Projeto de membros do Verbo foi levado à Câmara de Campina Grande (PB)

Postado em
0

“Programa Linguagem Ilustrada na Saúde” (Plis) desenvolvido por Rafaela Guedes, membro da Igreja Verbo da Vida na Zona Leste, foi protocolado  como Projeto de Lei Ordinária 277/2021, na Câmara Municipal de Campina Grande (PB).

O autor da iniciativa foi o vereador Rubens Nascimento,  membro que também é membro da Igreja Sede

Em linhas gerais, o Plis busca promover meios para que o paciente que tenha limitações no manejo de medicamentos (por exemplo, de leitura ou interpretação clara da posologia indicada) seja orientado por meio de estratégias práticas, como o uso de adesivos ilustrados e, desta forma, possa fazer uso dos remédios e cumprir as orientações do tratamento de maneira mais eficiente e segura. 

Segundo Rafaella Guedes, a ideia busca promover e estimular o uso desse tipo de suporte para auxiliar os pacientes.

“Para além de uma nota ou sala de aula, encontrei pessoas…histórias…necessidades que precisam ser consideradas…E eu resolvi ser parte da mudança que eu tanto desejava. (…) A história do SUS foi precedida por uma saúde pautada em privilégios. Longe de ser perfeito, ganhamos um Sistema Único que tem como diretriz ética universalidade, equidade e integralidade.

Se nós podemos corroborar para que esses princípios não se limitem ‘ao papel’, por que ficar só olhando? Criticando? Encontrando muros ao invés de construir pontes? Eu vou. Vamos? Nas próximas semanas algumas Unidades Básicas de Saúde da minha amada cidade Campina Grande/PB [inicialmente] estarão recebendo esse projeto. Obrigada a todos que estão sendo fundamentais para que tudo se torne real. Deixo aqui também toda a minha gratidão aos meus professores e colegas de curso. Eles são parte essencial do caminho. Ninguém faz nada sozinho. Nada é sobre ‘eu’, é sobre nós!” , disse Rafaela em uma postagem nas suas mídias sociais.

Para Rubens Nascimento, o Plis é uma proposta de humanização e incentivo à autonomia e ao protagonismo dos pacientes.

“A ideia da estudante, com sua visão humanizada, é gerar um impacto considerável na vida dos pacientes/usuários, através desses pequenos gestos na educação em saúde. Na prática, trata-se de uma ferramenta simples de ser utilizada, mas com grande capacidade de surtir resultados importantes e humanizando o processo”, comentou o vereador.

De acordo com o Projeto de Lei, o programa será desenvolvido pela Secretaria Municipal de Saúde, a qual caberá disponibilizar os recursos e materiais necessários para sua implantação e continuidade, inclusive atuando para capacitar e sensibilizar suas equipes para oferecer o suporte àqueles pacientes que precisam da linguagem ilustrativa. 

Para saber mais sobre o PLIS, clique aqui!

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA