ENTREVISTA: Missionário Alex Konig contou suas experiências no Paraguai

Postado em
0

Alexander Konig congrega na Igreja Verbo da Vida em Guaratinguetá (SP), é casado com Fabiana e tem três filhos. O missionário concedeu uma entrevista para nossa equipe, na qual compartilhou sobre suas vivências no Paraguai. Ele e família se dedicaram ao evangelismo e discipulado naquela nação, propagando a Palavra da Fé com ousadia!

PORTAL: Qual a experiência que considera a mais profunda deste tempo em que esteve no Paraguai?

ALEXANDER: No Paraguai, encontrei um povo sofrido, machucado, e um lugar em que achei maior facilidade para alcançar pessoas. O que mais marcou minha vida foi o evangelismo prisional. Eu me realizei nas cadeias, como ministro e missionário. A cadeia foi algo assim, fenomenal. Aquele lugar chocou a minha vida, me animou, me alegrou e me entristeceu, muitas vezes.

Na chegada ao Paraguai, nós tivemos a oportunidade de ganhar para Jesus um homem chamado Luiz Villa. Esse homem era um advogado de porta de cadeia, que no passado também foi um grande diretor na fronteira com o Brasil. Mas ele perdeu o emprego e estava com depressão, estava com um problema no fígado, havia perdido o pai e a mãe. Ele estava mal. Foi nesse cenário de guerra pessoal que ele estava atravessando que eu o encontrei. Ele foi a primeira pessoa que recebeu Jesus debaixo do nosso ministério no Paraguai.

A constituinte paraguaia diz que todo recluso tem direito a um advogado, a um clínico, um psicólogo e a um capelão. A minha capelania era a única que tinha nesse presídio. Então, eu tive uma estratégia de conversar com os presos individualmente e, ouvi-los, me fez  fazer parte da história daqueles homens. Os ouvindo, Deus me deu uma inspiração de fazer o que eu nomeei de “cerceamento familiar”. Junto à direção local, consegui recursos para trazer a mãe, o filho, o tio, a avó e outros familiares para visitar esses homens que estavam à margem da sociedade. 

PORTAL: Como você se vê como missionário antes e depois de todos esses anos no Paraguai?

ALEXANDER: Mais maduro! Afinal, aprendemos, não é? Descobrimos coisas que talvez fizemos por falta de experiência, mas já não faremos mais. O campo missionário é um terreno fértil para o aprendizado constante dos missionários. Tiramos aprendizados de tudo!

PORTAL: O tempo de pandemia trouxe lições para o avanço da obra naquele país?

ALEXANDER: Sim. Nesse período, focamos não somente no seio local, mas também em trazer as famílias para mais próximo. Utilizamos bem as redes sociais e realizamos diversas reuniões pelo aplicativo Zoom. Estivemos conectados com o pastor Marcos Honório nas reuniões que ele tinha no Chile e levamos as pessoas para estarem conectadas na mesma visão.

Desses dois anos de pandemia, seis meses foram 100% fechados no Paraguai. Era caso de polícia sair para a rua. Mas, como Deus sempre tem uma estratégia, eu estava trabalhando lá como vendedor de pisos e Deus abriu uma porta pra mim no ramo da construção, que é um trabalho considerado essencial. Assim, eu tinha uma autorização da Prefeitura local e podia sair das 10h da manhã às 14 horas. Isso me possibilitava passar nas casas e dizer aos membros: “Olha, não desanima não. Estamos juntos”. Essa foi a maneira que Deus usou para nós avançarmos nesse tempo. 

PORTAL: Qual o conselho que você daria para os novos missionários que pretendem servir na América do Sul?

ALEXANDER: O primordial é aprender o espanhol.  Tem que conhecer a língua. Por exemplo: Quando você abre o computador, tem a tela inicial e as pastas. Só que ao ver uma pasta, você não tem a definição exata do que está dentro dela. Então, você tem que clicar nessa pasta para que a subpasta se abra. A mesma coisa é no campo missionário.

Você simplesmente saber que tem que ir, não é suficiente. Somente saber que tem que aprender um segundo idioma, também não. Você tem que ir lá antes, espiar a terra para abrir as subpastas, porque a tela inicial é o país. O que são as subpastas? O aluguel, as famílias em torno da casa que você vai morar e as pontes de relacionamento, que são o mais importante.

Outro aspecto que eu acredito ser importante é que o missionário não pode ir ao campo se ele não for resolvido na igreja local. Ele tem que ter uma boa comunhão com Deus e com sua liderança. Eu digo que o missionário é a extensão do braço de fé da igreja local. Se ele tem essa ponte de relacionamento estabelecida, a igreja local vai enviá-lo. Ele vai chegar com excelência e as coisas vão acontecer. Resumindo, a prioridade é o idioma do país, conhecer a terra antes de ir e ter a plena comunhão na igreja local.

PORTAL: Quem é o seu maior referencial em missões e por quê?

ALEXANDER: Eu tive duas inspirações. A primeira foi em 1998, quando eu e o pastor José Roberto, de Guaratinguetá (SP), fomos nos expor à unção de um pregador chamado Dave Roberson, quando ele esteve em um evento em Campo Grande, Mato Grosso do Sul. Nós saímos de São Paulo e fomos escutar um homem que falava de fé.

Quando cheguei nesse evento, Deus tinha algo preparado para a minha vida missionária, porque lá havia um homem chamado Osnei Valter Cruz. Era um missionário vindo da África, um brasileiro que deixou sua vida em Goiás para ir a Moçambique pregar o Evangelho. A mensagem desse homem me golpeou e ali eu percebi que eu tinha que fazer a diferença no campo missionário.

Além disso, claro, o outro grande referencial para a minha vida foi o Apóstolo Bud Wright, que saiu da sua nação e veio ao Brasil alcançar as nossas vidas. Ele deixou um legado tremendo e, hoje, muitos missionários tem saído do Brasil, assim como eu, para alcançar outras nações. 

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA