Verbo FM

Desperte o Gigante em você

pp
Lucileia Toledo, vice-diretora do Rhema em Taguatinga-DF

Acho interessante a vida. De vez em quando subo para minha varanda no segundo andar, que acabei de construir, e fico olhando de longe a via principal. Ouço os barulhos, os carros indo e voltando; os ônibus com seus destinos variados e as pessoas que cruzam as ruas, elas são tão diferentes umas das outras! Algumas parecem ter tanto zelo pelo corpo, estão sempre correndo na ciclovia, assim como os ciclistas dando suas peladas…

Ah os ônibus… o que dizer deles? Tenho andado muito neles recentemente e é fascinante o convívio com as pessoas. Todos os dias, às 6 da manhã, entro em um deles. Olho a minha volta e tenho tanta compaixão pelas pessoas. Não porque estão em um ônibus é claro, o que isso tem de mais ou de menos?

Sinto compaixão, porque olho nos rostos delas e, embora pareça que estamos a indo para o mesmo destino, nossos caminhos não se cruzam. Todos os dias, dou bom dia ao motorista que me responde com aquele aspecto: “como assim? Bom dia?”. A cobradora está sempre mal-humorada, “é bom estar com o dinheiro trocado”, seu olhar diz. O restante do tempo, nos agarramos no que podemos, são muitos os malabarismos.

Na segunda parada após a minha sempre pegamos uma senhora. Ela aparenta ter uns 70 anos, é sempre bem-humorada e cheia de vida. Às vezes olho para ela e penso: “serei eu no fim dos meus dias, com tanta força e vigor que nenhum gigante será páreo para mim”.

Sempre sobem aqueles que estão tão decepcionados com eles mesmos que não querem disfarçar. Eles falam mal do governo, do chefe, da mãe, do motorista em fim… nada nunca está bom para eles. Se está quente eles se queixam da falta da chuva, se está chovendo, se queijam que estão molhados. Seria cômico se não fosse tão trágico!

Olho para elas e as vezes fico pensando: “minha nossa! Que oportunidade gloriosa Deus deu a essas pessoas!” Quantos chamados eu posso ver! Mas elas vão e vem, muitas provavelmente são cristãs, outras, desviadas do caminho, e o restante possivelmente sabe muito bem quem é Cristo, mas todas estão ocupadas demais com elas mesmas.

Tenho assistido cultos de quando Kenneth E. Hagin ainda estava vivo. Vejo muitas pessoas correndo em meio ao mover do Espírito. Não apenas correm, mas elas vibram, dançam contam e glorificam a Deus pela palavra recebida.

Enquanto as câmaras passeiam em meio ao auditório, olho para aqueles homens e mulheres e falo comigo mesma: “eles se foram”! Digo isso não porque sabemos que alguns já partiram para estar com o Senhor, mas porque a oportunidade de Deus veio até eles, e bem… alguns deles agarraram, foram até as últimas consequências por causa do chamado e produziram e ainda produzem frutos, mas o fato é: o momento deles passou.

Eu decidi que não serei mais uma pessoa na multidão, não andarei errante, tão atarefada comigo mesma e com as minhas coisas sem conseguir ir além daquilo que eu mesma demarquei como meu limite. Eu decidi que não passará essa geração sem que eu marque ela com tudo que Deus espera de mim.

Talvez não somos como aquelas pessoas que eu vejo da varanda de minha casa todos os dias, aparentemente correndo para lugar nenhum. Mas possivelmente somos aquelas que estamos tão envolvidas no ministério, fazemos tantas coisas para o Senhor, e isso é muito bom! Colocamos nossas prioridades, sabemos bem quais são elas, dizemos: “Deus em primeiro lugar e depois a família”. Cuidamos das pessoas, pregamos, ensinamos e as abençoamos. Somos dizimista e ofertantes fiéis. Cuidamos de nós mesmos, sempre atentos em comer correto, fazer exercício físico. Todavia, no fim de tudo, apenas fizemos o que era esperado de nós como cristãos.

Devíamos fazer isso tudo sem nunca nos esquecer; não estamos aqui no mundo por acaso!

Onde estão os sonhos que Deus nos deu ainda na infância? Qual é a carreira que Ele tem para corrermos? Alguns não querem deixar seu conforto e se preparar para o chamado. Outros, porém, estão escondidos por detrás do tempo de preparação, quando já estão prontos e Deus está tentando os lançar, todavia, estamos agarrados às tarefas que dizemos que Ele nos deu.

Alguns de nós temos coisas tão extraordinárias para fazermos para o Senhor, que seremos capazes de trazer à manifestação a próxima onda do Espírito, com um grande avivamento que varrerá o Brasil e atingirá as nações. É tempo de despertarmos e saímos para fora do que é comum ou normal. Tempo de desafiarmos alguns gigantes e os levarmos para a arena da fé. Deus conta conosco para manifestar o inesperado, a única coisa que precisamos fazer é sair dos nossos limites.

 

1 Comentário

  • Glória a Deus por essa palavra. É tempo da Igreja despertar para o chamado de Deus nesses últimos dias, somos aqueles que estão preparando o caminho para a volta do Senhor Jesus.

    Resposta

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Destaques da semana​

Estude no Maior Centro de Treinamento Bíblico do Mundo!