Série: Ideologia de gênero – Parte II

Postado em
1

leniseLenise Freitas

Graduada da Escola de Ministros Rhema e líder do Ministério Graça e Verdade

Para a Ideologia de gênero o indivíduo possui 4 áreas distintas. O Movimento LGBT aproveitou a semelhança fonética entre as palavras “Ginger” (gengibre) e “gender”  (gênero) do  Inglês, para criar uma imagem que chamou de ”genderbread person“ , o homem biscoito que explica a identidade de Gênero. No Brasil, a figura original do homem biscoito, ou homem biscoito de gengibre,  Gingerbread Man se popularizou través do filme Sherek.

g

Identidade de Gênero – Homem, Mulher (cisgênero quando a identidade de gênero coincide com o Gênero que lhe foi atribuído no nascimento de acordo com sua genitália) ou Transgênero.

Expressão de Gênero – Feminino, Masculino ou Andrógino

Sexo Biológico – Macho, Fêmea ou Hermafrodita (Intersexual)

Orientação Afetiva-Sexual – Heterossexual, Homossexual ou Bissexual ou Assexual

Estas áreas podem  simplesmente se mesclar da forma que o indivíduo desejar.

Já sabemos que estas idéias são contrárias à Palavra, que é a Verdade.

Mas a Organização Mundial de Saúde também não concorda com essas “ideias”. Foi uma grande surpresa para mim, saber que uma das principais bandeiras do Movimento LGBT é a luta pela despatologização das Identidades trans. Ou seja, conflitos de Gênero são considerados como patologia (doença) pela comunidade médica internacional.

Recentemente a Associação Americana de Pediatras divulgou em seu site um manifesto contra idéias da Identidade de Gênero. Essa Associação tem sido duramente criticada, e existe uma campanha para desacreditá-la, mas essa campanha não tem sido feita por médicos, mas por um grupo comprometido com o movimento LGBT.

Médicos da “Associação Americana de Pediatras“ explicam, cientificamente, por que  a ideologia de gênero é nociva para as crianças.

  1. A sexualidade humana é um traço biológico binário objetivo: “XY” e “XX” são marcadores genéticos de saúde, não de um distúrbio. A norma para o design humano é ser concebido ou como macho ou como fêmea. A sexualidade humana é binária por design, com o óbvio propósito da reprodução e florescimento de nossa espécie. Esse princípio é auto-evidente. Os transtornos extremamente raros de diferenciação sexual (DDSs) — inclusive, mas não apenas, a feminização testicular e hiperplasia adrenal congênita — são todos desvios medicamente identificáveis da norma binária sexual, e são justamente reconhecidos como distúrbios do design humano. Indivíduos com DDSs não constituem um terceiro sexo.
  1. Ninguém nasce com um gênero. Todos nascem com um sexo biológico. Pessoas que se identificam como “se sentindo do sexo oposto” ou “em algum lugar entre os dois sexos” não compreendem um terceiro sexo. Elas permanecem homens biológicos ou mulheres biológicas.
  1. A crença de uma pessoa, que ele ou ela é algo que não é, trata-se, na melhor das hipóteses, de um sinal de pensamento confuso. Quando um menino biologicamente saudável acredita que é uma menina, ou uma menina biologicamente saudável acredita que é um menino, um problema psicológico objetivo existe, que está na mente, não no corpo, e deve ser tratado como tal. Essas crianças sofrem de disforia de gênero (DG). Disforia de gênero, anteriormente chamada de transtorno de identidade de gênero (TIG), é um transtorno mental reconhecido pela mais recente edição do Manual de Diagnóstico e Estatística da Associação Psiquiátrica Americana (DSM-V). As teorias psicodinâmicas e sociais de DG/TIG nunca foram refutadas.
  1. A puberdade não é uma doença e hormônios que bloqueiam a puberdade podem ser perigosos. Reversíveis ou não, hormônios que bloqueiam a puberdade induzem a um estado doentio — a ausência de puberdade — e inibem o crescimento e a fertilidade em uma criança até então biologicamente saudável.
  1. De acordo com o DSM-V, cerca de 98% de meninos e 88% de meninas confusas com o próprio gênero aceitam seu sexo biológico depois de passarem naturalmente pela puberdade.
  1. Taxas de suicídio são vinte vezes maiores entre adultos que usam hormônios do sexo oposto e se submetem à cirurgia de mudança de sexo, mesmo na Suécia, que está entre os países mais afirmativos em relação aos LGBQT
  • Michelle A. Cretella, M.D. – Presidente da Associação Americana de Pediatras
    * Quentin Van Meter, M.D. – Vice-Presidente da Associação Americana de Pediatras – Endocrinologia Pediátrico
    * Paul McHugh, M.D. – Professor Universitário de Psiquiatria da Universidade Johns Hopkins Medical School, detentor de medalha de distinguidos serviços prestados e ex-psiquiatra-chefe do Johns Hopkins Hospital

Alguns autores como a psicóloga Katherine Kipp e o Dr. John Gray, autor do livro Homens de Marte e Mulheres são de Vênus, defendem ainda que existem diferenças psicológicas natas entre homens e mulheres, porém seus argumentos tem se mostrado frágeis por não haver uma unanimidade nas pesquisas, mas uma predominância estatística.

Porém como já falamos, vemos na Palavra diferenças psicológicas entre homens e mulheres.

Deus cria o homem com a vocação para liderança e a mulher como auxiliadora capaz. (Gênesis 2:18)

Deus dá instruções específicas para cada sexo e reconhece diferenças psicológicas: Mulher vaso mais frágil (1 Pedro 3: 7)

Deus ainda reconhece o poder do instinto materno em uma mulher: ” Acaso, pode uma mulher esquecer-se do filho que ainda mama, de sorte que não se compadeça do filho do seu ventre? Mas ainda que esta viesse a se esquecer dele, eu, todavia, não me esquecerei de ti.  Isaías 49:15”. Em nenhum momento vemos Deus considerar essas diferenças como opções ou simplesmente construções sociais. Ficamos então, com a Palavra. Se abrimos concessões para papéis estabelecidos, abriremos também para orientação, identidade, etc. Lembramos que embora estejam ligados e caminhem juntos, Identidade de Gênero e Homossexualidade não são a mesma coisa e seus ativistas diferem até mesmo em algumas idéias.  Para alguns da comunidade que está  gay, a pessoa nasce homossexual, para os ativistas da Identidade de Gênero, ninguém nasce homossexual ou heterossexual, para estes pode haver inclusive um trans homossexual e isto seria uma pessoa que nasce biologicamente homem e se transveste como mulher e sente atração por uma outra pessoa biologicamente mulher (cisgenero ou transgenero). Complexo, não? Haja biscoito para explicar! Mas apesar de termos o direito de discordar, precisamos lembrar que devemos sempre respeitar essas pessoas. Nossa luta nunca será contra pessoas, nossa luta não é contra carne e sangue.

1 COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA