas, todos os dias ele declarava: “Eu sou curado. Eu sou sarado!”.

Antes de meu pai ir para o hospital, ele foi para a casa do Pr. Edimilson Nunes. Lá, eles oraram juntos. O pastor pegou junto com meu pai, deu a ele muitos livros do Kenneth E. Hagin sobre cura, para ele se encher da Palavra. O meu pai conta que ele se ajoelhou na sala do pastor e oraram juntos, e o próprio pastor falou que naquele momento ele tinha visto que meu pai tinha recebido a cura.

Ele foi operado, pregou para todos os pacientes que estavam por perto e demonstrava gratidão por cada detalhe da vida. Foi milagrosa e inexplicavelmente bem sucedido na cirurgia. Hoje, ele está muito bem. Depois disso, valorizamos hoje muito mais a nossa vida. O médico falou: “Você é um homem de sorte!”. O meu pai repondeou: “Não é sorte, é o meu Deus. Estou aqui por causa dEle!”.

Meu pai não é do Verbo da Vida e na igreja dele as pessoas o olhavam como se ele já estivesse morto em um caixão, com pena mesmo. Porém, ele falava: “Gente, eu estou vivo e estou bem. Lembro-me de que ele disse em certo momento: “Se Deus não me livrar da fornalha, Ele vai me livra na fornalha”. Se ele não fosse milagrosamente curado, ele seria operado e seria restaurado.

O Brasil se moveu em oração por ele, o que sai da boca dele é fogo. Ele está cheio da Palavra da fé. Muitas pessoas são transformadas e edificadas pelas canções dele. Desde1989 o meu pai já ora em outras línguas e já se enchia da Palavra. Suas canções mostram isso. Ele tem quase 25 anos de carreira. Já estava na música antes de eu nascer.

Mas, depois que ele saiu de lá, está compondo muito mais músicas, pregando ainda mais a Palavra e muitas pessoas estão sendo curadas. Ele vai aos hospitais e Deus tem o usado muito nessa área de cura. Glória a Deus!

1 COMENTÁRIO

  1. Como é lindo ver os planos de Deus sendo cumpridos em nossas vidas de forma tão excelente. Ver a Israela seguindo seu caminho e crescendo é saber que quando nos posicionamos, Ele que conhece o mais íntimo de nosso ser, completa a boa obra que começou em nossas vidas. Parabéns Israela, Cláudio, e toda família Claro por essa conquista no reino Espiritual que está repercutindo e vai se alastrar ainda mais no reino natural… A família Reis e Sacerdotes sempre se inspiraram em vocês e admiram a vida de dedicação ao serviço do Senhor Jesus!!! Abraços!! Rachel e Estenio

DEIXE UMA RESPOSTA